UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que novo vírus da gripe encontrado em porcos na China se espalha pelo mundo
02.07.2020 - 19h19
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais um texto com a afirmação de que, como se não bastasse a Covid-19, um outro vírus da gripe provocou uma explosão de casos na China e já atinge outros países da Ásia e da Europa. A mensagem afirma ainda que humanos podem ser facilmente infectados pelo micro-organismo, o que poderia gerar uma nova pandemia. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“NOVO VÍRUS DA GRIPE EM PORCO SURGE NA CHINA E PODE ATINGIR HUMANOS
[Se não] bastasse o covid-19, outro vírus [da gripe] bastante agressivo, que ataca os suínos, teve uma explosão de casos na China e já atinge outros países da Ásia e da Europa”
Texto de post publicado no Facebook que, até as 12h de 2 de julho de 2020, tinha 400 compartilhamentos
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O texto que circula pelas redes sociais mistura duas notícias que circularam recentemente sobre dois diferentes tipos de vírus que afetam porcos. Com isso, cria uma situação alarmante, não confirmada pelos fatos.
Uma variante do H1N1, o G4 EA H1N1, causador da gripe suína, de fato foi encontrada na China. Segundo os cientistas, a cepa consegue infectar seres humanos a partir dos animais. O micro-organismo, no entanto, não se espalhou por outros países da Ásia e da Europa, depois de uma “explosão de casos na China”. Também não há evidências de que esse vírus cause uma doença letal.
Os chineses monitoram continuamente as criações de porcos e outros animais do país, por já se saber que isso ajuda na descoberta de novos vírus da gripe. No estudo divulgado recentemente, os pesquisadores descobriram que o G4 EA H1N1 tornou-se comum nas fazendas do país desde 2016. Ou seja, só foi encontrado por lá. Ele tem características similares às de outros organismos causadores de pandemia. Por isso, os cientistas alertaram para que o patógeno seja vigiado de perto e controlado, tanto entre humanos como nas criações de suínos.
A pesquisa afirma que 10,4% dos 338 trabalhadores testados em criações apresentaram anticorpos contra o vírus – ou seja, ele é capaz de infectar pessoas. De acordo com artigo publicado pelo virologista Ian M. Mackay, da Universidade de Queensland, na Austrália, para o site The Conversation, não foram achados, no entanto, sinais de contaminação de um humano para outro, nem evidências de que o G4 EA H1N1 causou mortes ou casos graves. A descoberta pode levar à criação de testes para detectar essa cepa e, assim, acompanhar a sua disseminação. Há o receio de que uma mutação possa torná-la perigosa.
O vírus letal que tem atacado porcos na China é um micro-organismo da família Asfarviridae, causador da peste suína africana. Ele não tem qualquer parentesco com o novo coronavírus e não contamina seres humanos. Descoberto em 1907, na África, o patógeno foi encontrado em surtos que atingiram 23 países países do continente e também regiões da Ásia e da Europa entre 2018 e 2019, segundo o Boletim nº 46 da Organização Internacional para Saúde Animal. Recentemente, um surto ocorreu na província de Gansu, na China, matando mais de 90 porcos em uma fazenda de 9.900 suínos.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


22.05.2024 - 12h12
Enchentes no RS
Exército não montou tendas para atender equipe do Jornal Nacional no RS

Circula nas redes o trecho de podcast em que voluntários no RS afirmam que o Exército montou duas tendas para atender exclusivamente a equipe do Jornal Nacional. É falso. As tendas foram montadas para apoiar as vítimas das enchentes, e a imprensa apenas acompanhou o processo. Em vídeo, as voluntárias esclareceram o engano. 


Gabriela Soares
22.05.2024 - 11h42
Enchentes no RS
É falso que avião da Força Aérea dos EUA pousou no RS com toneladas de doações

Circula pelas redes sociais um vídeo afirmando que uma aeronave da Força Aérea dos EUA (USAF) pousou no Rio Grande do Sul com toneladas de donativos. É falso. O consulado americano e a embaixada dos Estados Unidos desmentiram o boato.


Gabriela Soares
21.05.2024 - 18h50
Rio Grande do Sul
Não é do RS vídeo viral de enchente que invade estrada; imagens são do Japão

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra carros desviando de uma enxurrada que alaga uma estrada e casas sendo levadas por uma inundação. A legenda afirma: “enchente capturada por câmera de segurança - RS”. É falso. A gravação não foi feita no Rio Grande do Sul, mas no Japão, em 2011, durante um tsunami registrado após um terremoto.

Evelyn Fagundes
21.05.2024 - 17h44
Rio Grande do Sul
É falso que ministro Paulo Pimenta não bebeu água de purificador enviado ao RS

Circula pelas redes sociais que o ministro Paulo Pimenta, da Secretaria de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, não bebeu a água filtrada por um dos purificadores enviados pelo governo federal ao Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo  omite o trecho no qual o ministro aparece de fato bebendo água.

Catiane Pereira
21.05.2024 - 14h39
Política
Falta contexto ao post sobre deputados gaúchos que votaram contra anistia da dívida do Estado

Post alega que sete deputados RS votaram contra uma emenda que anistiava as parcelas da dívida do Estado pelos próximos 36 meses. Falta contexto. Os parlamentares votaram contra duas emendas nesse sentido, mas votaram a favor do projeto que permitirá ao Estado direcionar cerca de R$ 11 bilhões para ações de reconstrução.

Maiquel Rosauro
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital