UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Bolsonaro descobriu R$ 600 bilhões ‘escondidos no Banco Central’
26.08.2020 - 16h23
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria descoberto uma conta de R$ 600 bilhões no Banco Central (BC). A publicação indica que o dinheiro estava escondido e o presidente teria pedido a transferência do valor para o Tesouro. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Presidente descobriu conta de R$ 600 bilhões no banco central, escondido dinheiro que ninguém sabia, porque guardava, e para onde iria esse dinheiro!!!! Coisa estranha!! Presidente ja pediu transferência para o tesouro, O que vcs acham! Parabéns! Presidente! (sic)
Texto publicado no Facebook que, até o dia 26 de agosto, tinha sido compartilhado por 165 pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Não há registro de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tenha descoberto uma conta com R$ 600 bilhões “escondidos” no Banco Central do Brasil (BC). No dia 16 de agosto, o ministro da Economia Paulo Guedes solicitou a transferência de R$ 400 bilhões, dos R$ 521 bilhões obtidos pelo BC em operações cambiais e ganhos com as reservas internacionais a partir da desvalorização do real em relação ao dólar americano.
Este valor, porém, não saiu de “uma conta escondida”. Ao contrário do que o nome sugere, o BC não é um banco comercial, e não tem contas de depósito. Na verdade, esse dinheiro sairia da chamada reserva de resultado, um fundo criado no ano passado no qual a autarquia deve depositar todo o lucro operacional na administração das reservas internacionais e outras operações de câmbio. Esse repasse é feito semestralmente.
No primeiro semestre de 2020, embora as reservas internacionais do Brasil tenham caído ligeiramente (de US$ 356,6 bilhões, no fim de dezembro, para US$ 348,8 bilhões, no início de outubro), o real se desvalorizou significativamente. Em 31 de dezembro de 2019, a cotação estava em R$ 4,02. Em 30 de junho de 2020, um dólar equivalia a R$ 5,44. Como as reservas internacionais estão em moeda estrangeira, o banco obteve lucro com essa e outras operações. Em junho, o BC tinha R$ 521 bilhões em sua reserva de resultado.
Pela legislação vigente, esse dinheiro deve ser mantido na reserva para compensar o banco em caso de uma valorização súbita do real, por exemplo. Contudo, caso haja “severas restrições nas condições de liquidez”, ele pode ser repassado à União para o pagamento da dívida pública. Baseado nisto, Guedes sugeriu a transferência de R$ 400 bilhões da reserva de resultado do BC.
Ainda que a decisão dependa exclusivamente do Conselho Monetário Nacional (CMN), o presidente do BC, Roberto Campos Neto, fez consulta ao Tribunal de Contas da União (TCU) para executar o repasse. O Ministério Público chegou a protocolar uma representação no TCU sugerindo risco de “pedalada fiscal” na transferência. A corte, contudo, autorizou a transação por entender que o cenário de pandemia da Covid-19 se configura como uma “severa restrição de liquidez”. O valor total do lucro disponível pelo BC poderia abater quase 10% da dívida pública do país.

Mudanças na legislação

Até 2019, o BC era obrigado a repassar para o Tesouro todo o lucro obtido com as reservas internacionais. O governo federal poderia utilizar estes recursos para executar despesas não primárias, incluindo a liquidação da dívida pública. Porém, caso o resultado da operação das reservas internacionais fosse prejuízo, o governo precisava emitir títulos para compensar a autarquia.
Em maio de 2019, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou a Lei 13.820, que criou a reserva de resultado. Desde então, ao invés de repassar o dinheiro, o BC deposita os ganhos contábeis nesta reserva. Caso haja prejuízo na operação, a instituição é ressarcida por essa mesma reserva.
Esta afirmação também foi verificada pelo Estadão Verifica.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 14h25
Mudanças Climáticas
É falso que o Sol é o principal fator responsável pelo aquecimento global

Post afirma que o aquecimento global está relacionado principalmente com as variações do Sol, e não seria causado prioritariamente pela atividade humana. É falso. Esse entendimento é contrário ao conhecimento científico sobre a origem humana das mudanças climáticas dos últimos anos, conforme atestam os informes do IPCC, da ONU.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 13h29
Segurança
É falso que Fernandinho Beira-Mar fugiu de presídio de segurança máxima em Mossoró

Post que circula pelas redes sociais afirma que Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, teria fugido junto com outros detentos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. É falso. Beira-Mar segue sob a custódia do Sistema Penitenciário Federal.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 12h55
Saúde
É falso que Lula ‘liberou’ o aborto em qualquer tempo gestacional no Brasil

Circula pelas redes sociais que o governo Lula teria liberado o aborto no Brasil em qualquer idade gestacional. É falso. O governo não  legalizou o aborto. Uma nota técnica do Ministério da Saúde de 28 de fevereiro revogou uma orientação de 2022, do governo Bolsonaro, que fixava um prazo para os procedimentos. Essa nota foi suspensa em 29 de fevereiro.

Carol Macário
01.03.2024 - 12h47
Política
Soldados queimados em vídeo são turcos, não israelenses mortos pelo Hamas

Post mostra um vídeo com soldados sendo queimados vivos. A legenda que acompanha a publicação diz que são israelenses assassinados pelo Hamas. É falso. O vídeo é antigo e circula desde 2016. O Estado Islâmico assumiu a autoria do ato contra soldados turcos

Maiquel Rosauro
01.03.2024 - 12h16
Política
Nota das Forças Armadas é antiga e trata de protestos em quartéis de 2022

 Circula nas redes o vídeo de uma reportagem sobre uma nota das Forças Armadas que menciona “o que vem acontecendo no Brasil”. A publicação dá a entender que o documento se refere a supostos “descaminhos autocráticos” do poder Judiciário. Falta Contexto. A notícia é de 2022 e foi tirada de contexto.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital