UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que vacina da Sinovac foi testada apenas em macacos
18.06.2020 - 14h39
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais que a farmacêutica chinesa Sinovac irá usar 9 mil paulistas como cobaias para testar uma vacina contra a Covid-19 que só foi testada em macacos. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Em vez de testar em chineses, laboratório chinês que só testou vacina em macacos, vai usar 9.000 paulistas como cobais (…)”
Texto de imagem que, até às 11h do dia 18 de junho de 2020, tinha sido compartilhado por mais de 100 pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A vacina CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, foi testada em 743 voluntários com idades entre 18 e 59 anos na China em duas fases de testes clínicos. A primeira fase contou com 143 voluntários, enquanto a segunda teve 600. Em seu site, a empresa afirma que não houve “eventos adversos” durante as etapas e que, na fase II, mais de 90% dos voluntários apresentaram “anticorpos neutralizantes”. A Sinovac acredita que a vacina pode induzir uma resposta imune positiva para a Covid-19.
Apesar de a Sinovac ter divulgado números gerais sobre o teste com humanos, os resultados da pesquisa ainda não foram divulgados publicamente e revisados. Por isso, os números apresentados pela empresa devem ser vistos com cautela. Essa situação, contudo, não é inédita. O mesmo vale para outra vacina que será testada no Brasil, que está sendo desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Oxford.
Em ambos os casos, os pesquisadores publicaram somente pesquisas dos testes pré-clínicos da vacina, com macacos. As duas vacinas estimularam o desenvolvimento de anticorpos contra a doença. A CoronaVac também eliminou a presença do vírus no organismo dos animais. No caso da vacina inglesa, contudo, foi detectada a presença do vírus nas fossas nasais dos indivíduos vacinados.
Os testes com humanos na China começaram em abril. Na semana passada, o Instituto Butantan e a Sinovac assinaram um acordo para testar a vacina no Brasil. A terceira fase do ensaio clínico da CoronaVac pretende contar com 9 mil voluntários brasileiros e deve começar a partir de julho. Para essa fase, o Butantan irá preparar centros em todo o país para conduzir a pesquisa. Caso a vacina seja aprovada, a Sinovac e o Butantan vão firmar um segundo acordo para transferir a tecnologia para a produção em escala da CoronaVac, o que permitiria o desenvolvimento em massa da vacina no Brasil.
Atualmente, a Organização Mundial da Saúde aponta que existem 136 vacinas contra a Covid-19 que estão sendo estudadas. 11 delas estão em fase de ensaio clínico, ou com humanos. A CoronaVac, da farmacêutica Sinovac, é uma delas.
Não é a primeira vez que uma informação falsa sobre a CoronaVac circula nas redes sociais. Nesta semana, perfis em redes sociais acusaram, falsamente, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de ter assinado o contrato com a Sinovac em agosto de 2019, portanto antes da doença ser descoberta. Essa teoria da conspiração partiu de uma fala do governador durante o anúncio da parceria, na qual ele citou a inauguração de um escritório comercial de São Paulo em Xangai em agosto daquele ano.

“(…) e ainda vai embolsar R$ 85 milhões sem licitação, do governo Doria-PSDB”Texto de imagem que, até às 11h do dia 18 de junho de 2020, tinha sido compartilhado por mais de 100 pessoas
Ainda é cedo
O acordo entre o Instituto Butantan e a farmacêutica Sinovac não envolve transferência de dinheiro, uma vez que o compromisso é que o instituto faça a terceira fase do ensaio clínico. Contudo, o presidente da entidade, Dimas Covas, acredita que será necessário um investimento de R$ 85 milhões para realizar o ensaio clínico no Brasil. Esse valor seria utilizado na operacionalização dos exames, e não para pagar a farmacêutica chinesa. O cálculo é baseado em outros estudos clínicos já produzidos pelo Butantan.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


19.02.2024 - 19h50
Política
É falso que Infraero e Anac confirmaram pouso de Trump em Guarulhos no dia de ato bolsonarista

Circula nas redes sociais uma suposta notícia afirmando que a Infraero e a Anac teriam confirmado que o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump teria um pouso agendado no Aeroporto Internacional de Guarulhos para o dia 25 de fevereiro. É falso. Ambas as organizações negaram que emitiram tal informação.


Evelyn Fagundes
19.02.2024 - 18h10
Política
É antiga foto que mostra Eduardo Paes ajoelhado próximo a Sérgio Cabral na Sapucaí

Post insinua que o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, se encontraram na Marquês de Sapucaí no carnaval deste ano. Falta contexto. As imagens que mostram os dois durante a festividade são antigas e foram relembradas recentemente por Cabral em sua conta no Instagram.

Catiane Pereira
19.02.2024 - 17h31
Meio ambiente
Vídeo de extração de madeira é antigo e não tem relação com governo Lula

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra caminhões carregando toras de madeira extraídas de uma área florestal. Segundo a legenda que acompanha o conteúdo, a gravação teria sido feita recentemente, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso. A Lupa identificou o mesmo vídeo em uma publicação feita no YouTube em 2018.

Evelyn Fagundes
16.02.2024 - 18h54
Saúde
Vigilância Sanitária não recomenda colocar cloro com sal em ralos contra a dengue

Mensagem afirma que a Vigilância Sanitária pediu para a população inserir meio copo de cloro e uma colher de sal nos ralos para combater focos de dengue. É falso. A Anvisa não emitiu o comunicado. Apesar de o cloro ser eficaz no combate a larvas do mosquito, o produto só mostra benefício em determinadas circunstâncias quando dissolvido em água.

Evelyn Fagundes
16.02.2024 - 17h30
Saúde
É falso que Globo fez comercial defendendo o direito de abortar

Circula nas redes sociais um vídeo que aborda o direito das mulheres em escolherem sobre a continuidade de uma gravidez. Segundo a narrativa que acompanha o post, a gravação seria um comercial produzido pela Rede Globo. É falso. O clipe foi desenvolvido em 2015 pelo estúdio Busca Vida Filmes, da cineasta Petra Costa.

Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital