UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Tramitam no Congresso oito projetos de lei para alterar uso de delação premiada
26.05.2016 - 09h00
Rio de Janeiro - RJ
Em gravações divulgadas nesta quarta-feira (25) pelo jornal Folha de S.Paulo, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi flagrado dizendo ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que considerava necessário alterar a lei que trata sobre delação premiada, benefício legal que vem sendo usado nas investigações da Operação Lava-Jato.
Renan, no entanto, não é o único político a pensar dessa maneira. A Lupa vasculhou os sites da Câmara dos Deputados e do Senado e encontrou ao menos outros cinco parlamentares de quatro partidos diferentes aguardando a tramitação de projetos de lei de sua autoria que buscam modificar a colaboração premiada.
Desde o dia 17 de março de 2014, quando a Polícia Federal deu início à primeira fase da Lava-Jato, o Congresso recebeu um total de nove projetos de lei relacionados a mudanças nesse benefício legal. Deles, oito ainda tramitam. Sete estão na Câmara dos Deputados, e um, no Senado.

FRUTOS DA CPI

A CPI da Petrobras, que foi criada em 5 de fevereiro de 2015 para investigar a prática de atos ilícitos e irregulares na Petrobras, é autora de três desses projetos. Assinados pelo presidente da comissão, Hugo Motta (PMDB-PB), e pelo relator, Luiz Sérgio (PT-RJ), dois desses PLs restringem o “âmbito de incidência da colaboração premiada”.
O PL 4081/2015 veda a delação daqueles que ostentam “maus antecedentes ou que tenham rompido colaboração anterior”. O PL 4082/2015 proíbe que um mesmo advogado tenha dois ou mais delatores em um mesmo inquérito ou processo judicial. Ele também estabelece que as CPIs tenham acesso ao conteúdo das delações. O terceiro projeto oriundo da comissão parlamentar de inquérito é o PL 4078/2015, que modifica os procedimentos de obtenção da colaboração premiada, tornando obrigatória a gravação das reuniões de preparação e de definição sobre os acordos de delação. A proposta ainda estabelece que esses vídeos sejam tornados públicos após a homologação do acordo ou destruídos, caso o acerto não prospere.
Esses três PLs aguardam parecer do relator na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados. No dia 18, data da última movimentação, os três ganharam seus respectivos relatores.

QUATRO PARTIDOS

Os outros cinco projetos de lei que buscam modificar a delação premiada foram apresentados por parlamentares de quatro partidos: PSB, PT, PSD e PMDB.
Dois desses PLs, ambos de 2014, têm o mesmo objetivo: permitir que CPIs tenham acesso a informações sigilosas prestadas por colaboradores a partir do momento em que o acordo de delação for homologado. O PL 8079/2014 é de autoria do deputado Marco Maia (PT-RS), e o PLS 283/2014 é do ex-senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), hoje ministro do Tribunal de Contas da União (TCU).
Na Câmara dos Deputados, ainda há mais três PLs sobre delação premiada. O PL 2755/2015, do deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), propõe que as informações divulgadas pelo delator na sua primeira oitiva não possam ser alteradas e referenda a proposta de que um mesmo advogado não possa atender a dois delatores ao mesmo tempo. O PL 223/2015, do ex-deputado André Paula (PSD-PE), sugere que os acordos de colaboração possam alcançar penas de suspensão de direitos políticos e de multas por ato de improbidade administrativa.
O projeto de lei mais recente sobre esse assunto, o PL 4372/2016, é de autoria do deputado Wadih Damous (PT-RJ). Ele prevê uma série de mudanças. Estabelece, por exemplo, que presos não tem direito a esse benefício. Determina que apenas o conteúdo de uma delação não é suficiente para a abertura de uma denúncia e que menções a pessoas que não são alvo da investigação em questão sejam mantidas em sigilo. Por fim, a proposta criminaliza a divulgação de conteúdo oriundo de colaborações desse tipo, tendo as delações sido homologadas ou não.
O único projeto de lei sobre delação premiada que surgiu após a Lava-Jato e que já foi arquivado é o PL 8143/2014, do ex-deputado Luiz de Deus (DEM-BA). Segundo o site da Câmara, a proposta passou ao arquivo da Casa com o fim do mandato do proponente.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Checagem
Conteúdo de verificação e classificação de uma ou mais falas específicas de determinada pessoa, seguindo metodologia própria.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


25.02.2024 - 19h45
Checagem
Ato em SP: Bolsonaro erra dados e ignora contextos ao lembrar seu governo

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) reuniu aliados em um ato em São Paulo para se defender das acusações de tentativa de golpe. No discurso, citou dados sem contexto sobre auxílio emergencial e errou ao falar sobre o preço do etanol. Também se contradisse ao afirmar que ninguém pode ganhar uma eleição 'afastando os opositores do cenário político'

Ítalo Rômany
29.01.2024 - 21h15
Política
Em live, Bolsonaro se contradiz sobre Maduro e erra sobre ações do TSE

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) defendeu em uma live no domingo (28) pautas que marcaram o seu governo, como o voto impresso e o acesso às armas de fogo. Ele ainda fez uma afirmação falsa sobre o TSE e ignorou o contexto ao tratar de uma fake relacionada à Covid-19. O ex-presidente ainda se contradisse ao comentar sobre as eleições na Venezuela

Carol Macário
24.01.2024 - 15h39
Checagem
No Roda Viva, Haddad exagera sobre energia limpa e erra sobre reservas cambiais

Em entrevista ao programa Roda Viva no dia 22 de janeiro, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, fez comparações entre o preço da gasolina no governo atual e durante a gestão de Bolsonaro. Ele exagerou dados sobre a matriz energética brasileira e errou sobre as reservas internacionais. A Lupa checou algumas declarações do ministro.

Carol Macário
19.09.2023 - 12h18
Checagem
Na ONU, Lula erra sobre crise climática e produção de biodiesel

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a abrir a Assembleia-Geral das Nações Unidas depois de 14 anos. No discurso de abertura da 78ª edição do encontro, sediado em Nova York nesta terça-feira (19), o brasileiro enfatizou o combate às desigualdades, além de fazer críticas a organismos internacionais. A Lupa checou algumas das frases ditas pelo presidente.

Carol Macário
14.09.2023 - 15h40
Saúde
Deputados desinformam sobre vacina em reunião com a ministra da Saúde

Deputados federais usaram uma reunião com a presença da ministra da Saúde, Nísia Trindade, para desinformar sobre a vacinação contra a Covid-19. Trindade participou de uma audiência conjunta das comissões de Saúde e Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família nesta quarta-feira (13). A ministra também foi cobrada pelos parlamentares sobre o conteúdo da Resolução n° 715 do Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital