UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que governo Bolsonaro passou a permitir inspeção de bagagens em comitivas presidenciais
02.07.2019 - 18h26
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais um texto afirmando que as comitivas presidenciais, incluindo os tripulantes de voos internacionais, contavam com proteção para revistas de bagagem definida pelo Ministério das Relações Exteriores. Isso teria ocorrido durante os governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB).
Sem aviso, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) teria retirado essa ‘inviolabilidade’, o que permitiu a prisão, no dia 26 de junho, do sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues na Espanha. Ele foi detido com 39 quilos de cocaína na mala quando viajava em um avião da Presidência. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“[O sargento] Só foi preso agora porque, sem comunicação prévia, o governo Bolsonaro retirou a inviolabilidade de bagagens diplomáticas nas comitivas presidenciais”
Texto de post que, até as 17h de 2 de julho de 2019, tinha mais de 4,2 mil compartilhamentos no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O Ministério das Relações Exteriores, também conhecido como Itamaraty, informou, em nota, que não tem qualquer competência sobre procedimentos de segurança em aeroportos, o que inclui o exame de bagagens. Logo, nunca houve nenhum tipo de proteção contra inspeções nos governos Lula, Dilma e Temer. E também não ocorreu uma mudança nas regras determinada por Bolsonaro. “Em suma, o caso envolvendo o sargento das Forças Armadas não tem nenhuma relação com imunidades diplomáticas”, afirmou o ministério.
Até mesmo a bagagem pessoal de indivíduos com imunidades diplomáticas pode ser submetida a inspeção antes do embarque. “Tripulantes e funcionários do governo brasileiro em aeronaves oficiais não gozam, nem nunca gozaram, de status diplomático. O simples fato de ser tripulante/passageiro de aeronave oficial não lhes confere esse status. Sua bagagem, portanto, nunca teve qualquer imunidade, podendo ser inspecionada a qualquer momento”, informa o texto.
O Itamaraty ainda explicou que não houve qualquer mudança de regras em relação a imunidades diplomáticas ou inviolabilidades pelo atual governo. Só há proteção para a bagagem carregada por um diplomata, que tem inviolabilidade de acordo com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas. “Ela só pode ser aberta caso haja suspeita fundada de irregularidade (como importação de bens proibidos no país), e sempre na presença do diplomata. Isso não se confunde, como explicado acima, com a varredura de segurança pré-embarque, que é procedimento privado”, diz a nota.
Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


19.06.2024 - 17h48
Tecnologia
É falso que Starlink controla desde tornozeleiras eletrônicas até GPS

Post alega que a Starlink controla tornozeleiras eletrônicas; GPS; sistemas de navegação por satélites; comunicações e armamentos das Forças Armadas. É falso. A Starlink é uma empresa que oferece conexão à internet via satélite.

Maiquel Rosauro
19.06.2024 - 17h30
Cultura
Performances com terra, tinta e manteiga em vídeo viral não foram financiadas com impostos do Brasil

Post traz um vídeo com cinco apresentações artísticas. A legenda que acompanha a publicação alega que as performances foram pagas com impostos, o que dá a entender que foram realizadas no Brasil. É falso. As cinco cenas foram gravadas no exterior e não tiveram financiamento de leis de incentivo à cultura do país.

Maiquel Rosauro
19.06.2024 - 13h09
Enchentes
Caminhões em vídeo não levavam doações de Bolsonaro para Caxias do Sul

Circula nas redes um vídeo de três caminhões escoltados por carros do Batalhão de Polícia de Choque de Caxias do Sul (RS). Segundo a legenda da publicação, os veículos transportavam mantimentos enviados pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para a cidade. É falso. Os caminhões transportavam materiais para a Brigada Militar.


Gabriela Soares
19.06.2024 - 12h36
Política
Deputado de PL do Aborto mente sobre venda de fetos para fazer cosméticos

 Em vídeo, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), que é um dos autores do Projeto de Lei 1904/2024, conhecido como PL do Aborto, afirma que a indústria utiliza fetos humanos na produção de cosméticos. É falso. O deputado utilizou informações falsas para embasar seu argumento.

Gabriela Soares
19.06.2024 - 11h51
Rio Grande do Sul
É falso que barragem rompeu em São Leopoldo, no RS, em maio

Vídeo alega que uma barragem rompeu em São Leopoldo e que prefeituras locais processaram pessoas por alertar contra a catástrofe. É falso. São Leopoldo não possui uma barragem hidrelétrica, mas um sistema de diques. O vídeo mostra um dique que extravasou. A Prefeitura afirma que não processou ninguém sobre avisos quanto às cheias.

Maiquel Rosauro
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital