UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que orçamento federal para publicidade seja de apenas R$ 150 milhões para 2019
15.03.2019 - 14h58
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais gráfico que “informa” que, entre 2000 e 2016, o governo gastou mais de R$ 30 bilhões com publicidade – e que o orçamento para este ano é de somente R$ 150 milhões. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Valores gastos com publicidade nos governos de FHC (em azul [R$ 4,8 bi]), do PT (em vermelho [R$ 29,7 bi]) (…)”
Texto que acompanha gráfico publicado no Facebook, que, até as 18h30 do dia 14 de março, contava com pelo menos 70 compartilhamentos
Verdadeiro, mas...
Os números citados para os anos de PSDB e PT são reais. Como o gráfico indica, os números são do Instituto de Acompanhamento da Publicidade (IAP), entidade paraestatal que monitorava os gastos com publicidade do governo federal até março de 2017. São considerados todos os gastos do governo federal, incluindo a administração indireta (empresas estatais, autarquias, fundações, etc). Vale pontuar, entretanto, que o próprio gráfico mostra apenas os três últimos anos do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB).
O jornalista Fernando Rodrigues monitorava, via Lei de Acesso à Informação, e publicava periodicamente esses dados, primeiro em seu blog no UOL e, posteriormente, em seu site, Poder360.
Segundo a última edição do levantamento, do início de 2017, o governo federal gastou R$ 29,7 bilhões entre 2003 e 2016 (que corresponde às gestões petistas e aos primeiros meses do governo de Michel Temer). Entre 2000 e 2002, três últimos anos de Fernando Henrique, os gastos foram de R$ 4,9 bilhões. Isso representa uma média anual de R$ 2,1 bilhões na era petista e de R$ 1,6 bilhão no final da era tucana.
Os valores foram corrigidos pela inflação, usando o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), com referência a dezembro de 2016.
Criado em 1999, o IAP teve suas atividades encerradas em março de 2017. Desde aquele ano, não há uma entidade que realize o monitoramento das despesas do governo com publicidade. Segundo o Poder360, o custo anual do instituto era de R$ 1,4 milhão, menos de 0,1% do total gasto pelo governo com propaganda em 2016.

“(…) Valor orçado para ser gasto esse ano no governo do Bolsonaro (em verde [R$ 150 milhões])”
Texto que acompanha gráfico publicado no Facebook, que, até as 18h30 do dia 14 de março, contava com pelo menos 70 compartilhamentos
Falso
Segundo o Siga Brasil, portal de dados orçamentários do Senado Federal, o valor orçado para 2019 em publicidade institucional do governo federal é de R$ 478,4 milhões – mais do que o triplo citado no gráfico analisado pela Lupa.
Esse valor se refere somente à administração direta, ou seja, não estão sendo consideradas as empresas públicas, autarquias, fundações, etc – cujos gastos com propaganda não estão no orçamento geral da União. Portanto, o valor não pode ser comparado com os dados citados na checagem acima.
De acordo com o Siga, a administração direta gastou R$ 8,2 bilhões entre 2003 e 2018, em valores corrigidos pelo IPCA. Isso representa uma média de R$ 513,8 milhões ao ano. Ou seja, o valor orçado para 2019 é apenas ligeiramente menor do que o gasto médio anual de governos anteriores. Em comparação com os gastos do ano passado (R$ 423,9 milhões), a previsão é de um crescimento de 12,4%.
Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


21.02.2024 - 20h28
Segurança pública
Fuga de 17 presos no Piauí foi em penitenciária estadual, não federal

Vídeo aborda as fugas de presos no Piauí e em Rondônia. Segundo o post, esses acontecimentos teriam relação com o ministro Ricardo Lewandowski, uma vez que, ainda neste mês, dois detentos fugiram da Penitenciária de Mossoró. É falso. Ao contrário da unidade de Mossoró, que é federal, as prisões do Piauí e de Rondônia são de administração estadual.

Evelyn Fagundes
21.02.2024 - 16h42
Saúde
Repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal não tem eficácia contra dengue

Circula nas redes vídeo de um bombeiro ensinando uma receita de repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal para repelir o mosquito da dengue. Não há comprovação científica. Repelentes precisam ter o aval da Anvisa e seguir as orientações descritas na rotulagem do produto. Especialistas negam eficácia de repelentes caseiros

Ítalo Rômany
21.02.2024 - 14h50
Política
Vídeo em que deputado português chama Lula de ‘bandido’ é de 2023

Circula pelas redes um vídeo no qual o deputado português André Ventura chama o presidente Lula de "bandido". A legenda afirma que o discurso ocorreu “ontem”. É falso. A fala não é recente. O político de fato atacou o presidente brasileiro, mas a declaração foi dada em janeiro de 2023.

Catiane Pereira
21.02.2024 - 14h10
Eleições
É falso que urnas foram programadas para conceder vitória a Lula nas eleições de 2022

Vídeo afirma que urnas eletrônicas utilizadas no pleito eleitoral de 2022 continham um “algoritmo” que concederia uma margem de vitória ao então candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso. As urnas eletrônicas registram automaticamente todos os votos, e seu sistema não altera, adiciona e ou subtrai os votos dos eleitores.

Catiane Pereira
20.02.2024 - 16h47
Política
Paulo Pimenta não admitiu fraude ao dizer que Lula venceu eleição com 39% dos votos

Circula na internet um vídeo no qual o ministro-chefe da Secom, Paulo Pimenta, afirma que o presidente Lula ganhou as eleições de 2022 com 39% dos votos. Falta contexto. Pimenta considerou o universo total de eleitores, cálculo diferente do adotado pelo TSE, que exclui brancos, nulos e ausentes.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital