UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Áudio sobre água supostamente contaminada no Rio não foi gravado pela UFRJ
14.01.2020 - 16h48
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais e pelo WhatsApp um áudio em que se afirma que a água distribuída pela Companhia Estadual de Água e Esgoto (Cedae) no Rio de Janeiro estaria contaminada “com excesso de coliformes fecais”. A informação é atribuída a “uma pessoa do Departamento de Microbiologia” da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:
“PASMEM COM ESSA NOTÍCIA!!!!!PESSOAL ACABEI DE RECEBER UM ÁUDIO DE UMA PESSOA DO DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA DA UFRJ ESPECIALIZADA EM ÁGUA (…) [falando sobre a qualidade da água no Rio de Janeiro]”
Texto compartilhado no Facebook com base em áudio que viralizou via WhatsApp
Falso
O áudio que circula pelo Whatsapp e foi citado no post do Facebook não é de um especialista do Instituto de Microbiologia Paulo de Góes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em nota, a entidade desmentiu o boato e explicou que nenhum docente divulgou a informação do áudio. “O Instituto de Microbiologia está em contato com os estudiosos sobre o tema na UFRJ. Esperamos ter, em breve, uma nota oficial da Universidade sobre o estado da água fornecida pela Cedae”, esclarece a entidade.
A UFRJ informou, em nota, que está produzindo uma carta unificada da entidade para falar sobre o estado da água distribuída pela Cedae. Desde o início do mês, moradores da várias regiões da cidade do Rio de Janeiro relatam que a água distribuída pela companhia apresenta turbidez, odor diferente e gosto de terra. A Cedae realizou testes e observou que a água tinha uma substância chamada geosmina, produzida por algas e que, segundo a companhia, não representa risco à saúde.
Até o momento, a entidade divulgou duas notas (aqui e aqui) explicando a situação. A companhia destacou que a água tratada na estação de tratamento do rio Guandu, que abastece a cidade, “não apresenta alteração quanto ao cheiro e ao gosto, estando dentro dos padrões”. Nesta terça-feira (14), o Ministério Público do Rio de Janeiro solicitou que a Cedae divulgasse na internet informações sobre a qualidade da água.
O post que circula pelo Facebook afirma que a água distribuída apresenta excesso de coliformes fecais. Contudo, até o momento, a informação não foi confirmada nem pela Cedae e nem pela UFRJ. No início de janeiro, a Vigilância Sanitária Municipal também coletou e analisou algumas amostras da água distribuída pela companhia no Rio. De acordo com a Vigilância Sanitária, os níveis da substância na água eram “satisfatórios para consumo”, como mostra reportagem divulgada pelo jornal Extra no dia 9 de janeiro.
Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


12.04.2024 - 17h28
Eleições
Musk não entregou aos EUA provas de interferência de Moraes nas eleições

Publicação nas redes sociais alega que Elon Musk entregou às autoridades dos Estados Unidos documentos evidenciando a interferência do ministro Alexandre de Moraes, do STF, nas eleições de 2022. É falso. Não há nenhum registro sobre o fato. Além disso, um especialista em Direito Constitucional afirma que tal ação não teria efeito prático no Brasil.

Maiquel Rosauro
12.04.2024 - 17h02
Política
É falso que Elon Musk conseguiu o impeachment de Alexandre de Moraes

Circula nas redes um vídeo do deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO), que estaria comemorando o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, após o empresário Elon Musk pedir o afastamento do magistrado. É falso. O vídeo mostra Gayer comemorando a aprovação da PEC que limita decisões monocráticas no STF.

Catiane Pereira
12.04.2024 - 16h16
STF
É de 2016 vídeo sobre ação da PF que cita Alexandre de Moraes; caso foi arquivado

Circula nas redes um vídeo que mostra que o nome do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes apareceu em documentos apreendidos pela PF de uma empresa investigada em esquema de fraude. Falta contexto. O vídeo é antigo, de 2016. Pagamentos à firma de Moraes foram para honorários advocatícios. O caso foi arquivado.

Ítalo Rômany
12.04.2024 - 15h13
Política
É falso que Moraes tenha ‘censurado’ o jornalista Augusto Nunes

Circula nas redes sociais um vídeo em que um homem alega que o jornalista Augusto Nunes teria sido censurado pelo Supremo Tribunal Federal em um processo liderado pelo ministro Alexandre de Moraes. É falso. A Suprema Corte negou que exista uma decisão desse gênero em vigor.


Evelyn Fagundes
12.04.2024 - 14h21
Política
É antigo vídeo no qual Cármen Lúcia fala sobre liberdade de expressão

Um vídeo no qual a vice-presidente do TSE, Cármen Lúcia, fala sobre ‘censura’ em uma sessão da corte circula com uma legenda que insinua que ela estaria se posicionando contra o ministro Alexandre de Moraes em sua disputa com o empresário Elon Musk. É falso. O vídeo é de 2022. A sessão do TSE tratou sobre desmonetização de canais no YouTube.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital