UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que orçamento da educação para 2019 é o ‘maior na história’
11.06.2019 - 07h01
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais um texto que afirma que o governo Jair Bolsonaro é responsável pelo “maior orçamento da Educação na história.” A informação é atribuída ao Portal de Transparência do governo federal. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Transparência mostra que Bolsonaro é responsável pelo maior orçamento da Educação na história”
Titulo de reportagem que, até as 19h do dia 10 de junho de 2019, tinha sido compartilhada mais de 3 mil  vezes no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa.
Para comparações deste tipo, os valores de orçamento devem sempre ser corrigidos pela inflação do período, em um processo que, na macroeconomia, é chamado de deflacionamento. Isso faz com que se saiba o quanto se pode comprar ou investir, de fato, com aquele valor, já que, em função da inflação, um mesmo valor de dinheiro tem poder de compra diferente em períodos distintos. Em nota, o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) afirma que a correção do orçamento de anos anteriores deve ser sempre feita e se deve utilizar o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
Assim, quando considerada a correção inflacionária, o orçamento destinado à educação em 2019 – no valor de R$ 117 bilhões – é menor do que o de anos anteriores. Em 2018, por exemplo, ele chegava a R$ 118,9 bilhões, em valores corrigidos. O mesmo ocorre para os anos de 2017, 2016 e 2015, quando o orçamento também era maior do que o previsto para este ano: R$ 124,2 bilhões, R$ 122,1 bilhões e R$ 136,4 bilhões, respectivamente. Os números foram confirmados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), em nota.
O orçamento de 2019 é maior do que em anos anteriores apenas se considerados os chamados valores nominais – ou correntes -, o que não é adequado para comparações deste tipo. Para fazer a correção dos valores, a FGV usou o IPCA e também a projeção apontada no boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, em 31 de maio.
Procurado, o Instituto Politéia, que publicou a comparação originalmente, afirmou, em nota, que utilizou os “valores executados” do orçamento federal para os anos de 2015 a 2018 e a previsão orçamentária para 2019 e que, por isso, acreditava não haver erro na informação. Consultada sobre essa diferença, a FGV afirmou, através da pesquisadora Vilma Pinto, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), que essa comparação não é a mais adequada. A pesquisadora lembra que em 2018, por exemplo, o orçamento foi de R$ 114,31 bilhões e o executado foi de R$ 95,59 bilhões. Sendo assim, a execução orçamentária foi de apenas 83,6% do que constava na dotação atualizada.
Alertado pela Lupa, o Instituto Politeia informou que manteria o artigo. “Cremos que não haja nada que vede aprioristicamente de se fazer comparações entre dados consolidados passados e previsões de resultados futuros. Parece-nos que se exige nesse caso apenas que fique claro no corpo do texto que se trata de uma previsão; como ela foi construída; e indique dados públicos, permitindo a compreensão e crítica pelos leitores. Acreditamos que o artigo atende a todos esses requisitos, por isso consideramos a redação fechada”, afirmou o instituto.
O Politeia também acrescentou ao texto a informação de que os valores considerados na comparação feita eram os nominais, ou seja, sem correção pela inflação.
Por telefone, o jornal Gazeta do Povo, que hospeda o blog do Instituto Politeia, afirmou que não iria se manifestar sobre a publicação.
Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


11.04.2024 - 15h23
Política
G1 não noticiou que influenciador foi multado por curtir comentário de Elon Musk contra Alexandre de Moraes

Circula nas redes sociais um post que aparenta ser uma publicação feita pelo G1 no X, antigo Twitter. Segundo a publicação, um influenciador teria sido multado por curtir um post do empresário Elon Musk que criticava o ministro Alexandre de Moraes, do STF. É falso. Trata-se de uma montagem. Em nota, o portal disse que não publicou tais afirmações.

Evelyn Fagundes
11.04.2024 - 15h14
Saúde
É falso que Lula tenha recusado comprar vacina contra dengue existente há anos

Vídeo afirma que a vacina contra a dengue existe há anos, mas que o presidente Lula negou a aquisição do imunizante. É falso. Não cabe a ele a decisão de incluir uma vacina ao SUS. Questões de segurança foram consideradas pelo Ministério da Saúde para não incluir a Dengvaxia, aprovado pela Anvisa em 2015, na estratégia de prevenção à dengue.

Gabriela Soares
11.04.2024 - 15h05
Saúde
Anvisa não aprovou remédio ‘100dores’ para tratar dores nas articulações

Publicações mostram trechos de telejornais que supostamente recomendavam medicamentos para dores nas articulações. É falso. As gravações que mostram trechos do Cidade Alerta, da Record, e do Fantástico, da Globo, foram manipuladas. Os medicamentos não têm aprovação da Anvisa.

Catiane Pereira
10.04.2024 - 17h03
Política
É falso que evento de Lula no Parque Dona Lindu, em Recife, não teve público

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra a parte externa do Teatro Luiz Mendonça, no Parque Dona Lindu, em Recife (PE). O post alega que um evento realizado no local com a presença do presidente Lula (PT) não teve público, uma vez que o parque estava vazio. É falso. A cerimônia foi realizada na parte interna do teatro, não na parte externa.

Evelyn Fagundes
10.04.2024 - 16h01
Política
Não é filho de Lula homem que agride mulher em vídeo viral

Circula pelas redes sociais um vídeo em que um homem agride uma mulher com tapas, socos, empurrões e pontapés. A legenda sugere que o agressor seria Lulinha, filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso. O criminoso, que já foi identificado pela polícia, se chama Gabriel da Silva Teixeira, da região de Samambaia, no Distrito Federal.

Carol Macário
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital