UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que surto de H1N1 em 2009 foi mais intenso do que epidemia de Covid-19
27.03.2020 - 18h20
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais uma comparação entre a epidemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, e a epidemia de H1N1 de 2009, também conhecida como gripe A ou gripe suína. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Bolsonaro:
COVID 19 – Corona Vírus
Casos no Brasil: 1.128 (21/3)
Mortes: 18
Nível de pânico: APOCALÍPTICO!!!
Lula Ladrão:
H1N1 – Gripe Suína
Casos no Brasil: 58.178
Mortes: 2.101
Nível de Pânico: É só um resfriado”
Imagem publicada no Facebook que, até as 18h do dia 27 de março de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 200 pessoas
Falso
A comparação entre os casos de Covid-19 e de H1N1 é inadequada. Os dados indicados no post estão próximos dos números reais para as duas epidemias. No entanto, as mais de 58 mil ocorrências de contaminação pelo vírus H1N1 citadas ocorreram em mais de um ano e meio. Já o número de casos relacionados ao coronavírus é o total de menos de um mês.
Além disso, na epidemia de 2009, por recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil só contabilizava casos considerados graves. Ou seja, o número total de infectados por H1N1, muito provavelmente, foi muito maior do que o citado – e a taxa de mortalidade, portanto, muito mais baixa.
O primeiro caso confirmado de Covid-19 no Brasil foi registrado no dia 26 de fevereiro de 2020. Já a primeira morte causada pela doença ocorreu 20 dias depois, em 17 de março. Em 21 de março, 24 dias depois do primeiro registro, o Brasil já tinha 1.128 infectados e 18 mortes. Nesta sexta-feira (27), o número de ocorrências havia triplicado, 3.417, enquanto o número de pessoas que morreram havia quintuplicado, chegando a92.
Em 2009, na pandemia de H1N1, o primeiro caso foi registrado em 7 de maio. 24 dias depois, em 31 de maio, eram 16 casos confirmados. A OMS declarou pandemia global em 11 de junho. A primeira morte no país só foi registrada em 28 de junho, e a vítima havia contraído a doença na Argentina. Em 10 de julho, uma menina de 11 anos morreu por causa da doença. De acordo com os dados, a epidemia de 2009, portanto, foi muito menos agressiva do que a atual.
O surto de H1N1 só foi considerado encerrado pela OMS em agosto de 2010, mais de um ano depois de seu início. De maio de 2009 a dezembro de 2010, foram 59.867 casos registrados e 2.173 mortes no Brasil. Os dados são do Ministério da Saúde.
Outra diferença importante é a forma de contabilização das ocorrências. Como dito acima, a OMS recomendou, ainda em julho de 2009, que apenas casos considerados graves entrassem na conta. Em 2010, essa restrição foi ampliada para apenas casos que levassem a hospitalização. Já para a Covid-19, até o momento, todos os casos reportados e confirmados estão sendo contabilizados, mesmo que eles não sejam graves.
Na prática, isso significa que o número de casos da H1N1 foi, de fato, muito maior do que o reportado, e a taxa de mortalidade foi consideravelmente mais baixa que a reportada. Estima-se que a taxa de mortalidade real da epidemia foi de cerca de 0,026%. Considerando apenas os casos registrados no Brasil entre 2009 e 2010, a taxa seria de 3,6%.
Essa informação também foi verificada pelos sites Aos Fatos, Fato ou Fake e Boatos.org.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 14h25
Mudanças Climáticas
É falso que o Sol é o principal fator responsável pelo aquecimento global

Post afirma que o aquecimento global está relacionado principalmente com as variações do Sol, e não seria causado prioritariamente pela atividade humana. É falso. Esse entendimento é contrário ao conhecimento científico sobre a origem humana das mudanças climáticas dos últimos anos, conforme atestam os informes do IPCC, da ONU.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 13h29
Segurança
É falso que Fernandinho Beira-Mar fugiu de presídio de segurança máxima em Mossoró

Post que circula pelas redes sociais afirma que Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, teria fugido junto com outros detentos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. É falso. Beira-Mar segue sob a custódia do Sistema Penitenciário Federal.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 12h55
Saúde
É falso que Lula ‘liberou’ o aborto em qualquer tempo gestacional no Brasil

Circula pelas redes sociais que o governo Lula teria liberado o aborto no Brasil em qualquer idade gestacional. É falso. O governo não  legalizou o aborto. Uma nota técnica do Ministério da Saúde de 28 de fevereiro revogou uma orientação de 2022, do governo Bolsonaro, que fixava um prazo para os procedimentos. Essa nota foi suspensa em 29 de fevereiro.

Carol Macário
01.03.2024 - 12h47
Política
Soldados queimados em vídeo são turcos, não israelenses mortos pelo Hamas

Post mostra um vídeo com soldados sendo queimados vivos. A legenda que acompanha a publicação diz que são israelenses assassinados pelo Hamas. É falso. O vídeo é antigo e circula desde 2016. O Estado Islâmico assumiu a autoria do ato contra soldados turcos

Maiquel Rosauro
01.03.2024 - 12h16
Política
Nota das Forças Armadas é antiga e trata de protestos em quartéis de 2022

 Circula nas redes o vídeo de uma reportagem sobre uma nota das Forças Armadas que menciona “o que vem acontecendo no Brasil”. A publicação dá a entender que o documento se refere a supostos “descaminhos autocráticos” do poder Judiciário. Falta Contexto. A notícia é de 2022 e foi tirada de contexto.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital