UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que vacinas contra Covid-19 podem criar seres humanos geneticamente modificados
22.07.2020 - 19h47
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que vacinas contra a Covid-19 seriam capazes de transformar o código genético das pessoas, transformando-as em “organismos geneticamente modificados”. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“As vacinas [de RNA] para Covid-19 são projetadas para nos transformar em Organsimos Geneticamente Modificados.”
Trecho de vídeo publicado Facebook que, até o dia 22 de julho, tinha sido compartilhado por mais de 700 pessoas.
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Vacinas sobre plataformas de DNA ou RNA não alteram o código genético de células humanas. Na verdade, essa técnica consiste em inserir uma parte dos genes de um determinado patógeno em plasmídios, molécula de ácido nucléico presente em bactérias. Esses plasmídios, então, são injetados no corpo humano e entram nas células, onde passam a reproduzir partes do agente causador da doença. Isso produz uma resposta imunológica do organismo. Ou seja: o código genético que é modificado é o de uma molécula de uma bactéria, não o de um ser humano.
Esse tipo de tecnologia é recente. Até hoje, nenhuma vacina produzida sobre essa plataforma chegou a ser aprovada para uso em humanos. Das 168 vacinas sendo testadas até o momento contra a Covid-19, 37 usam essa técnica, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre as vacinas que já estão entrando na terceira fase de testes, apenas uma, desenvolvida pela farmacêutica Moderna, usa essa tecnologia. Essa vacina está sendo testada nos Estados Unidos.
O objetivo de uma vacina é estimular a produção de anticorpos contra um determinado patógeno. A tecnologia mais tradicional usa o próprio vírus ou bactéria, em versão inativada ou atenuada, para gerar essa resposta do organismo. No caso das vacinas de DNA ou RNA, ao invés de inserir o próprio agente da doença, uma molécula geneticamente modificada produz uma determinada parte do microorganismo, o que estimula a produção de defesas.
De acordo com a OMS, essa abordagem oferece algumas vantagens sobre os métodos mais tradicionais. Em primeiro lugar, elas eliminam a necessidade de inserir qualquer agente infeccioso, como um vírus enfraquecido, no corpo humano. Além disso, ela é mais fácil de produzir em larga escala. Contudo, a tecnologia é muito recente, e só veio a ser testada em humanos a partir da pandemia de Covid-19. Antes disso, imunizações desse tipo para outras doenças foram testadas em animais.
Dois laboratórios patrocinados pela Fundação Bill e Melissa Gates foram pioneiros na produção de vacinas desse tipo. O laboratório Moderna, primeiro a desenvolver vacinas com base em RNA, teve resultados promissores em sua primeira fase de testes com humanos, publicados em 17 de julho. Já a INO-4800, estudada pelo laboratório americano Inovio Pharmaceutica, ainda se encontra na primeira fase de testes, com 120 voluntários. A Sanofi também apostou no desenvolvimento de vacinas desse tipo, mas os testes em humanos ainda não foram iniciados.
Peças de desinformação similares também circularam nos Estados Unidos, e foram checadas pela agência americana Reuters.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


16.04.2024 - 17h50
Política
Lula segue recomendação do Ministério da Justiça e sanciona, com veto, PL da ‘saidinha’ de presos

Circula pelas redes sociais que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vetou o PL 2.253, de 2022, que restringe a chamada 'saidinha' de presos. Falta Contexto. Lula sancionou o projeto com veto, o presidente acatou recomendação do Ministério da Justiça e manteve o direito à saída temporária dos presos do semiaberto para visita a familiares.

Catiane Pereira
16.04.2024 - 17h22
Política
Homem que acusa governo brasileiro de solicitar dados de usuários do X não é diretor da rede

Circula nas redes um vídeo no qual um homem alega que o governo brasileiro teria solicitado aos líderes do X, antigo Twitter, informações pessoais dos usuários. Segundo a legenda do post, o homem seria o diretor da plataforma. É falso. A pessoa que aparece no vídeo é um jornalista estadunidense que levantou as tais suposições em uma reportagem.

Evelyn Fagundes
16.04.2024 - 16h27
Política
É falso que Polícia Federal realizou busca e apreensão na casa de Elon Musk

Post alega que a Polícia Federal realizou uma busca e apreensão na casa do empresário Elon Musk, no Vale do Silício, nos Estados Unidos. É falso. A imagem que acompanha o post foi registrada durante a Operação Narcobroker, da Receita Federal, PF e MPF, em novembro de 2020. Além disso, a PF não tem autonomia para atuar em solo estrangeiro.

Maiquel Rosauro
16.04.2024 - 15h18
Política
É falso que dívida da Petrobras nos EUA causou “holocausto econômico” no Brasil

Mensagem diz que teria sido decretado o “holocausto econômico brasileiro”. Segundo o texto, a situação se desencadeou por uma ação nos Estados Unidos contra a Petrobras que gerou uma dívida na casa do trilhão. É falso. O valor é exagerado. Em nota, a empresa contestou o número e disse que suas obrigações judiciais nos EUA já foram cumpridas.

Evelyn Fagundes
16.04.2024 - 14h20
Redes Sociais
É falso que Felipe Neto recebia ordens de Moraes para pedir remoção de posts

Circula nas redes vídeo cuja legenda afirma que Felipe Neto recebia ordens do ministro do STF Alexandre de Moraes para pedir a dirigentes de plataformas no Brasil para banir posts de opositores. É falso. Não há provas que mostrem que Felipe Neto recebia ordens de Moraes ou de que o influenciador teria influência para remover posts

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital