UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Vídeo não mostra professoras obrigando menino a usar batom
01.11.2017 - 15h31
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais um vídeo que mostra uma criança sendo supostamente forçada por uma professora a usar batom. Levantamento produzido pelo Monitor do Debate Político no Meio Digital, projeto de análise de redes mantido pela Universidade de São Paulo (USP), mostra que, só no Facebook, a gravação já tem mais de dois milhões de visualizações e 80 mil compartilhamentos.
O site Jornal da Cidade Online difundiu o vídeo e, sozinho, já computou mais de 25 mil compartilhamentos dele. Em sua postagem, a página relaciona a gravação a um  abaixo-assinado contra a participação da filósofa Judith Butler em um seminário que o SESC Pompeia pretende realizar em São Paulo na próxima terça-feira (7). Para o site, Judith é a “idealizadora e uma das principais promotoras da ideologia de gênero” e o vídeo seria um exemplo do que pode acontecer nas escolas do país.
A gravação, no entanto, não tem qualquer associação com esse assunto, com a filósofa nem com batom.
De acordo com o Ministério Público do Distrito Federal, as imagens foram feitas em junho de 2015 e fazem parte de uma denúncia por maus tratos de crianças apresentada contra o Colégio Ipê Centro Educacional, em Águas Claras, no Distrito Federal.
Segundo o MP, a gravação não mostra professoras obrigando um menino a usar batom nem tem qualquer conexão com o debate sobre ideologia de gênero.
Nas imagens, feitas por outra funcionária da escola, as professoras obrigam uma criança a ingerir uma cápsula de Ômega 3. Essa informação consta na sentença que levou à condenação da escola. No documento oficial da 3ª Vara Cível de Taguatinga, a juíza descreveu a cena com clareza: “Em 19/06/2015, as educadoras teriam lhe obrigado, de forma vexatória, a ingerir uma cápsula de Ômega 3”. Novamente, nada de batom, filosofia ou ideologia de gênero. Esse vídeo, inclusive, é apenas um de uma série em que foram flagrados outros casos de maus tratos.
Apesar disso, em discurso feito no último dia 24, o deputado Lincoln Portela (PRB-MG) proliferou a informação equivocada. Na tribuna, disse o seguinte: “Hoje, por exemplo, eu vi. Ainda não me preocupei em saber de qual foi o país [porque] eu precisava fazer este pronunciamento aqui. Mas duas professoras obrigando uma criança de seis anos a passar batom”.
Procurado para comentar o vídeo e as informações do MP sobre sua verdadeira história, o deputado não retornou.
Em setembro, o Jornal da Cidade Online foi flagrado postando fotos de uma edição antiga do Rock in Rio como se tratasse de uma informação sobre a edição de 2017. O material também foi checado pela Lupa.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


12.04.2024 - 17h28
Eleições
Musk não entregou aos EUA provas de interferência de Moraes nas eleições

Publicação nas redes sociais alega que Elon Musk entregou às autoridades dos Estados Unidos documentos evidenciando a interferência do ministro Alexandre de Moraes, do STF, nas eleições de 2022. É falso. Não há nenhum registro sobre o fato. Além disso, um especialista em Direito Constitucional afirma que tal ação não teria efeito prático no Brasil.

Maiquel Rosauro
12.04.2024 - 17h02
Política
É falso que Elon Musk conseguiu o impeachment de Alexandre de Moraes

Circula nas redes um vídeo do deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO), que estaria comemorando o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, após o empresário Elon Musk pedir o afastamento do magistrado. É falso. O vídeo mostra Gayer comemorando a aprovação da PEC que limita decisões monocráticas no STF.

Catiane Pereira
12.04.2024 - 16h16
STF
É de 2016 vídeo sobre ação da PF que cita Alexandre de Moraes; caso foi arquivado

Circula nas redes um vídeo que mostra que o nome do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes apareceu em documentos apreendidos pela PF de uma empresa investigada em esquema de fraude. Falta contexto. O vídeo é antigo, de 2016. Pagamentos à firma de Moraes foram para honorários advocatícios. O caso foi arquivado.

Ítalo Rômany
12.04.2024 - 15h13
Política
É falso que Moraes tenha ‘censurado’ o jornalista Augusto Nunes

Circula nas redes sociais um vídeo em que um homem alega que o jornalista Augusto Nunes teria sido censurado pelo Supremo Tribunal Federal em um processo liderado pelo ministro Alexandre de Moraes. É falso. A Suprema Corte negou que exista uma decisão desse gênero em vigor.


Evelyn Fagundes
12.04.2024 - 14h21
Política
É antigo vídeo no qual Cármen Lúcia fala sobre liberdade de expressão

Um vídeo no qual a vice-presidente do TSE, Cármen Lúcia, fala sobre ‘censura’ em uma sessão da corte circula com uma legenda que insinua que ela estaria se posicionando contra o ministro Alexandre de Moraes em sua disputa com o empresário Elon Musk. É falso. O vídeo é de 2022. A sessão do TSE tratou sobre desmonetização de canais no YouTube.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital