UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Positivo Tecnologia foi vendida para a companhia chinesa Lenovo
28.07.2020 - 19h56
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que a Positivo Tecnologia teria sido vendida para a multinacional chinesa Lenovo. A empresa venceu uma licitação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para a fabricação de novas urnas eletrônicas para as eleições de 2022. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“A Positivo foi vendida para a Chinesa, Lenovo”
Legenda da imagem que, até às 19h do dia 28 de junho de 2020, tinha sido compartilhado mais de 2 mil pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Sediada em Curitiba, a Positivo Tecnologia é uma empresa de capital aberto. 55,4% das ações estão em “free float”, ou seja, são negociadas no mercado – neste caso específico, na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), segundo o Estatuto Social. 43,8% das ações são de um grupo de controladores composto pelas famílias dos fundadores da empresa. O resto é retido pela própria empresa. Ou seja, a companhia não é de propriedade da chinesa Lenovo, que também atua no segmento de computadores pessoais.
Em nota, a assessoria de imprensa da Positivo Tecnologia negou ser de propriedade da Lenovo. “A informação não procede. É um rumor publicado nas mídias sociais. A Positivo Tecnologia não foi vendida para a Lenovo nem possui qualquer negociação neste sentido. Não há relação comercial entre as empresas”, diz.
No passado, houve rumores, nunca confirmados, de que a empresa chinesa teria interesse em adquirir a brasileira. Segundo reportagem do jornal O Estado de São Paulo, de dezembro de 2008, a Lenovo e a Dell, dos Estados Unidos, tinham interesse em comprar a Positivo Informática – nome pelo qual a Positivo Tecnologia era conhecida até 2017. Na época, o presidente da companhia, Hélio Rotenberg, disse à reportagem que não havia “nada de concreto”. O negócio não se concretizou.
Em 2010, a compra voltou a ser tema de reportagens em veículos brasileiros e chineses. Uma agência estatal de notícias da China informou que a Lenovo poderia ter comprado a empresa brasileira, segundo reportagem da Folha de S.Paulo. Representantes das duas companhias negaram a existência de uma negociação e, novamente, a aquisição não ocorreu.
Segundo a assessoria de imprensa da Positivo Tecnologia, nessas duas ocasiões, não houve negociações entre as duas empresas.

“O TSE informou que a empresa Positivo, venceu a licitação para compra de novas urnas eletrônicas que serão utilizadas nas eleições de 2022. O valor do contrato é de R$ 799 milhões”
Legenda da imagem que, até às 19h do dia 28 de junho de 2020, tinha sido compartilhado mais de 2 mil pessoas
Verdadeiro
Na última quinta-feira (23), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que a Positivo Tecnologia venceu a licitação para fabricar novas urnas eletrônicas que devem ser utilizadas nas eleições presidenciais de 2022. Segundo o tribunal, o preço da proposta da aquisição dos aparelhos foi de R$799,9 milhões.
“O objetivo do TSE é adquirir até 180 mil urnas para substituir parte do parque tecnológico, que atualmente é de 470 mil unidades em todo o país. Urnas fabricadas em 2006 e 2008, cuja vida útil está esgotada, precisam ser substituídas pelos novos modelos”, diz o comunicado.
O processo de licitação para a fabricação das urnas começou em julho de 2019. Além da Positivo Tecnologia, a empresa Consórcio SMTT, liderado pela Smartmatic do Brasil, também disputou o pregão. Ambas precisaram apresentar um protótipo para análise do TSE.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 14h25
Mudanças Climáticas
É falso que o Sol é o principal fator responsável pelo aquecimento global

Post afirma que o aquecimento global está relacionado principalmente com as variações do Sol, e não seria causado prioritariamente pela atividade humana. É falso. Esse entendimento é contrário ao conhecimento científico sobre a origem humana das mudanças climáticas dos últimos anos, conforme atestam os informes do IPCC, da ONU.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 13h29
Segurança
É falso que Fernandinho Beira-Mar fugiu de presídio de segurança máxima em Mossoró

Post que circula pelas redes sociais afirma que Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, teria fugido junto com outros detentos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. É falso. Beira-Mar segue sob a custódia do Sistema Penitenciário Federal.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 12h55
Saúde
É falso que Lula ‘liberou’ o aborto em qualquer tempo gestacional no Brasil

Circula pelas redes sociais que o governo Lula teria liberado o aborto no Brasil em qualquer idade gestacional. É falso. O governo não  legalizou o aborto. Uma nota técnica do Ministério da Saúde de 28 de fevereiro revogou uma orientação de 2022, do governo Bolsonaro, que fixava um prazo para os procedimentos. Essa nota foi suspensa em 29 de fevereiro.

Carol Macário
01.03.2024 - 12h47
Política
Soldados queimados em vídeo são turcos, não israelenses mortos pelo Hamas

Post mostra um vídeo com soldados sendo queimados vivos. A legenda que acompanha a publicação diz que são israelenses assassinados pelo Hamas. É falso. O vídeo é antigo e circula desde 2016. O Estado Islâmico assumiu a autoria do ato contra soldados turcos

Maiquel Rosauro
01.03.2024 - 12h16
Política
Nota das Forças Armadas é antiga e trata de protestos em quartéis de 2022

 Circula nas redes o vídeo de uma reportagem sobre uma nota das Forças Armadas que menciona “o que vem acontecendo no Brasil”. A publicação dá a entender que o documento se refere a supostos “descaminhos autocráticos” do poder Judiciário. Falta Contexto. A notícia é de 2022 e foi tirada de contexto.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital