UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que médica foi demitida pelo governador da Bahia por questões políticas
02.07.2020 - 15h01
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais que o governador da Bahia, Rui Costa (PT), teria demitido a média Raissa Soares por perseguição política. Raissa ganhou notoriedade após fazer um apelo para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ajudar na saúde do estado. Ela também é defensora do uso de hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
” médica que estava salvando vidas na Bahia foi demitida pelo Governador do PT Rui Costa”
Texto da imagem que, até às 11h do dia 2 de julho de 2020, tinha sido compartilhado por mais de mil pessoas no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A médica Raissa Soares, que ganhou notoriedade nas redes sociais por defender o uso de hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, não foi demitida do  Hospital Regional Deputado Luís Eduardo Magalhães (HRDLEM) – localizado em Porto Seguro, na Bahia. Segundo a própria médica e a direção do hospital, a saída se deu porque, com outros compromissos profissionais, ela não estava conseguindo cumprir os plantões na instituição.
Raissa publicou um vídeo negando que sua demissão tenha motivos políticos. Segundo a médica, que também trabalha na prefeitura de Porto Seguro e no Hospital Navegantes, ela “não estava tendo tempo” de cumprir as escalas no hospital. “Eles [o departamento de Recursos Humanos do hospital] deram minha carga horária para outro colega, porque estava pedindo para outros colegas cobrirem essas escalas que eu estava fazendo”, disse.
Já o HRDLEM de saúde informou, em nota encaminhada pela Secretaria de Saúde da Bahia, que o setor responsável pelas renovações de contratos no hospital procurou a profissional para aumentar a sua carga de trabalho, já que ela trabalhava com uma carga reduzida.
Contudo, segundo a direção do hospital, a médica disse que já tinha uma grande demanda de trabalho durante o período da pandemia. Devido à grande quantidade de trabalho, ela decidiu não renovar o contrato. Ou seja, a decisão de demitir a médica não partiu do governador Rui Costa (PT).
“A diretoria do HRDLEM lamenta essa deturpação dos fatos. A abordagem foi para ampliação da jornada, uma vez que a escala vem necessitando de reforços. A profissional no entanto, reconheceu suas dificuldades frente aos compromissos externos que executa, e compreendemos o seu relevante papel. Reitero que o nosso compromisso é com a saúde da população”, diz a nota.
Boatos
Esse boato começou a circular pelas redes após Raissa publicar um vídeo em seu Facebook pedindo ajuda para o presidente Jair Bolsonaro. Na gravação, ela solicitou que o presidente mandasse mais hidroxicloroquina para o tratamento de pacientes com Covid-19. Em abril, a secretaria de saúde da Bahia liberou o uso de hidroxicloroquina e azitromicina para infectados com o vírus mediante a prescrição médica.
Essa não é a primeira vez que o nome de Raissa é ligado a boatos nas redes. No início de junho, jornalistas publicaram uma reportagem informando que uma publicação que circulava pelas redes distocia um vídeo da médica sobre o protocolo da cloroquina. O texto afirmava que Raissa teria dito que o “presidente sempre esteve certo”.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


21.02.2024 - 20h28
Segurança pública
Fuga de 17 presos no Piauí foi em penitenciária estadual, não federal

Vídeo aborda as fugas de presos no Piauí e em Rondônia. Segundo o post, esses acontecimentos teriam relação com o ministro Ricardo Lewandowski, uma vez que, ainda neste mês, dois detentos fugiram da Penitenciária de Mossoró. É falso. Ao contrário da unidade de Mossoró, que é federal, as prisões do Piauí e de Rondônia são de administração estadual.

Evelyn Fagundes
21.02.2024 - 16h42
Saúde
Repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal não tem eficácia contra dengue

Circula nas redes vídeo de um bombeiro ensinando uma receita de repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal para repelir o mosquito da dengue. Não há comprovação científica. Repelentes precisam ter o aval da Anvisa e seguir as orientações descritas na rotulagem do produto. Especialistas negam eficácia de repelentes caseiros

Ítalo Rômany
21.02.2024 - 14h50
Política
Vídeo em que deputado português chama Lula de ‘bandido’ é de 2023

Circula pelas redes um vídeo no qual o deputado português André Ventura chama o presidente Lula de "bandido". A legenda afirma que o discurso ocorreu “ontem”. É falso. A fala não é recente. O político de fato atacou o presidente brasileiro, mas a declaração foi dada em janeiro de 2023.

Catiane Pereira
21.02.2024 - 14h10
Eleições
É falso que urnas foram programadas para conceder vitória a Lula nas eleições de 2022

Vídeo afirma que urnas eletrônicas utilizadas no pleito eleitoral de 2022 continham um “algoritmo” que concederia uma margem de vitória ao então candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso. As urnas eletrônicas registram automaticamente todos os votos, e seu sistema não altera, adiciona e ou subtrai os votos dos eleitores.

Catiane Pereira
20.02.2024 - 16h47
Política
Paulo Pimenta não admitiu fraude ao dizer que Lula venceu eleição com 39% dos votos

Circula na internet um vídeo no qual o ministro-chefe da Secom, Paulo Pimenta, afirma que o presidente Lula ganhou as eleições de 2022 com 39% dos votos. Falta contexto. Pimenta considerou o universo total de eleitores, cálculo diferente do adotado pelo TSE, que exclui brancos, nulos e ausentes.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital