UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Eleitor que denunciou ‘urna falsificada’ ao tentar votar em Bolsonaro errou ordem de votação
28.10.2018 - 11h45
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais vídeo de um eleitor denunciando uma suposta “falsificação” em sua urna eletrônica. Ele filma sua votação e mostra que, ao apertar o número 17, do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, aparece na tela a expressão “voto nulo”. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Eu, Paulo Roberto Duarte Pereira, apertei no 17, Bolsonaro, está aparecendo ‘nulo’ aqui. (…) Vocês estão falsificando as urnas. Dezessete está aparecendo nulo”
Fala de eleitor em vídeo que viralizou no Facebook e que já tinha mais de 5 mil compartilhamentos (aqui, aqui e aqui) até as 11h30 do dia 28 de outubro de 2018
Falso
O vídeo analisado pela Lupa fala sobre uma suposta fraude na urna eletrônica. De acordo com o eleitor que aparece no vídeo e que se identifica como Paulo Roberto Duarte Pereira, ao digitar o número 17, do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, seu voto aparecia como “nulo”. No entanto, na mesma gravação, é possível observar – com clareza – que, nesse mesmo momento, a urna pedia o número do candidato a governador – não os dígitos de presidente. Veja abaixo:
A publicação original, que chegou a ter 1.494 compartilhamentos, foi retirada do ar em poucos minutos. Mas, a partir dela, outras páginas passaram a postar o mesmo conteúdo.
No primeiro turno, o Tribunal Superior Eleitorl (TSE) emitiu nota chamando atenção do eleitor para a ordem correta dos votos e como isso poderia levar a interpretações equivocadas sobre fraude nas urnas. Procurado nesta manhã de domingo (28), o órgão remeteu a Lupa ao posicionamento do primeiro turno.
Ainda vale lembrar que fotografar ou filmar a urna eletrônica é crime, por violar o sigilo do voto, segundo o Código Eleitoral. A lei estabelece que é proibido “portar aparelho de telefonia celular, máquinas fotográficas e filmadoras, dentro da cabina de votação”.
Atualização às 13h20 do dia 28 de outubro de 2018: Em nota, o Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) identificou que o caso ocorreu na Escola Manoel Leite Carneiro, no bairro do Tenoné, em Belém, e informou que a supervisora da mesa receptora de votos tentou impedir a ação de filmagem, visto que é proibida a utilização de celular dentro da seção eleitoral, mas foi empurrada pelo eleitor. A polícia precisou ser acionada.
“A Dra. Ana Patrícia Fernandes, Juíza da 97° Zona Eleitoral da capital, determinou uma busca ao eleitor para realizar a autuação em flagrante. Caso não seja possível realizar a prisão em flagrante
dentro do prazo de 24 horas, será instaurado um procedimento criminal visto que todos os acontecimentos foram registrado em ata”, acrescenta o TRE-PA.
Neste sábado e domingo a equipe da Agência Lupa se uniu a outras quatro agências de checagens de notícias no Brasil para checar as mensagens de conteúdo suspeito nesta reta final das eleições. A ideia de juntar forças é para ganhar mais agilidade e aumentar o alcance das checagens. A parceria reúne o Fato ou Fake, Projeto Comprova, Lupa, Boatos.org e E-Farsas.
Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


28.05.2024 - 17h27
Educação
É falso que PT está escondendo tablets doados por Bolsonaro a Niterói (RJ)

Circula nas redes um vídeo cuja legenda alega que um deputado descobriu em Niterói doações de tablets feitas por Bolsonaro e que o governo Lula estaria 'escondendo' os aparelhos para não entregar à população. É falso. Os tablets foram comprados com recursos próprios do município. A distribuição não ocorreu devido a determinação do TCE

Ítalo Rômany
27.05.2024 - 19h19
Rio Grande do Sul
É falso que vídeo mostre abertura de comportas no RS; imagens são antigas

Circula nas redes um vídeo mostrando o avanço de uma enxurrada. A legenda alega que funcionários abriram as comportas das barragens para causar a tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo é de 2023 e, segundo  a empresa administradora, a barragem não tem comportas que possam ser abertas.

Evelyn Fagundes
27.05.2024 - 17h13
Rio Grande do Sul
Não é do Rio Grande do Sul vídeo que mostra enxurrada invadindo casa. Imagens foram registradas em Goiás

Vídeo nas redes sociais mostra uma enxurrada invadindo o pátio de uma casa. A legenda que acompanha o post alega que as cenas foram gravadas no Rio Grande do Sul, estado que sofre as consequências de enchentes. É falso. Uma busca reversa revelou que as imagens foram registradas em Anápolis, município de Goiás, em novembro de 2021.

Maiquel Rosauro
27.05.2024 - 16h29
Justiça
Lei que impõe sigilo em casos de violência doméstica não beneficia filho de Lula acusado de agressão

Circula pelas redes sociais que uma lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) beneficia seu filho, Luís Cláudio Lula da Silva, acusado de agredir a ex-namorada. É falso. Publicações distorcem o objetivo da lei, que declara sigilo apenas sobre a identidade da vítima, não sobre o nome do agressor ou outros dados do processo.

Catiane Pereira
27.05.2024 - 14h45
Rio Grande do Sul
É falso que o governo Lula adquiriu “arroz de plástico chinês”

Vídeo mostra produção sintética de arroz. Segundo a legenda, esse seria o produto adquirido pelo Brasil para suprir o mercado. É falso. A Conab, responsável pela mediação e aquisição, afirma que se trata de desinformação. O edital de compra – que está suspenso – estabelece que o produto deve obedecer a diversos critérios de qualidade e segurança. 


Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital