UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que chá de erva-doce pode ser usado como tratamento contra o novo coronavírus
01.02.2020 - 07h00
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais um texto com orientações para prevenir o contágio pelo novo coronavírus, surgido na cidade de Wuhan, na China, no final de 2019. Entre as dicas, é dito que o chá de erva-doce possui as mesmas propriedades do Tamiflu, medicamento utilizado no tratamento de diversos tipos de gripe. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:
“Orientações de prevenção ao corona vírus (sic). (…) Tomar chá de erva-doce duas vezes ao dia. O chá de erva-doce tem a mesma substância que o medicamento Tamiflu, o remédio usado para tratar a gripe A – H1N1”
Imagem publicada no Facebook que, até as 20h do dia 31 de janeiro de 2020, tinha sido compartilhada por 5,6 mil pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Em primeiro lugar, o chá de erva-doce não tem a “mesma substância” que o Tamiflu. O princípio ativo deste remédio é o fosfato de oseltamivir, que não está presente na erva-doce. Segundo o Ministério da Saúde, “nenhum tipo de chá deve ser usado para o tratamento do novo coronavírus”.
Além disso, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Tamiflu não é recomendado para o tratamento específico dessa nova epidemia. A entidade afirma que  ainda não há um medicamento que trate especificamente do 2019-nCoV, nome pelo qual o novo vírus é formalmente conhecido.
Este boato é mais antigo do que o novo coronavírus. Em 2018, quando houve um surto da gripe H2N3, a “informação” de que erva-doce tinha as mesmas substâncias que o Tamiflu começou a circular no WhatsApp. No início do ano passado, o Ministério da Saúde já tinha alertado para a falsidade deste conteúdo.
Contra o novo coronavírus, o Ministério da Saúde sugere cuidados básicos para a prevenção de doenças respiratórias. Entre as recomendações está a lavagem frequente das mãos, evitar contato com pessoas que apresentem os sintomas da doença e não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, copos, etc. Veja todas as recomendações aqui.
Ainda não foi confirmado nenhum caso da doença no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, 13 casos suspeitos estavam sendo monitorados no momento até o dia 31 de janeiro.

Emergência Internacional

Na quinta-feira (30), a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a epidemia do novo coronavírus como uma “emergência de saúde global”. Até o dia 31, cerca de 9,8 mil casos foram confirmados na China, onde 232 pessoas morreram. Há ainda 127 pessoas infectadas no resto do mundo.
Para verificar peças de desinformação que circulam sobre o novo coronavírus, a Lupa participa de uma coalizão com mais de 60 veículos de checagem, de diversas partes do mundo, coordenada pela International Fact-Checking Network (IFCN). Essa verificação também foi feita pelos sites Estadão Verifica, AFP Checamos e Aos Fatos.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


18.05.2024 - 16h51
Rio Grande do Sul
É falso que barragem da Usina 14 de Julho causou enchente no RS; vídeo é antigo

Vídeo que circula nas redes sociais afirma que a abertura de comportas das barragens do Rio das Antas e do Rio Carreiro teria resultado nas enchentes do Rio Grande do Sul. É falso. Trata-se de um vídeo antigo que não tem relação com as recentes enchentes. Além disso, as barragens citadas não têm capacidade de impactar nas cheias.


Evelyn Fagundes
18.05.2024 - 12h46
Rio Grande do Sul
Vídeo de resgate de criança por civis em enxurrada foi gravado na Turquia, não no RS

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra o resgate de duas pessoas em uma enchente. A legenda afirma se tratar do salvamento de duas crianças que ocorreu recentemente no Rio Grande do Sul. É falso. A gravação mostra o resgate de uma mulher e de uma criança em março de 2023 na Turquia.

Catiane Pereira
18.05.2024 - 09h46
Rio Grande do Sul
É falso que 2 mil corpos foram congelados em frigorífico de Canoas (RS)

Vídeo nas redes sociais alega que estão congelando corpos em câmaras frigoríficas no bairro Mathias Velho, em Canoas (RS). É falso. O Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul e a Prefeitura de Canoas desmentiram o boato. Além disso, o boletim da Defesa Civil, divulgado às 9h de sábado (18), aponta 22 óbitos em Canoas.

Catiane Pereira
17.05.2024 - 17h30
Rio Grande do Sul
É falso que foram destruídas doações para o RS mostradas em vídeo viral

Circula nas redes sociais um vídeo alegando que doações enviadas para o Rio Grande do Sul foram destruídas. É falso. Trata-se de um registro de 2023, em que donativos estavam sendo movidos por uma retroescavadeira para organizar o local. O conteúdo desinformativo ainda conta com outras narrativas falsas.


Evelyn Fagundes
16.05.2024 - 17h15
Rio Grande do Sul
É falso que lista com 53 nomes seja de crianças desacompanhadas em abrigo na Ulbra, em Canoas

Circula pelas redes sociais uma lista com supostos nomes de crianças sem seus responsáveis que estariam abrigadas no Campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS). É falso. Na verdade a lista traz os nomes de pessoas desabrigadas e que foram acolhidas em outro local, não de crianças desacompanhadas.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital