UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que uso generalizado de máscaras tem sido desencorajado no mundo
20.08.2020 - 17h41
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais que o uso generalizado de máscaras tem sido desencorajado em todo o mundo. Segundo a publicação, órgãos como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) não recomendam que pessoas saudáveis usem máscaras, ou que usem somente em casos de contato com pessoas infectadas. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“O uso generalizado de máscaras tem sido desencorajado em todo o mundo. Até a OMS diz que se você está saudável, a máscara é indicada apenas caso esteja cuidando de alguém infectado”
Imagem publicada no Facebook que, até as 14h do dia 20 de agosto de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 210 pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Em junho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um guia sobre o uso de máscaras cirúrgicas e de tecidos. Nele, é dito que as máscaras devem ser usadas pelo público em geral, incluindo as pessoas saudáveis, como parte de uma estratégia abrangente de medidas para suprimir a transmissão do novo coronavírus. Esse posicionamento não foi atualizado desde então.
Inicialmente, a OMS não recomendou o uso generalizado de máscaras. Em documento publicado em abril, a instituição orientava o uso de máscaras cirúrgicas apenas para pessoas que apresentavam sintomas e aquelas que estavam cuidando de um paciente com Covid-19, além dos profissionais de saúde. Na ocasião, a OMS chegou a dizer que não havia evidência de que o uso de uma máscara por pessoas saudáveis poderia prevenir o novo coronavírus.
Contudo, a instituição mudou suas orientações em junho, segundo o órgão, para incorporar as descobertas mais recentes de pesquisas científicas. Vários estudos mostraram que, embora as máscaras caseiras não sejam totalmente eficazes na disseminação do vírus, elas ajudam a reduzir significativamente a taxa de transmissão.
A Lupa já fez uma checagem similar. Em julho, circulou um boato dizendo que a OMS teria mudado de posição novamente e deixado de recomendar o uso de máscaras.

“Nos EUA, o CDC não recomenda que pessoas saudáveis usem máscaras”
Imagem publicada no Facebook que, até as 14h do dia 20 de agosto de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 210 pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A recomendação do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), atualizada em 7 de agosto, é de que todos devem usar máscaras em ambientes públicos ou quando estiverem perto de pessoas que não moram em suas casas, especialmente quando outras medidas de distanciamento social são difíceis de manter.
A recomendação do CDC é de não usar máscaras cirúrgicas e respiradores do tipo N95, destinadas a profissionais de saúde. “São suprimentos essenciais que devem ser reservados para profissionais de saúde e outros socorristas”. A CDC também não recomenda máscaras com válvulas ou respiradouros unilaterais, que permitem que o ar seja exalado por um orifício no material, o que pode resultar na expulsão de gotículas respiratórias que podem atingir outras pessoas.
Em 14 de julho, o diretor do CDC, Robert Redfield, afirmou em entrevista ao Journal of the American Medical Association que se todos os norte-americanos usarem máscaras, a onda crescente de casos de Covid-19 no país pode estar sob controle em um período entre quatro e oito semanas.

“Por meio do Twitter, o US Surgeon General solicitou que as pessoas parem de comprar máscaras”
Imagem publicada no Facebook que, até as 14h do dia 20 de agosto de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 210 pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é antiga e foi citada fora de seu contexto original. No passado, Jerome M. Adams, Surgeon General dos Estados Unidos (um dos cargos mais importantes no serviço de saúde pública do país), solicitou que os americanos não comprassem máscaras. Contudo, ele se referia a modelos profissionais, e não às usadas pela população em geral. Com o surgimento de evidências científicas de que máscaras caseiras ajudam a evitar a disseminação da doença, ele passou a defender seu uso.
Em 29 de fevereiro, Adams postou no Twitter um pedido ao público para que parasse de comprar máscaras. A preocupação, na época, era de que os estoques de equipamentos de proteção para combater o novo coronavírus se esgotassem. Até aquele momento, as informações sobre a Covid-19 e o uso de máscaras ainda eram escassas. “Eles [as máscaras] NÃO são eficazes na prevenção de que o público em geral pegue o #Coronavírus, mas se os profissionais de saúde não puderem fazer com que eles cuidem de pacientes doentes, isso os coloca e às nossas comunidades em risco!”, disse Adams na rede social.
Contudo, desde então, diversas pesquisas mostraram que o uso de máscaras caseiras pela população em geral ajuda a reduzir a transmissão da doença significativamente. Por causa disso, desde maio ele defende publicamente seu uso, e fala sobre o assunto constantemente em seu Twitter. Em 28 de junho, por exemplo, ele publicou diversos tuítes recomendando o uso de máscaras. Inclusive, em um vídeo, ensina como fazer uma máscara caseira usando tecido.
View post on Twitter
Há diversos outros tuítes publicados recentemente por Adams recomendando o uso de máscaras (aqui, aqui e aqui). Em julho, ele falou sobre meios de comunicação que têm usado sua fala de fevereiro fora de contexto. “Máscaras são nossa melhor ferramenta para diminuir a disseminação de Covid-19. Eu venho dizendo isso há mais de 3 meses! Infelizmente, em 2 entrevistas recentes na TV nacional, houve um foco em informações desatualizadas de fevereiro/março”, disse.

“Na Europa, usa quem quer e não usa quem não quer”
Imagem publicada no Facebook que, até as 14h do dia 20 de agosto de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 210 pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A maioria dos países europeus exige o uso de máscaras ao sair de casa. Não há uma regra unificada e, portanto, as determinações variam de acordo com o país. Em alguns lugares, é permitido sair sem máscara na rua, mas o uso é obrigatório em ambientes fechados. Em outros, o uso é exigido em qualquer ambiente público.
Na Espanha, por exemplo, as pessoas a partir dos seis anos estão obrigadas a usar máscaras em vias públicas, espaços fechados e em transportes públicos. O não cumprimento pode ser considerado uma infração leve com multa de até 100 euros. Essa exigência também é feita em partes da França. Já em Portugal, o uso de máscara só é obrigatório em ambientes fechados.
Até mesmo na Holanda, que ganhou notoriedade por não recomendar o uso de máscaras, algumas regras estão em vigor. O uso é obrigatório no transporte público, por exemplo. A única exceção na Europa Ocidental é a Suécia, onde o uso de máscaras só é obrigatório em aeroportos internacionais.

Uso de máscaras no Brasil

No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda o uso de máscaras caseiras em locais onde pode haver aglomeração. “Pesquisas têm apontado que a utilização de máscaras caseiras impede a disseminação de gotículas expelidas do nariz ou da boca do usuário no ambiente, garantindo uma barreira física que vem auxiliando na mudança de comportamento da população e diminuição de casos”, diz nota técnica publicada em 4 de abril.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


22.05.2024 - 12h12
Enchentes no RS
Exército não montou tendas para atender equipe do Jornal Nacional no RS

Circula nas redes o trecho de podcast em que voluntários no RS afirmam que o Exército montou duas tendas para atender exclusivamente a equipe do Jornal Nacional. É falso. As tendas foram montadas para apoiar as vítimas das enchentes, e a imprensa apenas acompanhou o processo. Em vídeo, as voluntárias esclareceram o engano. 


Gabriela Soares
22.05.2024 - 11h42
Enchentes no RS
É falso que avião da Força Aérea dos EUA pousou no RS com toneladas de doações

Circula pelas redes sociais um vídeo afirmando que uma aeronave da Força Aérea dos EUA (USAF) pousou no Rio Grande do Sul com toneladas de donativos. É falso. O consulado americano e a embaixada dos Estados Unidos desmentiram o boato.


Gabriela Soares
21.05.2024 - 18h50
Rio Grande do Sul
Não é do RS vídeo viral de enchente que invade estrada; imagens são do Japão

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra carros desviando de uma enxurrada que alaga uma estrada e casas sendo levadas por uma inundação. A legenda afirma: “enchente capturada por câmera de segurança - RS”. É falso. A gravação não foi feita no Rio Grande do Sul, mas no Japão, em 2011, durante um tsunami registrado após um terremoto.

Evelyn Fagundes
21.05.2024 - 17h44
Rio Grande do Sul
É falso que ministro Paulo Pimenta não bebeu água de purificador enviado ao RS

Circula pelas redes sociais que o ministro Paulo Pimenta, da Secretaria de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, não bebeu a água filtrada por um dos purificadores enviados pelo governo federal ao Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo  omite o trecho no qual o ministro aparece de fato bebendo água.

Catiane Pereira
21.05.2024 - 14h39
Política
Falta contexto ao post sobre deputados gaúchos que votaram contra anistia da dívida do Estado

Post alega que sete deputados RS votaram contra uma emenda que anistiava as parcelas da dívida do Estado pelos próximos 36 meses. Falta contexto. Os parlamentares votaram contra duas emendas nesse sentido, mas votaram a favor do projeto que permitirá ao Estado direcionar cerca de R$ 11 bilhões para ações de reconstrução.

Maiquel Rosauro
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital