UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que coquetel com hidroxicloroquina tem eficácia de 99,9% contra Covid-19
31.07.2020 - 17h17
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais um post que sugere um coquetel de tratamento contra a Covid-19. De acordo com a publicação, é recomendado tomar 200 miligramas de hidroxicloroquina duas vezes por dia. Uma vez ao dia, a pessoa deve ingerir também 500 miligramas de azitromicina e 220 miligramas de sulfato de zinco. O uso desses remédios combinados por cinco dias teria uma eficácia de 99,9% contra o novo coronavírus. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“O coquetel para o tratamento do coronavírus:
1) hidroxicloroquina 200mg duas vezes por dia por 5 dias
2) azitromicina 500mg uma vez por dia por 5 dias
3) sulfato de zinco 220mg uma vez por dia por 5 dias.
Custo do tratamento: 60 reais.
Eficácia: 99,9%”
Texto em post publicado no Facebook que, até as 17h de 31 de julho de 2020, tinha 529 compartilhamentos
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Múltiplos estudos científicos produzidos com metodologia rigorosa concluíram que tomar hidroxicloroquina não funciona contra a Covid-19. Isso vale tanto para a ingestão da droga sozinha como acompanhada de azitromicina – um antibiótico usado em infecções respiratórias –, como indicado no post que circula nas redes sociais. Os testes com esses medicamentos usaram dosagens até mesmo maiores e por mais tempo do que a recomendada na publicação, em pacientes leves e graves com o novo coronavírus. A conclusão foi a mesma em todas as situações, descartando a eficácia desses remédios.
Essas análises ocorreram de forma randomizada, o que significa que a escolha dos participantes que tomariam a medicação ocorreu de forma aleatória. Também tiveram um grupo controle, ou seja, uma parcela de pessoas que não recebeu tratamento. Por fim, usaram ainda o duplo-cego, procedimento em que não se revela qual parte dos pacientes recebeu placebo e qual tomou as drogas analisadas. Essa técnica é a mais adequada para avaliar a eficácia de um medicamento.
Uma das principais pesquisas, feita por brasileiros, foi publicada em 23 de julho no New England Journal of Medicine. Os participantes com Covid-19 de 55 hospitais foram divididos em três grupos. O primeiro, com 221 pessoas, recebeu 400 miligramas de hidroxicloroquina duas vezes ao dia por sete dias. O segundo, com 217 integrantes, foi tratado com 400 miligramas de hidroxicloroquina duas vezes por dia e com 500 miligramas de azitromicina uma vez por dia, também durante sete dias. O terceiro grupo, com 229 pessoas, não tomou nenhuma droga. A taxa de mortalidade ficou em 3% nos três grupos, demonstrando que os remédios não trouxeram nenhum benefício.
Pessoas com sintomas da Covid-19 em seus estágios iniciais, que não estavam hospitalizadas, também participaram de um estudo divulgado no Annals of Internal Medicine em 16 de julho. Nesse caso, o tratamento consistiu em tomar 800 miligramas de hidroxicloroquina numa primeira dose, 600 miligramas após seis a oito horas e 600 miligramas por dia durante mais quatro dias. Outra parcela dos voluntários tomou placebo. A conclusão foi que a hidroxicloroquina não reduziu a gravidade dos sintomas. Ou seja, o remédio foi ineficaz.
Outra pesquisa, feita para identificar se a hidroxicloroquina poderia ser usada de modo preventivo, chegou a conclusões muito semelhantes. Publicada em 3 de junho no The New England Journal of Medicine, a análise também usou dois grupos, sendo que ambos tinham risco moderado ou alto de exposição à Covid-19. Um deles tomou 800 miligramas de hidroxicloroquina numa primeira dose, 600 miligramas após seis a oito horas e 600 miligramas por dia durante quatro dias adicionais. O outro recebeu placebo. O resultado foi que a hidroxicloroquina não conseguiu evitar infecções pelo novo coronavírus.
O projeto Recovery, da Universidade de Oxford, também concluiu que a hidroxicloroquina não tem nenhuma eficácia contra a Covid-19 em casos graves da doença. Como os resultados ainda não foram publicados, as dosagens usadas no estudo não foram divulgadas. Contudo, os estudos com esse medicamento foram interrompidos de forma definitiva no projeto. O mesmo aconteceu no projeto Solidarity, da Organização Mundial da Saúde (OMS).
O zinco, que aparece no “tratamento” que circula nas redes sociais, não é um remédio. Trata-se apenas de um complemento que ajuda a manter o bom funcionamento do sistema imunológico. Seu uso, no entanto, só deve ser feito com orientação médica. Cientistas afirmam, contudo, que nenhum produto é capaz de aumentar a imunidade do organismo e que é possível obter a quantidade suficiente desse mineral pela alimentação.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


18.05.2024 - 16h51
Rio Grande do Sul
É falso que barragem da Usina 14 de Julho causou enchente no RS; vídeo é antigo

Vídeo que circula nas redes sociais afirma que a abertura de comportas das barragens do Rio das Antas e do Rio Carreiro teria resultado nas enchentes do Rio Grande do Sul. É falso. Trata-se de um vídeo antigo que não tem relação com as recentes enchentes. Além disso, as barragens citadas não têm capacidade de impactar nas cheias.


Evelyn Fagundes
18.05.2024 - 12h46
Rio Grande do Sul
Vídeo de resgate de criança por civis em enxurrada foi gravado na Turquia, não no RS

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra o resgate de duas pessoas em uma enchente. A legenda afirma se tratar do salvamento de duas crianças que ocorreu recentemente no Rio Grande do Sul. É falso. A gravação mostra o resgate de uma mulher e de uma criança em março de 2023 na Turquia.

Catiane Pereira
18.05.2024 - 09h46
Rio Grande do Sul
É falso que 2 mil corpos foram congelados em frigorífico de Canoas (RS)

Vídeo nas redes sociais alega que estão congelando corpos em câmaras frigoríficas no bairro Mathias Velho, em Canoas (RS). É falso. O Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul e a Prefeitura de Canoas desmentiram o boato. Além disso, o boletim da Defesa Civil, divulgado às 9h de sábado (18), aponta 22 óbitos em Canoas.

Catiane Pereira
17.05.2024 - 17h30
Rio Grande do Sul
É falso que foram destruídas doações para o RS mostradas em vídeo viral

Circula nas redes sociais um vídeo alegando que doações enviadas para o Rio Grande do Sul foram destruídas. É falso. Trata-se de um registro de 2023, em que donativos estavam sendo movidos por uma retroescavadeira para organizar o local. O conteúdo desinformativo ainda conta com outras narrativas falsas.


Evelyn Fagundes
16.05.2024 - 17h15
Rio Grande do Sul
É falso que lista com 53 nomes seja de crianças desacompanhadas em abrigo na Ulbra, em Canoas

Circula pelas redes sociais uma lista com supostos nomes de crianças sem seus responsáveis que estariam abrigadas no Campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS). É falso. Na verdade a lista traz os nomes de pessoas desabrigadas e que foram acolhidas em outro local, não de crianças desacompanhadas.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital