UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que vacina chinesa matou mais de 2 mil voluntários
21.10.2020 - 21h41
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais um texto sobre a Coronavac, vacina em desenvolvimento contra a Covid-19 produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac. O texto afirma que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), vai obrigar os paulistas a tomarem uma vacina que “matou mais de 2 mil pessoas” e que “altera o DNA”. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Na Inglaterra um jovem está tetraplégico [por causa da Coronavac]”
Texto compartilhado no Facebook que, até às 15h do dia 21 de outubro de 2020, tinha sido compartilhado mais de 300 pessoas no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Não houve a realização de testes da Coronavac na Inglaterra. As duas primeiras fases de testes foram realizadas na China, enquanto a terceira está sendo realizada no Brasil, na Indonésia e na Turquia, além da própria China. Segundo o Instituto Butantan, até o momento, não houve efeito adversos graves em voluntários que receberam a vacina.
Na Inglaterra, testes de outra vacina, que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford com o laboratório Astrazeneca, foram interrompidos após um voluntário apresentar sintomas de mielite transversa, um tipo de inflamação na espinha dorsal. Contudo, após análise do caso, os pesquisadores concluíram que os sintomas não estavam ligados à vacina, e os testes foram retomados. Não há registro de que o paciente tenha ficado tetraplégico.

“Na China dizem que houve 2.034 mortes de cobaias por efeitos adversos [da Coronavac]”
Texto compartilhado no Facebook que, até às 15h do dia 21 de outubro de 2020, tinha sido compartilhado mais de 300 pessoas no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A vacina Coronavac não causou a morte de 2.034 pessoas por “efeitos adversos”. Os resultados dos testes da primeira e segunda fase ainda não foram publicados em revistas científicas, mas algumas informações foram disponibilizadas no site da empresa. Segundo a companhia, não houve efeitos adversos graves em 743 voluntários dessas duas fases.
Em setembro, a Sinovac, responsável pelo desenvolvimento da vacina, anunciou resultados de testes da terceira fase, realizados com 50 mil voluntários na China. 5% dos voluntários apresentaram efeitos colaterais, mas em quase todos os casos foram dores no local de aplicação, febre baixa e fadiga. Em 0,03% dos casos, efeitos adversos mais graves foram registrados, como febre alta. Não houve registro de mortes ou sequelas permanentes.

“Essa será a primeira vacina da historia da humanidade a mexer com o nosso DNA”
Texto compartilhado no Facebook que, até às 15h do dia 21 de outubro de 2020, tinha sido compartilhado mais de 300 pessoas no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A vacina Coronavac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac, está sendo desenvolvida a partir do vírus inativado, uma técnica tradicional de imunização.
Em seu site, o Instituto Butantan detalha um pouco esse procedimento. Na produção da vacina, o vírus é inativado (“morto”) em laboratório por meio de um produto químico. Com a vacinação, o sistema imunológico da pessoa vacinada começa a reagir, produzindo mecanismos de defesa para o corpo.
O Butantan explica que um conjunto de células é armazenada no corpo e, quando a pessoa é exposta pela segunda vez, o organismo consegue liberar os anticorpos necessários para combater o patógeno. Essa é uma das técnicas mais antigas da produção de vacinas, e é usada em imunizantes amplamente utilizados contra HPV, poliomielite, tétano, hepatite A e B, por exemplo.
Além disso, não existe nenhuma vacina no mundo que altera o DNA das pessoas. O que existem são imunizações desenvolvidas a partir do material genético do vírus ou bactéria que causam a doença, e que não tem qualquer efeito sobre genes humanos. Essa técnica está sendo utilizada no desenvolvimento de algumas vacinas contra Covid-19, mas não pela Sinovac.
A Lupa já verificou outros posts que afirmam que as vacinas contra o novo coronavírus interferem no material genético (veja exemplos aqui, aqui e aqui).
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


21.02.2024 - 20h28
Segurança pública
Fuga de 17 presos no Piauí foi em penitenciária estadual, não federal

Vídeo aborda as fugas de presos no Piauí e em Rondônia. Segundo o post, esses acontecimentos teriam relação com o ministro Ricardo Lewandowski, uma vez que, ainda neste mês, dois detentos fugiram da Penitenciária de Mossoró. É falso. Ao contrário da unidade de Mossoró, que é federal, as prisões do Piauí e de Rondônia são de administração estadual.

Evelyn Fagundes
21.02.2024 - 16h42
Saúde
Repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal não tem eficácia contra dengue

Circula nas redes vídeo de um bombeiro ensinando uma receita de repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal para repelir o mosquito da dengue. Não há comprovação científica. Repelentes precisam ter o aval da Anvisa e seguir as orientações descritas na rotulagem do produto. Especialistas negam eficácia de repelentes caseiros

Ítalo Rômany
21.02.2024 - 14h50
Política
Vídeo em que deputado português chama Lula de ‘bandido’ é de 2023

Circula pelas redes um vídeo no qual o deputado português André Ventura chama o presidente Lula de "bandido". A legenda afirma que o discurso ocorreu “ontem”. É falso. A fala não é recente. O político de fato atacou o presidente brasileiro, mas a declaração foi dada em janeiro de 2023.

Catiane Pereira
21.02.2024 - 14h10
Eleições
É falso que urnas foram programadas para conceder vitória a Lula nas eleições de 2022

Vídeo afirma que urnas eletrônicas utilizadas no pleito eleitoral de 2022 continham um “algoritmo” que concederia uma margem de vitória ao então candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso. As urnas eletrônicas registram automaticamente todos os votos, e seu sistema não altera, adiciona e ou subtrai os votos dos eleitores.

Catiane Pereira
20.02.2024 - 16h47
Política
Paulo Pimenta não admitiu fraude ao dizer que Lula venceu eleição com 39% dos votos

Circula na internet um vídeo no qual o ministro-chefe da Secom, Paulo Pimenta, afirma que o presidente Lula ganhou as eleições de 2022 com 39% dos votos. Falta contexto. Pimenta considerou o universo total de eleitores, cálculo diferente do adotado pelo TSE, que exclui brancos, nulos e ausentes.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital