UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Lupa na Ciência: Novo estudo aponta que altas doses de vitamina D não evitam nem tratam Covid-19
29.05.2020 - 12h00
Rio de Janeiro - RJ
O que você precisa saber:
  • Artigo publicado por médicos de diferentes países diz que não há evidências sobre os benefícios de tomar suplementos de vitamina D para combater ou prevenir a Covid-19
  • Doses altas deste micronutriente no corpo, como tem sido sugerido por alguns especialistas para combater a atual pandemia, podem trazer problemas à saúde, como insuficiência renal
  • O confinamento pode diminuir os níveis de vitamina D no organismo. Por isso, é recomendado consultar um médico para avaliar as melhores formas de deixar o corpo em equilíbrio
  • Exposições curtas e frequentes ao sol ajudam a manter as doses normais do micronutriente. Em casos específicos, suplementações moderadas podem ser indicadas, mas sempre sob orientação médica
Um artigo publicado na última semana no periódico British Medical Journal (MBJ), mostra que, até o momento, não há evidências científicas de que altas doses de vitamina D ajudem na prevenção ou no tratamento da Covid-19. Desde o início da pandemia, pesquisas apontam que uma parcela significativa dos pacientes infectados pelo novo coronavírus tem taxas baixas dessa substância no organismo. Contudo, nunca foi estabelecida uma relação de causalidade entre esses dois fatos.
A vitamina D, em doses moderadas, é fundamental para a regulação do sistema imunológico. Em doses excessivas, contudo, pode trazer problemas, como disfunções renais. Por causa disso, após revisão da literatura médica, os pesquisadores reforçaram que a população não deve tomá-la sem orientação e acompanhamento de um médico.
A discussão sobre o uso de suplementos de vitamina D no combate ao novo coronavírus ganhou força em março. Jornais italianos publicaram informações de um grupo de médicos, que afirmava que grande parte dos internados com a Covid-19 sofriam de hipovitaminose D (baixas taxas da vitamina no organismo). Os especialistas sugeriam que a suplementação poderia ajudar a reverter esse cenário. Em maio, um artigo publicado na revista The Lancet confirmou a tendência. Relatórios de diferentes países indicaram um alto número de pacientes internados pelo novo coronavírus com deficiência da vitamina. Os autores do estudo ressaltaram, porém, que não se sabe se essa é uma causa ou uma consequência da Covid-19. Além disso, pesquisas anteriores, que relacionam o micronutriente com outras doenças, não mostraram, em sua maioria, benefícios no uso de suplementos nem para prevenção, nem para tratamento.
As informações divulgadas pelos jornais italianos, entretanto, logo se espalharam, e em pouco tempo os “efeitos protetores” da vitamina D no combate à Covid-19 inundaram as redes sociais. Aqui no Brasil, a informação ganhou, inclusive, contornos científicos quando a Associação Brasileira de Harmonização Orofacial (Abrahof) publicou um posicionamento sugerindo o uso de suplementos da vitamina. Poucos dias depois, entidades médicas – como a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), a Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso) e a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), entre outras – emitiram notas manifestando repúdio a esse posicionamento. Segundo as instituições, não havia evidências científicas para a indicação. Portanto, elas não recomendam “imunomodulação usando vitamina D em dose alta e injetável”. O estudo publicado na última semana no British Medical Journal reforça essa advertência.

Micronutriente essencial para o sistema imunológico

Considerada uma substância essencial na regulação da quantidade de cálcio e fósforo no organismo, a vitamina D é, em doses equilibradas, crucial para a saúde. Ela é, comprovadamente, importante para modular o sistema imunológico, ajudando a manter a funcionalidade das células de defesa e a prevenir doenças como pneumonia, tuberculose e gripe. Uma revisão de pesquisas sobre o uso de suplementos no combate a diferentes doenças, entretanto, mostrou que ele só é benéfico em um caso: na prevenção de infecções que acometem nariz, ouvidos e garganta, segundo artigo publicado em 2017 na revista The Lancet.
Quando o assunto é a Covid-19, ainda se sabe muito pouco sobre a forma como o vírus afeta o organismo. Por isso, é difícil avaliar os reais benefícios de uma suplementação de vitamina D no atual cenário. Além dos sintomas comuns de gripe, que incluem infecções no trato respiratório, a doença provocada pelo novo coronavírus pode afetar diferentes órgãos do corpo, e inclusive interferir na coagulação sanguínea.

Equilíbrio da vitamina em tempos de confinamento

A exposição solar é a chave para a produção de vitamina D. Ainda que a alimentação seja uma fonte de reforço da substância, ela corresponde a apenas 20% do que é necessário para o organismo estar em equilíbrio. Por isso, entidades médicas recomendam que pessoas se exponham ao sol com frequência por curtos períodos, conforme o tom de pele, e com cuidados para evitar outros problemas associados, com o melanoma. No artigo publicado na última semana no BMJ, os pesquisadores alertam que em regiões mais frias ou durante períodos que demandam confinamento, como é o caso da atual pandemia, é possível que os níveis de vitamina D diminuam. Nesses casos, suplementos podem ser indicados, mas conforme as orientações das entidades médicas de cada país. O uso do micronutriente em excesso pode aumentar o risco de formação de cálculos renais e, em situações extremas, levar a uma insuficiência renal aguda.
O Ministério da Saúde, em nota, reforçou que, até o momento, não há medicamento específico ou vacina que possa prevenir a infecção pelo novo coronavírus, e que as principais formas de evitar a contaminação são manter o distanciamento social, usar máscara e adotar medidas rígidas de higiene. De acordo com o órgão, ainda são necessários mais estudos para esclarecer a relação da vitamina D na prevenção da Covid-19, e também se o déficit desse nutriente pode agravar a infecção. Em linhas gerais, essas recomendações seguem o que vem sendo divulgado internacionalmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Fontes:
Nota: o projeto Lupa na Ciência é uma iniciativa da Agência Lupa contra a desinformação em torno do novo coronavírus e da Covid-19 e conta com o apoio do Google News Initiative. Para saber mais, clique aqui.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Explicador
Conteúdo que explica assuntos que são alvo de ondas desinformativas nas redes sociais.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


25.04.2024 - 10h51
Justiça
Liberdade de expressão não é absoluta e tem limites constitucionais; entenda

O ex-presidente Jair Bolsonaro tem repetido em seu discurso críticas ao que chama de "censura" por parte do STF, alegando que a liberdade de expressão é absoluta. Diante desse cenário, surge um questionamento: como devemos compreender a liberdade de expressão no sistema jurídico brasileiro? A Lupa explica as definições e os limites sobre o tema

Ítalo Rômany
24.04.2024 - 10h02
Política
Novo Código Civil: proposta que amplia conceito de família e visa punir plataformas é alvo de fakes

Em abril, uma comissão de juristas apresentou ao Senado propostas para uma reforma do Código Civil, em vigor desde 2003. Dentre as mudanças mais significativas está a inclusão do direito digital e a expansão do conceito de família. Entenda as principais alterações sugeridas, os próximos passos e as fakes e especulações sobre o texto da reforma.

Carol Macário
18.04.2024 - 08h00
Assistência
Benefícios do INSS, como salário-maternidade, podem ser solicitados sem intermediários; veja como

Benefícios sociais ofertados pelo INSS, como salário-maternidade, auxílio-doença e BPC, não precisam de atravessadores ou de serviços de assessoria. Entretanto, por falta de informação, muitos segurados buscam o apoio de consultorias que lucram em cima dessa ajuda. Reportagem da Lupa mostra como funciona a solicitação de alguns desses benefícios.

Ítalo Rômany
29.02.2024 - 17h41
Eleições
Entenda as novas regras do TSE para IA e deepfake nas eleições de 2024

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, em 27 de fevereiro, 12 novas resoluções para o pleito de 2024, que incluem a proibição do uso de deepfake na campanha eleitoral e restrições ao uso de inteligência artificial nas propagandas, que precisarão ter um rótulo informando sobre o uso da tecnologia. Confira as principais novidades da eleição.

Maiquel Rosauro
09.02.2024 - 14h15
Saúde
A vacina contra Covid é obrigatória para crianças? Entenda o que diz a lei

A vacinação de crianças de seis meses a menores de 5 anos contra Covid-19 é obrigatória no Brasil desde o início de 2024. Todavia, os pais não são forçados a imunizar seus filhos e crianças não vacinadas não podem ser impedidas de frequentar instituições de ensino. Entenda como funciona a obrigatoriedade da vacinação de crianças no Brasil

Maiquel Rosauro
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital