UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Em 2019, Câmara dos Deputados aprovou apenas sete propostas com foco na mulher
08.03.2020 - 07h00
Rio de Janeiro - RJ
Das 122 propostas aprovadas pelos deputados federais desta atual legislatura, apenas sete traziam pautas relacionadas às mulheres. A maioria delas trata de violência contra a mulher, incluindo modificações na Lei Maria da Penha (lei 11.340/2006), reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma das mais avançadas do mundo na proteção da mulher.
Os casos de violência contra a mulher acontecem, em grande parte, dentro de casa. Uma pesquisa do Datafolha, em parceria com a ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), 42% dos casos de violência contra a mulher ocorrem no ambiente doméstico. Em 39% dos casos nos quais o agressor é conhecido, trata-se de um companheiro (incluindo maridos e namorados) ou ex-companheiro. Por isso, a Lei Maria da Penha, que dispõe sobre violência em ambiente doméstico, tem tanta importância quando se fala em segurança da mulher.
Entre os projetos aprovados, o que mais ganhou destaque foi a Lei 13.931/2019, originário do Projeto de Lei (PL) 2.538/2019, de autoria da deputada Renata Abreu (Podemos-SP). Esta lei estabelece que profissionais de saúde que atendam vítimas de violência comuniquem a agressão às autoridades policiais.
Na justificativa, Abreu declarou que a intenção do projeto era dar “melhor eficácia” a Lei Maria da Penha, facilitando a punição de agressores. Mesmo assim, a proposta recebeu críticas de especialistas em violência contra a mulher e saúde pública.
A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), por exemplo, divulgou uma nota mostrando preocupação para a lei que vai entrar em vigor. “A lei objetiva a proteção da mulher, contudo a falta de regulamentação (que determine como ela será aplicada) pode colocar essa vítimas em situação ainda mais vulnerável, visto que ela não terá assegurado o sigilo médico de seu atendimento”, diz a nota da entidade.
A Rede Feminista de Ginecologistas e Obstetras também se posicionou contra a aprovação do projeto. “A notificação compulsória da violência sexual contra a mulher às autoridades policiais e/ou da justiça (…) pode diminuir as chances de as mulheres revelarem a situação de violência ao profissional de saúde, reduzindo a busca por assistência e majorando riscos”, diz o posicionamento da entidade, publicada em sua página no Facebook.
Mesmo assim, o projeto foi aprovado pela Câmara. Inicialmente, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou o projeto na íntegra. “A proposta contraria o interesse público ao determinar a identificação da vítima (…) mediante notificação compulsória para fora do sistema de saúde, o que vulnerabiliza ainda mais a mulher”, diz a justificativa do veto. Segundo o presidente, foram consultados os ministérios da Saúde e da Mulher, Família e Direitos Humanos. O veto foi rejeitado pelo Congresso, o que significa que a proposta se tornou lei.

Lei Maria da Penha

Outros quatro projetos alteraram dispositivos na Lei Maria da Penha. O PL 510/2019, que se tornou a Lei 13.894/2019, permite que a vítima de violência doméstica solicite ao juiz a decretação imediata do divórcio ou do rompimento da união estável. A justificativa do projeto fala que a lei vigente já afasta o agressor da vítima, mas que a proposta sugere uma medida para facilitar o encerramento do vínculo da mulher e da família com o agressor. O projeto foi parcialmente vetado por Bolsonaro, mas, assim como no caso anterior, esse veto foi derrubado.
Outra proposta aprovada pela Câmara que altera a Lei Maria da Penha é o PL 1619/2019, da deputada Geovania de Sá (PSDB-SC). Esse projeto estabelece que mulheres em situação de violência doméstica e familiar poderão ter prioridade para matricular os filhos em centros de educação infantil. Já o PL 17/2019, de autoria de Alessandro Molon (PSB-RJ),  determina que o juiz do caso de violência contra a mulher ordene a apreensão de arma de fogo eventualmente registrada em nome do agressor. Em sua justificativa, os deputados que apresentaram a proposta citam que a arma de fogo foi o meio mais usado nos homicídios de mulheres, de acordo com o Mapa da Violência de 2015.
Esse dois projetos foram sancionados sem vetos por Bolsonaro, e se tornaram as leis 13.882/2019 e 13.880/2019.
Por fim, o PL 1380/2019 estabelece uma indenização a título de dano moral para uma mulher que tenha sofrido com violência doméstica. De autoria do deputado federal Júnior Bozzella (PSL-SP), a proposta foi aprovada na Câmara, mas ainda tramita no Senado.

Outros temas

O PL 8702/2017 altera a CLT e estabelece que a contagem da licença-maternidade será suspensa em caso de internação da criança recém-nascida por período superior a três dias e será retomada após a alta hospitalar. Também de autoria da deputada Renata Abreu, a proposta foi aprovada em março do ano passado. Desde setembro, ela aguarda para entrar na Ordem do Dia do Senado.
Por fim, uma proposta da deputada Tia Eron (PRB/BA) voltado para mulheres marisqueiras, o PL 1710/2015, foi sancionado com veto parcial, se transformando na Lei 13.902/2019.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Reportagem
Conteúdo investigativo que aborda temas diversos relacionados a desinformação com o objetivo de manter os leitores informados.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.06.2024 - 19h35
Direito das Mulheres
Senadores usam religião e desinformação para defender o PL do aborto

O Plenário do Senado foi palco de falas distorcidas, contraditórias e com forte teor religioso sobre o direito das mulheres ao aborto legal, mesmo em caso de estupro. Na "Sessão de Debates sobre assistolia fetal para interrupção de gravidez”, que só teve participantes contrários ao aborto, senadores espalharam desinformação sobre o PL do Aborto.   

Carol Macário
29.05.2024 - 18h35
Saúde da mulher
Assistolia fetal: procedimento em pauta no STF gera onda de desinformação nas redes

O impasse diante do julgamento de uma ação no STF sobre a norma do CFM que dificulta o aborto legal tem aumentado a circulação de posts com potencial desinformativo sobre o aborto, diz estudo da FGV. As postagens disseminam informações distorcidas sobre a técnica conhecida como assistolia fetal, usada em casos acima de 22 semanas de gravidez.

Ítalo Rômany
29.05.2024 - 11h00
Internacional
Com 117 canais de Telegram e 15 perfis no X, Rússia busca aliados latinos

A migração de russos à América Latina cresceu desde o início da guerra na Ucrânia. Com ela, também cresceu a propaganda russa na região. Apostando em mensagens feitas em português e espanhol, Moscou utiliza canais no Telegram e no X para tratar EUA e OTAN como ameaças, justificar a guerra na Ucrânia e se promover como bastião da justiça mundial.

Fernando Trincado
28.05.2024 - 12h02
Internacional
Rússia usa X e Telegram para mentir e atacar vencedor do Oscar na América Latina

'20 dias em Mariupol' irritou a diplomacia russa e é alvo de desinformação que circula na América Latina. Ao atacar o premiado documentário, Moscou quer negar o inegável. Diz que o hospital materno-infantil que atacou estava vazio, repetindo tática desinformativa que marcou ações em Bucha e em torno do ato terrorista no Crocus Hall.

Catalina Roig
27.05.2024 - 17h24
Teorias conspiratórias
De Chuva artificial a lockdown climático: posts geram caos sobre enchentes no RS

Teorias conspiratórias sobre as enchentes no Rio Grande do Sul não param de circular nas redes: desde posts afirmando que as chuvas foram "fabricadas em laboratórios" e pulverizadas por aviões, até um complô global. Publicações alarmistas disseminam, sem provas, que os próximos passos dessa conspiração serão desapropriação e "lockdown climático".

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital