UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Sem provas, denúncia de ‘fraude’ nas eleições de 2018 foi analisada e rechaçada pelo TSE
08.10.2020 - 18h18
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que um advogado e um engenheiro protocolaram uma denúncia de fraude das eleições de 2018, mostrando que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria vencido no primeiro turno. Segundo o post compartilhado no Facebook, essa denúncia não teria sido contestada até o momento. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Fraude nas urnas! Advogado e engenheiro protocolaram denúncias de fraude nas eleições de 2018. Análises matemáticas tiradas de dados oficiais do TSE indicam vitória de Bolsonaro no 1º torno. Os dados são robustos e ainda não foram contestados”
Texto em imagem compartilhada no Facebook que, até às 19h do dia 7 de outubro de 2020, tinha sido compartilhado quase 600 pessoas
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A acusação de fraude no primeiro turno das eleições de 2018 apresentada pelo advogado Ricardo Freire e pelo engenheiro Vicente Paulo de Lima foi analisada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Contudo, os autores não apresentaram nenhuma prova ou indício concreto de que houve fraude. No documento eles fazem apenas suposições com base em dados veiculados pelo canal de televisão GloboNews no dia da votação.
Por causa disso, o tribunal decidiu não acatar a acusação. “Informo que todos os fatos relatados foram objeto de análise pela Secretaria de Tecnologia da Informação deste Tribunal e rechaçados”, disse o órgão. No documento, o tribunal apontou que os dados veiculados inicialmente não condiziam com a apuração em tempo real e que “as divergências percentuais apontadas na inicial são fruto de uma coleta de dados equivocada, causada pela falha da empresa contratada pelo TSE para distribuição dos dados.”
A tese da acusação é de que seria “matematicamente difícil” o então candidato à Presidência Jair Bolsonaro (então PSL) ter obtido apenas 46% dos votos no primeiro turno. Para justificar, o advogado e engenheiro citam os resultados mostrados pela GloboNews, da Rede Globo, no dia da votação. Na ocasião, a emissora estava mostrando, em tempo real, a apuração nas urnas nos estados brasileiros.
Segundo a acusação, Minas Gerais e São Paulo apareciam como “0% apurados” na primeira divulgação parcial dos dados de votação para presidente (que só começam depois que a votação é encerrada em todo o país, duas horas depois do encerramento da votação no Sudeste). Bolsonaro aparecia com 49,02%. Sendo assim, a tendência seria de que seu percentual de votos aumentasse, e não diminuísse, visto que ele fez mais de 50% dos votos nesses dois estados.
Contudo, nenhum desses dados foi fornecido pelo TSE, e sim retirados da transmissão ao vivo da GloboNews. Segundo o TSE, houve problemas técnicos durante a divulgação oficial dos resultados, por causa da sobrecarga do sistema. Sendo assim, “nem a Rede Globo, nem qualquer outra agência de notícias possuía dados com total coerência em tempo real”, segundo documento do próprio tribunal.
Em ofício, o TSE explicou que “a divulgação da evolução dos resultados não tem qualquer impacto no resultado final”. Explicou, também, que houve dificuldades técnicas nos estados de São Paulo e Minas Gerais no dia da votação, o que explica a maioria das supostas discrepâncias apontadas. “A dificuldade de acesso aos dados da Justiça Eleitoral foi reclamada por diversas agências de notícias, entre elas a Rede Globo e outras. Em documento remetido pela Rede Globo ao TSE, é possível observar que a emissora registra, às 18h43, que os dados referentes a São Paulo e Minas Gerais foram digitados manualmente”, diz o texto.
O TSE explicou também que ocorrência da falha técnica está relacionada com a empresa contratada para divulgação dos resultados das eleições. A infraestrutura da empresa não conseguiu suportar a quantidade de acessos realizados na plataforma, o que resultou em “instabilidades severas”.
Essa informação também foi verificada pelo Estadão Verifica e o Aos Fatos.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


21.02.2024 - 20h28
Segurança pública
Fuga de 17 presos no Piauí foi em penitenciária estadual, não federal

Vídeo aborda as fugas de presos no Piauí e em Rondônia. Segundo o post, esses acontecimentos teriam relação com o ministro Ricardo Lewandowski, uma vez que, ainda neste mês, dois detentos fugiram da Penitenciária de Mossoró. É falso. Ao contrário da unidade de Mossoró, que é federal, as prisões do Piauí e de Rondônia são de administração estadual.

Evelyn Fagundes
21.02.2024 - 16h42
Saúde
Repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal não tem eficácia contra dengue

Circula nas redes vídeo de um bombeiro ensinando uma receita de repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal para repelir o mosquito da dengue. Não há comprovação científica. Repelentes precisam ter o aval da Anvisa e seguir as orientações descritas na rotulagem do produto. Especialistas negam eficácia de repelentes caseiros

Ítalo Rômany
21.02.2024 - 14h50
Política
Vídeo em que deputado português chama Lula de ‘bandido’ é de 2023

Circula pelas redes um vídeo no qual o deputado português André Ventura chama o presidente Lula de "bandido". A legenda afirma que o discurso ocorreu “ontem”. É falso. A fala não é recente. O político de fato atacou o presidente brasileiro, mas a declaração foi dada em janeiro de 2023.

Catiane Pereira
21.02.2024 - 14h10
Eleições
É falso que urnas foram programadas para conceder vitória a Lula nas eleições de 2022

Vídeo afirma que urnas eletrônicas utilizadas no pleito eleitoral de 2022 continham um “algoritmo” que concederia uma margem de vitória ao então candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso. As urnas eletrônicas registram automaticamente todos os votos, e seu sistema não altera, adiciona e ou subtrai os votos dos eleitores.

Catiane Pereira
20.02.2024 - 16h47
Política
Paulo Pimenta não admitiu fraude ao dizer que Lula venceu eleição com 39% dos votos

Circula na internet um vídeo no qual o ministro-chefe da Secom, Paulo Pimenta, afirma que o presidente Lula ganhou as eleições de 2022 com 39% dos votos. Falta contexto. Pimenta considerou o universo total de eleitores, cálculo diferente do adotado pelo TSE, que exclui brancos, nulos e ausentes.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital