UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que vacina financiada pela Fundação Gates seja a mesma desenvolvida por empresa chinesa
18.06.2020 - 18h03
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais a informação de que a vacina contra a Covid-19 financiada pela Fundação Bill e Melinda Gate seria a mesma desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac Biotech, que terá fase de testes em humanos no Brasil. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Não se enganem, a mesma vacina de Bill Gates e Melinda Gates será a mesma de Xi Jinping e outros países. Todos os países que fazem parte da Nova Ordem Mundial tem um acordo global com essa vacina, podem até mudar de nome para não dispersar o medo na população. O que mais revolta é a probabilidade da vacina ser obrigatória”
Texto publicado no Facebook que, até o dia 18 de junho, tinha sido compartilhado por 163 pessoas.
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A vacina INO-4800, financiada pela Fundação Bill e Melinda Gates, e a CoronaVac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac Biotech não são a mesma. Além de não serem desenvolvidas pelo mesmo laboratório, as vacinas possuem diferentes metodologias de testagem e tecnologia de elaboração.
A CoronaVac está sendo desenvolvida com uma tecnologia mais antiga para a criação de vacinas. Nesse modelo, o vírus inativado é injetado no organismo para motivar a criação de anticorpos. Esse é o tipo mais tradicional de imunização. A vacina contra a poliomielite, por exemplo, foi desenvolvida com este método. Antes endêmica em diversas partes do mundo, essa doença está praticamente erradicada: hoje, apenas comunidades isoladas no Afeganistão e no Paquistão ainda registram casos da doença.
Já a vacina INO-4800, financiada por Bill Gates e desenvolvida pelo laboratório americano Inovio Pharmaceuticals, usa o próprio DNA do vírus para criar o antígeno. Neste caso, parte do código genético do vírus é copiado e inserido nas células por meio de um processo chamado de “eletrocorporação”. O corpo identifica o material e passa a produzir os anticorpos. Ainda não há vacinas registradas para outras doenças que usam este tipo de método que, até agora, tem sido testado para a Covid-19 por pelo menos 20 laboratórios. Mais informações para a Coronavac e para a INO-4800 podem ser encontradas no site Clinical Trial, mantido pela Biblioteca Nacional de Medicina, do governo americano.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) lista 139 vacinas que estão sendo desenvolvidas atualmente contra a Covid-19. Destas, 11 estão na fase de testes clínicos, com humanos, incluindo ambas as vacinas citadas. A Sinovac anunciou os resultados das duas primeiras fases de testes da CoronaVac na semana passada. A terceira fase será realizada no Brasil, com 9 mil voluntários. Já a INO-4800 ainda está na primeira fase de ensaios.
Outras peças de desinformação sobre a CoronaVac (aqui) e sobre a INO-4800 (aqui) foram checadas pela Lupa.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


28.05.2024 - 17h27
Educação
É falso que PT está escondendo tablets doados por Bolsonaro a Niterói (RJ)

Circula nas redes um vídeo cuja legenda alega que um deputado descobriu em Niterói doações de tablets feitas por Bolsonaro e que o governo Lula estaria 'escondendo' os aparelhos para não entregar à população. É falso. Os tablets foram comprados com recursos próprios do município. A distribuição não ocorreu devido a determinação do TCE

Ítalo Rômany
27.05.2024 - 19h19
Rio Grande do Sul
É falso que vídeo mostre abertura de comportas no RS; imagens são antigas

Circula nas redes um vídeo mostrando o avanço de uma enxurrada. A legenda alega que funcionários abriram as comportas das barragens para causar a tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo é de 2023 e, segundo  a empresa administradora, a barragem não tem comportas que possam ser abertas.

Evelyn Fagundes
27.05.2024 - 17h13
Rio Grande do Sul
Não é do Rio Grande do Sul vídeo que mostra enxurrada invadindo casa. Imagens foram registradas em Goiás

Vídeo nas redes sociais mostra uma enxurrada invadindo o pátio de uma casa. A legenda que acompanha o post alega que as cenas foram gravadas no Rio Grande do Sul, estado que sofre as consequências de enchentes. É falso. Uma busca reversa revelou que as imagens foram registradas em Anápolis, município de Goiás, em novembro de 2021.

Maiquel Rosauro
27.05.2024 - 16h29
Justiça
Lei que impõe sigilo em casos de violência doméstica não beneficia filho de Lula acusado de agressão

Circula pelas redes sociais que uma lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) beneficia seu filho, Luís Cláudio Lula da Silva, acusado de agredir a ex-namorada. É falso. Publicações distorcem o objetivo da lei, que declara sigilo apenas sobre a identidade da vítima, não sobre o nome do agressor ou outros dados do processo.

Catiane Pereira
27.05.2024 - 14h45
Rio Grande do Sul
É falso que o governo Lula adquiriu “arroz de plástico chinês”

Vídeo mostra produção sintética de arroz. Segundo a legenda, esse seria o produto adquirido pelo Brasil para suprir o mercado. É falso. A Conab, responsável pela mediação e aquisição, afirma que se trata de desinformação. O edital de compra – que está suspenso – estabelece que o produto deve obedecer a diversos critérios de qualidade e segurança. 


Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital