UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Dilma minimiza dívida de campanha e diz ter agido contra cartel. Checamos
05.04.2017 - 07h00
Rio de Janeiro - RJ
Em entrevista publicada pelo jornal Folha de S.Paulo na terça-feira (4), a ex-presidente Dilma Rousseff falou sobre a delação do empresário Marcelo Odebrecht, preso na Operação Lava-Jato, e sobre o julgamento que ela e o presidente Michel Temer deverão enfrentar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ambos são acusados pelo PSDB de abuso de poder econômico e político durante as eleições de 2014. Veja abaixo o grau de veracidade de algumas das falas de Dilma:
“Em 2009 eu tive um câncer e sequer era candidata à Presidência”
Verdadeiro, mas...
Dilma Rousseff realmente só foi confirmada candidata do PT à Presidência da República na convenção que o partido realizou em junho de 2010. Mas sua pré-campanha começou bem antes, com o respaldo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em abril de 2009, Dilma era ministra da Casa Civil e iniciou tratamento contra um câncer no sistema linfático. Naquele mesmo mês, no entanto, em entrevista à Rádio Globo, Lula manifestou a intenção de lançá-la candidata nas eleições do ano seguinte. Ainda no mesmo mês, Dilma e Lula foram a Manaus e, nesse evento, o ex-presidente voltou falar da ministra como possível candidata presidencial. Vale ressaltar que a lei eleitoral proíbe campanha extemporânea.

“Terminamos a eleição de 2010 com uma dívida de R$ 10 milhões”
De olho
De acordo com a prestação de contas apresentada pela candidatura de Dilma Rousseff ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 2010, sua campanha arrecadou R$ 135,53 milhões e gastou R$ 153,09 milhões. A diferença – ou seja a dívida – foi de R$ 17,5 milhões, quase o dobro do que a ex-presidente afirmou na entrevista.
A assessoria de Dilma reconhece o erro. Diz que a ex-presidente “falou o montante de memória”, mas que o fato de a dívida de campanha ser maior do que o citado só reforça sua posição. “Por que a campanha de 2014 não usaria os supostos R$ 50 milhões diante de uma dívida de R$ 17,5 milhões?”.

“As doações oficiais (da Odebrecht) eram R$ 29 milhões, ou 9% do total que arrecadamos (em 2014)”
Verdadeiro
Os dados registrados no TSE pela campanha da ex-presidente Dilma Rousseff à reeleição mostram que, em 2014, sua chapa arrecadou R$ 350,5 milhões. Desse total, a empreiteira Odebrecht respondia por R$ 29,5 milhões (doados em 14 parcelas). Esse montante equivale a 8,4% de tudo que foi arrecadado.

“Um empresário começou a dizer que estava muito difícil participar do leilão (da usina de Santo Antônio) porque havia uma espécie de cartel organizado pelo senhor Marcelo Odebrecht. Eu fui averiguar. E havia um processo de cartelização. Chamada a direção de Furnas [que participou do consórcio], isso foi imediatamente resolvido”
De olho
Dilma fala da construção da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no Complexo do Rio Madeira (RO), e alega que foi a entrada das Centrais Elétricas S.A (Furnas) no consórcio ou uma interferência sua junto à diretoria dessa empresa que “resolveu” o problema da suposta cartelização.
Documentos disponíveis no portal da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) referentes a esse leilão mostram, no entanto, que Furnas e Odebrecht integravam o mesmo consórcio desde o momento em que se inscreveram na disputa, em novembro de 2007. E não há nenhum registro público sobre a interferência de Dilma junto à direção de Furnas para impedir que houvesse um cartel na disputa pela usina de Santo Antônio.
A assessoria de imprensa de Dilma diz que a ação da ex-presidente “ocorreu antes dos leilões e, portanto, antes dos consórcios serem registrados”. Acrescenta que Dilma teria conseguido a anulação de um documento que beneficiaria a Odebrecht e Furnas naquele leilão ao impedir que outras empresas controladas pela Eletrobras pudessem participar dele, integrando outros consórcios.
Esta reportagem foi publicada na edição impressa do jornal Folha de S.Paulo no dia 5 de abril de 2017.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Checagem
Conteúdo de verificação e classificação de uma ou mais falas específicas de determinada pessoa, seguindo metodologia própria.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


25.02.2024 - 19h45
Checagem
Ato em SP: Bolsonaro erra dados e ignora contextos ao lembrar seu governo

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) reuniu aliados em um ato em São Paulo para se defender das acusações de tentativa de golpe. No discurso, citou dados sem contexto sobre auxílio emergencial e errou ao falar sobre o preço do etanol. Também se contradisse ao afirmar que ninguém pode ganhar uma eleição 'afastando os opositores do cenário político'

Ítalo Rômany
29.01.2024 - 21h15
Política
Em live, Bolsonaro se contradiz sobre Maduro e erra sobre ações do TSE

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) defendeu em uma live no domingo (28) pautas que marcaram o seu governo, como o voto impresso e o acesso às armas de fogo. Ele ainda fez uma afirmação falsa sobre o TSE e ignorou o contexto ao tratar de uma fake relacionada à Covid-19. O ex-presidente ainda se contradisse ao comentar sobre as eleições na Venezuela

Carol Macário
24.01.2024 - 15h39
Checagem
No Roda Viva, Haddad exagera sobre energia limpa e erra sobre reservas cambiais

Em entrevista ao programa Roda Viva no dia 22 de janeiro, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, fez comparações entre o preço da gasolina no governo atual e durante a gestão de Bolsonaro. Ele exagerou dados sobre a matriz energética brasileira e errou sobre as reservas internacionais. A Lupa checou algumas declarações do ministro.

Carol Macário
19.09.2023 - 12h18
Checagem
Na ONU, Lula erra sobre crise climática e produção de biodiesel

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a abrir a Assembleia-Geral das Nações Unidas depois de 14 anos. No discurso de abertura da 78ª edição do encontro, sediado em Nova York nesta terça-feira (19), o brasileiro enfatizou o combate às desigualdades, além de fazer críticas a organismos internacionais. A Lupa checou algumas das frases ditas pelo presidente.

Carol Macário
14.09.2023 - 15h40
Saúde
Deputados desinformam sobre vacina em reunião com a ministra da Saúde

Deputados federais usaram uma reunião com a presença da ministra da Saúde, Nísia Trindade, para desinformar sobre a vacinação contra a Covid-19. Trindade participou de uma audiência conjunta das comissões de Saúde e Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família nesta quarta-feira (13). A ministra também foi cobrada pelos parlamentares sobre o conteúdo da Resolução n° 715 do Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital