UOL - O melhor conteúdo
Lupa
O Santander perdeu mesmo mais de 20 mil clientes em apenas dois dias?
16.09.2017 - 08h00
Rio de Janeiro - RJ
Na tarde da última segunda-feira (11), o Monitor do Debate Político no Meio Digital, projeto da Universidade de São Paulo (USP) que analisa informações publicadas e compartilhadas nas redes sociais, detectou uma notícia que merecia atenção. A informação de que o Banco Santander havia perdido mais de 20 mil clientes, num prazo de dois dias, em decorrência do cancelamento de uma exposição cultural em Porto Alegre já tinha sido compartilhada mais de 125 mil vezes. Um número alto. Relevante. Mas a informação era mesmo verdadeira?
No sábado (9), quase um mês depois de inaugurar a exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, o Santander Cultural anunciou que anteciparia o encerramento da mostra. A entidade havia sido alvo de protestos encampados por pessoas que enxergavam pedofilia, zoofilia e desrespeito religioso nos trabalhos expostos. Quando o anúncio do banco veio à tona, no entanto, foram os artistas e os movimentos culturais que passaram a atacar a instituição. Classificaram a medida como um ato de censura – e o banco Santander ficou na berlinda.
Durante esse período, a dúvida dos pesquisadores da USP reverberou na internet. E a Lupa foi checar a frase: “O Santander perdeu mais de 20 mil correntistas em dois dias”.
Publicada por sites como Folha Online.Site, News Atual e Orgulho Hétero, e compartilhada por páginas como Voz da Liberdade Brasil, a informação não se sustenta em dados públicos.
De acordo com informações disponíveis no site do Banco Central, o número de correntistas do Santander está em alta desde, pelo menos, o último bimestre de 2016. Em dezembro do ano passado, o banco tinha 37.065.391 clientes. Em março de 2017, eram 37.527.740. Em junho, já tinham passado a 38.098.966.
O levantamento do BC é feito trimestralmente. O próximo deve ser divulgado só em outubro. Ou seja, ainda não existem dados públicos capazes de evidenciar a alegada queda.
Diante disso, a Lupa solicitou informações oficiais ao banco, e a entidade afirmou, por nota, que não perdeu 20 mil clientes. Mas não respondeu se havia ou não tido alguma perda de correntistas no período que coincide com a mostra de Porto Alegre.
Mas de onde teria saído o número citado na frase?
Vinte mil se aproxima do total de avaliações negativas que a página do Santander Cultural no Facebook tinha recebido até a última segunda-feira. Na tarde de sexta-feira, o total de avaliações negativas na mesma página já havia subido para 37 mil.
Chamou a atenção tanto dos pesquisadores quanto dos checadores o fato de que alguns dos portais que difundiram a frase sobre a suposta perda de correntistas do Santander chegaram a incluir em suas postagens a imagem das avaliações negativas no Facebook do banco. Nos títulos e no textos, no entanto, sustentaram que o número se referia ao balanço de clientes.
O Monitor do Debate Político no Meio Digital é um projeto do Grupo de Políticas Públicas em Acesso à Informação da USP que monitora diariamente as notícias e artigos mais compartilhados nas redes. É coordenado por dois professores da Escola de Artes, Ciências e Humanidades: Pablo Ortellado, doutor em Filosofia, e Márcio Moretto Ribeiro, doutor em Ciência da Computação. O Monitor costuma recolher e analisar todas as reportagens publicadas e compartilhadas por 118 fontes de 82 veículos de comunicação. Sempre nas redes sociais.
Esta reportagem foi publicada pela revista Época no dia 16 de setembro de 2017.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


18.05.2024 - 16h51
Rio Grande do Sul
É falso que barragem da Usina 14 de Julho causou enchente no RS; vídeo é antigo

Vídeo que circula nas redes sociais afirma que a abertura de comportas das barragens do Rio das Antas e do Rio Carreiro teria resultado nas enchentes do Rio Grande do Sul. É falso. Trata-se de um vídeo antigo que não tem relação com as recentes enchentes. Além disso, as barragens citadas não têm capacidade de impactar nas cheias.


Evelyn Fagundes
18.05.2024 - 12h46
Rio Grande do Sul
Vídeo de resgate de criança por civis em enxurrada foi gravado na Turquia, não no RS

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra o resgate de duas pessoas em uma enchente. A legenda afirma se tratar do salvamento de duas crianças que ocorreu recentemente no Rio Grande do Sul. É falso. A gravação mostra o resgate de uma mulher e de uma criança em março de 2023 na Turquia.

Catiane Pereira
18.05.2024 - 09h46
Rio Grande do Sul
É falso que 2 mil corpos foram congelados em frigorífico de Canoas (RS)

Vídeo nas redes sociais alega que estão congelando corpos em câmaras frigoríficas no bairro Mathias Velho, em Canoas (RS). É falso. O Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul e a Prefeitura de Canoas desmentiram o boato. Além disso, o boletim da Defesa Civil, divulgado às 9h de sábado (18), aponta 22 óbitos em Canoas.

Catiane Pereira
17.05.2024 - 17h30
Rio Grande do Sul
É falso que foram destruídas doações para o RS mostradas em vídeo viral

Circula nas redes sociais um vídeo alegando que doações enviadas para o Rio Grande do Sul foram destruídas. É falso. Trata-se de um registro de 2023, em que donativos estavam sendo movidos por uma retroescavadeira para organizar o local. O conteúdo desinformativo ainda conta com outras narrativas falsas.


Evelyn Fagundes
16.05.2024 - 17h15
Rio Grande do Sul
É falso que lista com 53 nomes seja de crianças desacompanhadas em abrigo na Ulbra, em Canoas

Circula pelas redes sociais uma lista com supostos nomes de crianças sem seus responsáveis que estariam abrigadas no Campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS). É falso. Na verdade a lista traz os nomes de pessoas desabrigadas e que foram acolhidas em outro local, não de crianças desacompanhadas.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital