UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que vereadora de Palmas (TO) teve votos ‘roubados’ depois da apuração
18.11.2020 - 17h19
Rio de Janeiro - RJ
Circulam pelas redes sociais vídeos em que uma candidata a vereadora de Palmas, no Tocantins, afirma ter sofrido fraude nas eleições municipais no último dia 15. Segundo as publicações, a candidata Rose Ribeiro (Republicanos) teria tido 1.111 votos, conforme um print feito por ela mesma durante a apuração, e não 58 votos, como apontou o resultado final. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“A candidata a vereadora Rose Ribeiro afirma ter 1111 às 17:39 e após o apagão caiu para 58Alguém pode me dar uma explicação plausível para isso que aconteceu em Palmas?Abaixo segue vídeo da reclamação de alguns candidatos a vereadores”Legenda de vídeo publicado no Twitter que, até as 12h do dia 18 de novembro de 2020, tinha sido retuitado 1,4 mil vezes
Falso
A imagem analisada pela Lupa é uma montagem. A quantidade de votos que aparece no print feito pela candidata Rose Ribeiro, “1111”, difere do padrão dos outros números usados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na divulgação dos resultados das eleições. Pelo padrão do TSE, todos os numerais acima de mil levam um ponto (.) depois do algarismo de milhar. Nesse caso, o resultado apareceria “1.111”, com ponto depois do 1, e não “1111”, como mostra a imagem.
Esse padrão pode ser observado na lista completa de todos os candidatos à câmara de vereadores da cidade de Palmas. Marilon Barbosa (DEM), o mais votado, por exemplo, recebeu 2.953 votos (e não “2953”). O segundo colocado, Pedro Cardoso (DEM), 2.925. E assim por diante. Das 453 pessoas que concorreram, Rose Ribeiro ficou em 239ª lugar, com 58 votos.
Além disso, durante a apuração, o resultado era apresentado em ordem decrescente, ou seja, os candidatos com mais votos estavam no topo da lista, e não o contrário. Caso fosse verdadeiro o número citado por Rose Ribeiro, o nome dela não deveria aparecer abaixo dos candidatos que, naquele momento do print, tinham 303 e 118 votos, respectivamente. Após a conclusão da apuração, candidatos eleitos aparecem à frente de suplentes ou não eleitos mesmo quando receberam menos votos. Essa informação foi confirmada pelo TSE, via WhatsApp.
Outro indicador é a análise da imagem. Por meio da ferramenta ELA (Error Level Analysis), disponível em sites como o Foto Forensics e Forensically, é possível observar adulterações em imagens digitais. Na imagem apresentada pela candidata, a ferramenta identificou uma mudança de coloração na área onde constam os votos dos três candidatos que aparecem no print.
Ao comparar o trecho do documento onde estão os números dos candidatos Folha (Patriotas) e Muniz Jr do Itop (PL) ao de Rose Ribeiro, verifica-se que, no dela, há um aumento da coloração vermelha. De acordo com a análise da ferramenta, o print usado como prova de suposta fraude deveria apresentar a mesma coloração nos trechos que são semelhantes, ou seja, onde constam os números de votos.
Em nota, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Tocantins afirmou que não há como alterar os dados inseridos nas urnas eletrônicas. Também informou que, “para conferir a lisura do processo, basta comparar a soma dos resultados dos boletins de urna, impressos na frente dos fiscais de partidos, ainda na seção eleitoral, com os dados disponibilizados pelo sistema da Justiça Eleitoral”. Até o fechamento dessa checagem, porém, os boletins de urna digitais ainda não estavam disponíveis no site do TSE.
A reportagem procurou o diretório municipal do Republicanos em Palmas, mas o partido preferiu não comentar.
Esse conteúdo também foi checado pelo E-farsas.
Nota: ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital