UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que hidroxicloroquina, defendida em vídeo por médica nos EUA, funcione contra Covid-19
29.07.2020 - 14h34
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais o vídeo com um depoimento de uma médica chamada Stella Immanuel em frente à Suprema Corte, em Washington, nos Estados Unidos. Cercada por outros médicos, ela defende na gravação o uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. No depoimento, Immanuel diz que a cura da doença consiste em usar o remédio em conjunto com zinco e zithromax (azitromicina). A cena ocorreu em 27 de julho, em um evento organizado pelo grupo conservador Tea Party Patriots. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Esse vírus tem cura e se chama hidroxicloroquina, zinco e zithromax (azitromicina)”Frase da médica Stella Immanuel em vídeo publicado no Instagram, que, até as 13h30 de 29 de julho de 2020, tinha mais de 7,3 mil visualizações
Falso
A afirmação da médica Stella Immanuel analisada pela Lupa é falsa. Não há cura para a Covid-19. Estudos científicos feitos com centenas de pacientes concluíram que a hidroxicloroquina não funciona contra a doença, sozinha ou em combinação com outras drogas. Essas pesquisas adotaram uma metodologia rigorosa para testar a eficácia do medicamento, que consiste no uso de três técnicas principais: randomização (ou seja, a escolha aleatória dos participantes que vão tomar o remédio), grupo controle (que não recebe a droga) e duplo-cego (quando não se revela aos envolvidos qual parte dos pacientes recebeu placebo e qual parcela foi, de fato, medicada).
O estudo mais recente, feito por brasileiros, foi publicado em 23 de julho no New England Journal of Medicine. Usando essa metodologia rigorosa, os cientistas recrutaram 667 pessoas em 55 hospitais, das quais 504 tiveram diagnóstico confirmado para Covid-19. Todos apresentavam sintomas leves ou moderados. Os pacientes foram divididos em três grupos: o primeiro recebeu hidroxicloroquina com azitromicina (217 pessoas, Grupo 1); outro foi tratado apenas com hidroxicloroquina (221 pessoas, Grupo 2); e o último tomou placebo, ou seja, não recebeu nenhuma droga (229 pessoas, Grupo 3). O índice de mortes ficou em 3% nos três grupos, ou seja, a hidroxicloroquina não fez nenhum efeito no tratamento.
O desempenho do medicamento em pacientes nos estágios iniciais da Covid-19 também foi analisado em um estudo randomizado e com duplo-cego publicado no Annals of Internal Medicine, em 16 de julho. Os cientistas tentaram identificar se a hidroxicloroquina conseguia reduzir a gravidade da doença em pacientes adultos. Participaram 491 pessoas nos Estados Unidos e no Canadá. Mais uma vez, não se encontrou qualquer benefício no tratamento com a droga. A hidroxicloroquina não contribuiu para aliviar a gravidade dos sintomas no grupo testado.
Outra pesquisa, publicada no The New England Journal of Medicine, em 3 de junho, avaliou a adoção da hidroxicloroquina para prevenir a infecção do novo coronavírus. A análise contou com 821 participantes nos Estados Unidos e no Canadá. Os resultados, também randomizados e com duplo-cego, mostraram que a droga não conseguiu evitar que as pessoas ficassem doentes quando expostas a um risco moderado ou alto de contágio.

Casos graves

Estudos também comprovaram que a hidroxicloroquina não ajuda a tratar casos graves do novo coronavírus. Um dos maiores ensaios clínicos que estão sendo realizados para identificar possíveis tratamentos para a Covid-19 chegou a essa conclusão em 5 de junho. O projeto Recovery, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, anunciou que não encontrou nenhum benefício no uso da hidroxicloroquina contra a doença em pacientes hospitalizados e suspendeu os testes com o remédio. Não houve nenhuma diferença na taxa de mortalidade. A conclusão veio da análise de 1.542 pacientes tratados com a droga, ao lado de outros 3.132 que tiveram o tratamento hospitalar padrão. Os resultados ainda não foram publicados.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) também suspendeu um grande estudo sobre a eficácia do medicamento, após a divulgação das conclusões do Recovery de que a hidroxicloroquina não reduz as mortes dos infectados pelo novo coronavírus. Posteriormente, pesquisadores encerraram testes com o medicamento de forma definitiva.
Em 15 de junho, a Food and Drug Administration (FDA), que regula o uso dos medicamentos nos Estados Unidos, retirou a autorização para uso de emergência da droga em pacientes hospitalizados. Segundo informações disponíveis na página do órgão, a decisão baseou-se no resultado de um estudo randomizado que comprovou a ineficácia do remédio.
Essa afirmação também foi desmentida por Politifact, FactCheck.org e AFP.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


21.02.2024 - 20h28
Segurança pública
Fuga de 17 presos no Piauí foi em penitenciária estadual, não federal

Vídeo aborda as fugas de presos no Piauí e em Rondônia. Segundo o post, esses acontecimentos teriam relação com o ministro Ricardo Lewandowski, uma vez que, ainda neste mês, dois detentos fugiram da Penitenciária de Mossoró. É falso. Ao contrário da unidade de Mossoró, que é federal, as prisões do Piauí e de Rondônia são de administração estadual.

Evelyn Fagundes
21.02.2024 - 16h42
Saúde
Repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal não tem eficácia contra dengue

Circula nas redes vídeo de um bombeiro ensinando uma receita de repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal para repelir o mosquito da dengue. Não há comprovação científica. Repelentes precisam ter o aval da Anvisa e seguir as orientações descritas na rotulagem do produto. Especialistas negam eficácia de repelentes caseiros

Ítalo Rômany
21.02.2024 - 14h50
Política
Vídeo em que deputado português chama Lula de ‘bandido’ é de 2023

Circula pelas redes um vídeo no qual o deputado português André Ventura chama o presidente Lula de "bandido". A legenda afirma que o discurso ocorreu “ontem”. É falso. A fala não é recente. O político de fato atacou o presidente brasileiro, mas a declaração foi dada em janeiro de 2023.

Catiane Pereira
21.02.2024 - 14h10
Eleições
É falso que urnas foram programadas para conceder vitória a Lula nas eleições de 2022

Vídeo afirma que urnas eletrônicas utilizadas no pleito eleitoral de 2022 continham um “algoritmo” que concederia uma margem de vitória ao então candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso. As urnas eletrônicas registram automaticamente todos os votos, e seu sistema não altera, adiciona e ou subtrai os votos dos eleitores.

Catiane Pereira
20.02.2024 - 16h47
Política
Paulo Pimenta não admitiu fraude ao dizer que Lula venceu eleição com 39% dos votos

Circula na internet um vídeo no qual o ministro-chefe da Secom, Paulo Pimenta, afirma que o presidente Lula ganhou as eleições de 2022 com 39% dos votos. Falta contexto. Pimenta considerou o universo total de eleitores, cálculo diferente do adotado pelo TSE, que exclui brancos, nulos e ausentes.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital