UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Vídeos gravados na entrada de hospitais estão sendo usados para desacreditar pandemia da Covid-19
09.04.2020 - 18h36
Rio de Janeiro - RJ
A Lupa notou um padrão de desinformação em relação ao combate à Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Em pelo menos cinco ocasiões em diferentes estados do Brasil, pessoas foram até hospitais para filmar ou fotografar a recepção das unidades de saúde. Em comum, os discursos das publicações afirmam que não existem pacientes com a Covid-19 sendo atendidos e criticam o isolamento social, dizendo que os governos estaduais e as prefeituras estão enganando os cidadãos. As cinco publicações analisadas atingiram, juntas, pelo menos 28 mil compartilhamentos e 240 mil visualizações no Facebook desde a terça-feira (7).
Contudo, boa parte dos hospitais de referência no atendimento de casos confirmados de Covid-19 são fechados ao público e recebem apenas transferências. Logo, é normal as recepções estarem vazias.
Na terça-feira (7), dois homens foram até o Hospital Leonardo Da Vinci, em Fortaleza, no Ceará, e filmaram a entrada do estabelecimento. Na legenda do vídeo, afirmavam que se tratava de “mais um hospital vazio”. Os dados do portal IntegraSUS, da Secretaria de Saúde do Ceará, mostravam o contrário: 48 dos 93 leitos estavam ocupados, sendo 18 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Até a tarde de terça-feira (7), quando o vídeo foi gravado, cinco pessoas tinham morrido da doença no hospital e 13 pacientes já haviam recebido alta. A gravação foi visualizada por mais de 10 mil pessoas e compartilhada 600 vezes.
Na quarta-feira (8), um homem tirou fotografias na entrada do Hospital Ronaldo Gazolla, no Rio de Janeiro, e afirmou, na legenda, que não encontrou pacientes. De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, 77 pessoas estavam internadas no Hospital Ronaldo Gazolla na manhã em que as fotos foram tiradas. Destas, 34 estavam em leitos de UTI. A publicação foi compartilhada por mais de 2 mil pessoas e foi excluída nesta quinta-feira (9).
No mesmo dia, um outro homem gravou um vídeo na entrada do Estádio do Pacaembu. Um hospital de campanha foi montado no local para atender pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Na gravação, o homem afirma que o local está “vazio” e que “não tem ninguém”. O boletim diário da Secretária Municipal de Saúde de São Paulo mostra que o Hospital de Campanha do Pacaembu tinha 29 pessoas internadas até às 15h de quarta-feira (8). A unidade ainda estava esperando a chegada de 15 novos pacientes naquele dia. O vídeo foi visualizado por mais de 225 mil pessoas e compartilhado 26 mil vezes.
No Distrito Federal, um homem foi até o Hospital Regional de Taguatinga e, filmando uma das recepções, disse que “não tinha ninguém doente” no local. Procurada, a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde do Distrito Federal afirmou que apenas o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) está se dedicando exclusivamente ao atendimento de Covid-19 e que os outros hospitais da rede estão funcionando normalmente. A filmagem original foi compartilhada 1,2 mil vezes e visualizada por 1,8 mil pessoas.
Em Maringá, no interior do Paraná, um homem filmou o estacionamento e a recepção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Zona Sul. Ele afirmava que não tinha “ninguém para ser atendido”, reclamava que “empresários e comerciantes” não podiam trabalhar e criticava as medidas de isolamento social. Por telefone, a assessoria de imprensa da Prefeitura de Maringá afirmou que o local realmente tinha poucos pacientes, mas que isso acontece porque as medidas de isolamento social estão sendo respeitadas. Além disso, a unidade passou a atender somente casos suspeitos de Covid-19, ou seja, o fluxo foi reduzido. De acordo com o boletim de quarta-feira (8), a cidade tinha 42 casos confirmados e 2 mortes pela Covid-19. A gravação tinha 43 mil visualizações e 1,1 mil compartilhamentos até quinta-feira (9).
Todos os casos têm semelhanças e mostram um padrão de desinformação usado para negar a pandemia de Covid-19 e para tentar acabar com a política de isolamento social. Primeiro, as pessoas gravam vídeos em hospitais com a recepção vazia. Isso acontece porque essas unidades não fazem atendimento ao público, apenas recebem transferências de outras unidades de saúde, ou atendem somente casos de Covid-19, o que faz com que o fluxo de pessoas seja bem menor que o normal. Ou seja, os vídeos dão uma falsa impressão de que os hospitais estão vazios quando, na verdade, as equipes médicas e os pacientes estão concentrados na área interna.
No caso do Ceará, a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde afirmou, por telefone, que é normal o hall de entrada do Hospital Leonardo Da Vinci estar vazio porque os leitos de internação ficam na parte superior do edifício. O Hospital de Campanha do Pacaembu, em São Paulo, é um “hospital de portas fechadas” que não tem atendimento ao público. A assessoria da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro disse que não é possível ver pacientes na entrada do Hospital Ronaldo Gazolla porque “não há pronto-atendimento, apenas leitos de UTI e enfermaria”.
Além disso, quem grava esse tipo de vídeo mostra apenas a parte externa do hospital. Nos casos analisados pela Lupa, os vídeos e as fotografias mostram apenas a fachada ou parte da recepção das unidades de saúde. Nenhum deles conversa com profissionais de saúde ou mostra ambulatórios, consultórios ou leitos para explicar a dinâmica interna do hospital.
São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará, três dos estados em que os vídeos foram gravados, são também os três estados com o maior número de casos confirmados da doença. Segundo a atualização mais recente do painel de informações sobre a Covid-19 do Ministério da Saúde, das 17h de quinta-feira (9), São Paulo tinha 7.480 casos confirmados e 496 mortes. No Rio de Janeiro, eram 2.216 casos e 122 óbitos. No Ceará, eram 1.425 casos e 55 mortes.
Viu algum vídeo de hospital circulando nas redes sociais e quer saber se é verdadeiro? Você pode enviar uma sugestão de checagem pra gente pelo formulário #LupaAqui.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


28.05.2024 - 17h27
Educação
É falso que PT está escondendo tablets doados por Bolsonaro a Niterói (RJ)

Circula nas redes um vídeo cuja legenda alega que um deputado descobriu em Niterói doações de tablets feitas por Bolsonaro e que o governo Lula estaria 'escondendo' os aparelhos para não entregar à população. É falso. Os tablets foram comprados com recursos próprios do município. A distribuição não ocorreu devido a determinação do TCE

Ítalo Rômany
27.05.2024 - 19h19
Rio Grande do Sul
É falso que vídeo mostre abertura de comportas no RS; imagens são antigas

Circula nas redes um vídeo mostrando o avanço de uma enxurrada. A legenda alega que funcionários abriram as comportas das barragens para causar a tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo é de 2023 e, segundo  a empresa administradora, a barragem não tem comportas que possam ser abertas.

Evelyn Fagundes
27.05.2024 - 17h13
Rio Grande do Sul
Não é do Rio Grande do Sul vídeo que mostra enxurrada invadindo casa. Imagens foram registradas em Goiás

Vídeo nas redes sociais mostra uma enxurrada invadindo o pátio de uma casa. A legenda que acompanha o post alega que as cenas foram gravadas no Rio Grande do Sul, estado que sofre as consequências de enchentes. É falso. Uma busca reversa revelou que as imagens foram registradas em Anápolis, município de Goiás, em novembro de 2021.

Maiquel Rosauro
27.05.2024 - 16h29
Justiça
Lei que impõe sigilo em casos de violência doméstica não beneficia filho de Lula acusado de agressão

Circula pelas redes sociais que uma lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) beneficia seu filho, Luís Cláudio Lula da Silva, acusado de agredir a ex-namorada. É falso. Publicações distorcem o objetivo da lei, que declara sigilo apenas sobre a identidade da vítima, não sobre o nome do agressor ou outros dados do processo.

Catiane Pereira
27.05.2024 - 14h45
Rio Grande do Sul
É falso que o governo Lula adquiriu “arroz de plástico chinês”

Vídeo mostra produção sintética de arroz. Segundo a legenda, esse seria o produto adquirido pelo Brasil para suprir o mercado. É falso. A Conab, responsável pela mediação e aquisição, afirma que se trata de desinformação. O edital de compra – que está suspenso – estabelece que o produto deve obedecer a diversos critérios de qualidade e segurança. 


Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital