UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Texto sobre ‘pandemia do medo’ não foi escrito por C. S. Lewis
19.06.2020 - 12h03
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais um texto supostamente extraído do livro Cartas de um Diabo a seu Aprendiz, do escritor irlandês C. S. Lewis (1898-1963), que teria relação com a pandemia de Covid-19. Algumas versões do post afirmam ser uma adaptação da obra, que foi publicada originalmente em 1942. Com o título “Covid-19: A pandemia do medo”, trata-se de um diálogo entre o diabo e seu discípulo. Os dois discutem como o medo levou várias almas ao inferno. Isso teria ocorrido porque as pessoas temiam adoecer, optando pelo isolamento social, pela economia do seu dinheiro e por acreditar na imprensa. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Do livro ‘Cartas do Diabo a Aprendiz’, de C. S. Lewis, o autor das ‘Crônicas de Nárnia’. O livro foi publicado em 1942.
COVID19 ‘A PANDEMIA DO MEDO’
Trecho do livro:
E como você conseguiu levar tantas almas para o inferno naquela época?
– Por causa do medo.
– Ah sim. Excelente estratégia; velho e sempre atual. Mas do que eles estavam com medo? Medo de ser torturado? Com medo da guerra? Fome?
– Não. Medo de ficar doente.
– Mas então, ninguém mais ficou doente naquele momento?
– Sim, eles ficaram doentes.
–  Mais ninguém morreu?
– Sim, eles morreram.
– Mas não havia cura para a doença?
– Teve.
– Então eu não entendo.
–  Como ninguém mais acreditou e ensinou sobre a vida eterna e a morte eterna, eles pensaram que tinham apenas aquela vida, e se apegaram a ela com toda a força, mesmo que isso lhes custasse seu carinho (eles não se abraçavam ou se cumprimentavam, não tinham contato) humano por dias e dias); seu dinheiro (perderam o emprego, gastaram toda a poupança e ainda pensavam que tinham sorte de ser impedidos de ganhar pão); a inteligência deles (um dia a imprensa disse uma coisa e no dia seguinte se contradiz, e ainda assim eles acreditavam em tudo); a liberdade deles (eles não saíram de casa, não andaram, não visitaram seus parentes… foi um grande campo de concentração para prisioneiros voluntários!
Eles aceitaram tudo, tudo, desde que pudessem passar por suas vidas miseráveis ​​mais um dia. Eles não tinham mais a menor idéia de que Ele, e somente Ele, é quem dá a vida e a termina. Era assim, tão fácil como nunca fora.”
Texto publicado em post no Facebook que, até as 11h30 de 19 de junho de 2020, tinha mais de 1 mil compartilhamentos
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O trecho que circula pelas redes sociais não foi escrito por C. S. Lewis e, portanto, não está no livro Cartas de um Diabo a seu Aprendiz. Uma consulta à edição publicada no Brasil pela Editora Martins Fontes em 2009 mostra que o texto não faz parte da obra. Também não se trata de uma adaptação. Não há qualquer referência ao medo de uma pandemia ou de doenças e suas consequências. Além disso, os capítulos do livro estão em forma de cartas, não de diálogos.
O texto sobre a “pandemia do medo” foi escrito por Camila Abadie, ativista que defende o homeschooling, e publicado em seu perfil pessoal do Facebook em 19 de abril. No início do post, ela explica que é um “trecho não escrito de ‘Cartas do inferno’ (ou ‘Cartas de um diabo ao seu aprendiz’)” – ou seja, destaca que foi uma criação sua. Ao perceber que, mesmo assim, as pessoas estavam confundindo a autoria, ela editou a publicação e acrescentou a seguinte frase: “PS: Pessoal, este texto é meu, não do Lewis. Por isso o título dado foi ‘Trecho NÃO escrito de Cartas do inferno’.”
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


19.04.2024 - 17h13
Política
É falso que montagem contra o PT foi projetada em prédio do Elon Musk

Circula na internet um vídeo de uma projeção com o desenho de um burro vestido com a camiseta do PT. Segundo a publicação, a imagem teria sido projetada em um prédio do empresário Elon Musk em Nova York. É falso. Trata-se de uma montagem, criada a partir de um modelo pronto do CapCut.

Gabriela Soares
19.04.2024 - 16h58
Política
É falso que Congresso dos Estados Unidos deu 48 horas para o STF entregar documentos sobre o X

Post nas redes sociais alega que o Congresso dos EUA deu 48 horas para o STF entregar documentos referentes ao X. É falso. O Comitê de Assuntos Judiciários da Câmara de Deputados dos EUA solicitou ao X acesso às decisões do Supremo sobre moderação de conteúdo. A empresa entregou a documentação e informou o STF. 

Maiquel Rosauro
16.04.2024 - 17h50
Política
Lula segue recomendação do Ministério da Justiça e sanciona, com veto, PL da ‘saidinha’ de presos

Circula pelas redes sociais que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vetou o PL 2.253, de 2022, que restringe a chamada 'saidinha' de presos. Falta Contexto. Lula sancionou o projeto com veto, o presidente acatou recomendação do Ministério da Justiça e manteve o direito à saída temporária dos presos do semiaberto para visita a familiares.

Catiane Pereira
16.04.2024 - 17h22
Política
Homem que acusa governo brasileiro de solicitar dados de usuários do X não é diretor da rede

Circula nas redes um vídeo no qual um homem alega que o governo brasileiro teria solicitado aos líderes do X, antigo Twitter, informações pessoais dos usuários. Segundo a legenda do post, o homem seria o diretor da plataforma. É falso. A pessoa que aparece no vídeo é um jornalista estadunidense que levantou as tais suposições em uma reportagem.

Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital