UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Governo do RJ: dois erros e três acertos sobre segurança pública no 1º debate na TV
21.08.2018 - 07h00
Rio de Janeiro - RJ
Dando indícios de que a campanha para o governo do Rio de Janeiro realmente girará em torno da segurança pública e da violência, o primeiro debate na TV entre os candidatos ao governo estadual, realizado na última quinta (16) pela Band  teve uma série de afirmações sobre o assunto – nem sempre corretas. Em parceria com o Instituto Igarapé, a Lupa separou algumas das falas e analisou seu conteúdo. Veja a seguir o resultado:
“Quem quer que esteja portando um fuzil, eu autorizarei a nossa Polícia Militar a abater”
Wilson Witzel (PSC)
Falso
O governador – qualquer que venha a ser eleito – não tem atribuição para fazer esse tipo de autorização, esclarece o Instituto Igarapé. Há diversos parâmetros que norteiam o uso da força na ação policial, devendo ela ser aplicada de forma gradual, respeitando os princípios para sua aplicação: legalidade, necessidade, proporcionalidade e conveniência. O uso da força letal deve ser condicionado às situações de legítima defesa em razão de risco à vida do policial ou de terceiros. Ainda vale lembrar que o Brasil é um dos países que adotaram o protocolo da Organização das Nações Unidas (ONU) para “uso da força e armas de fogo”, em 1990.
Procurado, Witzel enviou nota reafirmando sua posição. “Quem está portando uma arma de guerra certamente não está disposto a conversar ou negociar com as forças policiais. Como professor e conferencista de Direito Penal pelos últimos 20 anos, esta é a minha posição. Como governador, vou orientar que os policiais ajam desta forma, exatamente nos termos da lei.”

“A intervenção é um engodo. Eu disse isso no Congresso, na votação em plenário”
Indio da Costa (PSD)
Falso
No dia 19 de fevereiro deste ano, quando o decreto de intervenção federal do RJ foi analisado no plenário da Câmara dos Deputados, Índio da Costa fez um discurso “breve e objetivo” e, nele, não chamou a intervenção de engodo. Pelo contrário, defendeu-a. Leia na íntegra:
“Há dois anos, eu fui ao Presidente Michel Temer e pedi intervenção no Rio de Janeiro, e a única intervenção possível, efetiva e concreta é com o afastamento do Governador que lá está. De qualquer maneira, essa é a terceira tentativa do Governo Federal de levar esperança e segurança de volta às pessoas. E não tem como, sendo do Rio de Janeiro, amando o Rio de Janeiro, vivendo no Rio de Janeiro, não votar favoravelmente à intervenção.
O PSD votará em peso favoravelmente à intervenção no Estado, mas pede encarecidamente, e vai cobrar do Governo Federal, que, desta vez, não ocorra uma intervenção como foram as outras participações das Forças Armadas no Estado, que lá ficaram pouco tempo e foram embora. Então, nós votamos favoravelmente à medida, mas esperamos que, desta vez, o Governo Federal acerte e tome as medidas que tem que tomar para levar segurança ao Estado”.
Em nota, Indio afirmou que “intervenção só na segurança, sem retirar o governador, só serviu para tirar Pezão das cobranças da população. Foi um prêmio para ele, e a população não vê resultados”.

“Seu plano estratégico [da intervenção] foi divulgado três meses depois [do início dela]”
Tarcísio Motta (PSOL)
Verdadeiro
O Decreto da Intervenção Federal foi assinado em 16 de fevereiro de 2018 e aprovado pelo Senado em 20 de fevereiro. A portaria de seu Plano Estratégico, contudo, data de 29 de maio de 2018.

“Uma mulher morre no Estado [do RJ] por dia”
Marcia Tiburi (PT)
Verdadeiro
De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) do RJ, 68 mulheres foram vítimas de feminicídio e 313 de homicídios dolosos em 2017. Consideradas as 381 vítimas fatais desses dois tipos crimes, chega-se a uma média de aproximadamente uma mulher morta no estado do Rio de Janeiro por dia em 2017.

“ISP mostra que a violência doméstica está disparando”
Eduardo Paes (DEM)
Verdadeiro
Dados do ISP referentes aos anos de 2015, 2016 e 2017 mostram aumentos em diferentes indicadores de violência contra a mulher – incluindo homicídio doloso e estupro. Ainda de acordo com o instituto, a residência da vítima foi o local de ocorrência dos crimes em 60,6% dos casos em 2014, 60,3% em 2015, 60,5% em 2016 e 60,8% em 2017.
Em outubro de 2016, a Polícia Civil integrou a variável feminicídio em seu banco de dados. Portanto, 2017 é o primeiro ano em que foi possível ter dados sobre esse tipo de crime referentes a um ano completo, o que inviabiliza a comparação com anos anteriores . Das 68 mulheres vítimas de feminicídio em 2017, 57,4% tiveram como acusados os companheiros ou ex-companheiros, e 52,9% foram vítimas de feminicídios que ocorreram no interior das residências. Em média, no ano de 2017, foram registrados cinco feminicídios e 15 tentativas de feminicídio por mês em todo estado.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Checagem
Conteúdo de verificação e classificação de uma ou mais falas específicas de determinada pessoa, seguindo metodologia própria.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.05.2024 - 19h00
Checagem
Ato de 1º de maio: Lula erra dado da cesta básica e exagera sobre apoio no Congresso

Em ato no dia 1º de maio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) errou ao afirmar que, com a reforma tributária, todos os alimentos da cesta básica terão isenção total de imposto. Ele ainda exagerou ao dizer que todas as propostas enviadas por seu governo ao Congresso foram aprovadas "de acordo com os interesses de que o governo queria".

Ítalo Rômany
21.04.2024 - 19h00
Checagem
Ato no RJ: Bolsonaro desinforma ao atacar Lula e se contradiz sobre contestar eleições

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) realizou um ato com aliados e apoiadores neste domingo (25), no Rio de Janeiro (RJ). A defesa da liberdade de expressão, com elogios ao empresário Elon Musk, e ataques à oposição e ao Judiciário deram o tom das cerca de duas horas de pronunciamentos. A Lupa checou algumas frases do discurso de Bolsonaro

Carol Macário
19.04.2024 - 14h30
Política
Ministra da Saúde erra ao negar aumento de mortes dos Yanomami sob Lula

Em audiência no Senado, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, citou o negacionismo ao explicar a baixa adesão à vacina da dengue no Brasil. Ela errou ao afirmar que o número de óbitos dos Yanomami não cresceu no governo Lula. Confira a checagem completa.

Carol Macário
20.03.2024 - 17h44
Roda viva
Ministro Silvio Costa Filho erra ao falar sobre militância religiosa do presidente do Republicanos

Em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), destacou dados e números sobre investimentos no setor. Ele errou ao dizer que o atual presidente nacional do Republicanos não mistura religião com política. A Lupa checou algumas das declarações do ministro.

Carol Macário
12.03.2024 - 20h15
Política
No SBT, Lula exagera dados sobre erradicação da fome e reajuste salarial

Em entrevista ao SBT no dia 11 de março, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) exagerou ao lembrar dados de mandatos anteriores, como a suposta erradicação da fome no país em 2014. Ele também exagerou dados sobre reajustes salariais acima da inflação em 2023. A Lupa checou algumas das declarações do chefe do Executivo.

Carol Macário
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital