UOL - O melhor conteúdo
Lupa
‘Investigação’ não comprovou que havia ‘antifas’ infiltrados em invasão ao Capitólio
07.01.2021 - 14h09
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais que “antifas” infiltrados teriam sido responsáveis pela invasão do Capitólio, edifício sede do Congresso dos Estados Unidos. Segundo o site Terça Livre, uma “investigação” mostrou que um dos invasores teria um símbolo supostamente ligado à esquerda tatuado na mão. Além disso, uma foto sua teria sido publicada num site chamado “Philly Antifas”. Outro invasor teria participado de um protesto do movimento Vidas Negras Importam, no Arizona.Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Após invasão ao Capitólio nesta quarta-feira (6/1), investigação certifica que pelo menos 2 Antifas estariam infiltrados na invasão ao Senado Americano”
Trecho de texto publicado pelo site Terça Livre que, até as 13h do dia 7 de janeiro de 2021, tinha sido compartilhado por mais de 100 pessoas no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Nenhuma das “evidências” apresentadas no texto comprova, ou mesmo indica, a existência de “antifas infiltrados” na invasão ao Capitólio, edifício que sedia o Congresso dos Estados Unidos. A “investigação” a que a publicação se refere tampouco é oficial, mas sim empreendida por usuários de redes sociais que compartilham suas pesquisas sobre o assunto.
Antifa é uma corruptela de “antifascista”. O termo é utilizado desde a década de 1930 para descrever grupos independentes que lutavam contra movimentos e estados fascistas. O primeiro deles foi o Ação Antifascista, que se opunha ao nazismo na Alemanha. Recentemente, o termo foi resgatado por militantes de esquerda de diferentes tendências.
A primeira evidência apresentada pelo site Terça Livre seria uma tatuagem na mão de um dos manifestantes, cuja identidade é desconhecida. Segundo a publicação a marca na mão esquerda do homem seria uma “tatuagem antifa”. O símbolo tatuado é, na verdade, a “Marca do Estranho”, do jogo eletrônico Dishonored. Neste game, lançado em 2012, o personagem principal, Corvo Attano, usa a marca para acessar poderes sobrenaturais.
Segundo o site Terça Livre, o mesmo manifestante apareceria em uma foto no site Philly Antifa, organização de esquerda de Philadephia, o que seria mais uma prova de sua relação com movimentos contrários a Trump. Mas isso não significa que ele faz parte dessa oposição. Pelo contrário: a foto é parte de uma publicação que denuncia atividades neonazistas. Apesar da semelhança física, não há confirmação de que o homem que aparece nas fotos do site Philly Antifa, identificado como Jason Tankersley, é o mesmo que estava na invasão ao Capitólio.
Outro suposto “infiltrado” seria Jake Angeli, que ganhou notoriedade por usar uma fantasia de “viking” durante a invasão do prédio do Congresso americano. Neste caso, a “evidência” defendida pelos usuários no Twitter seria o fato de que ele estava presente em um protesto do movimento Vidas Negras Importam na cidade de Tempe, no Arizona, em junho.
Angeli, de fato, estava no protesto, mas não como parte do grupo e sim provocando os manifestantes. A foto usada pelo site Terça Livre foi recortada digitalmente, o que escondeu um cartaz do movimento QAnon que o manifestante segurava na ocasião. O cartaz dizia “Q sent me” (“Q me enviou”). O QAnon é parte da extrema-direita norte-americana, e se formou a partir de teorias da conspiração que circulam no fórum anônimo 4Chan, postadas originalmente por um usuário incógnito que atende pelo apelido Q.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


27.05.2024 - 19h19
Rio Grande do Sul
É falso que vídeo mostre abertura de comportas no RS; imagens são antigas

Circula nas redes um vídeo mostrando o avanço de uma enxurrada. A legenda alega que funcionários abriram as comportas das barragens para causar a tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo é de 2023 e, segundo  a empresa administradora, a barragem não tem comportas que possam ser abertas.

Evelyn Fagundes
27.05.2024 - 17h13
Rio Grande do Sul
Não é do Rio Grande do Sul vídeo que mostra enxurrada invadindo casa. Imagens foram registradas em Goiás

Vídeo nas redes sociais mostra uma enxurrada invadindo o pátio de uma casa. A legenda que acompanha o post alega que as cenas foram gravadas no Rio Grande do Sul, estado que sofre as consequências de enchentes. É falso. Uma busca reversa revelou que as imagens foram registradas em Anápolis, município de Goiás, em novembro de 2021.

Maiquel Rosauro
27.05.2024 - 16h29
Justiça
Lei que impõe sigilo em casos de violência doméstica não beneficia filho de Lula acusado de agressão

Circula pelas redes sociais que uma lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) beneficia seu filho, Luís Cláudio Lula da Silva, acusado de agredir a ex-namorada. É falso. Publicações distorcem o objetivo da lei, que declara sigilo apenas sobre a identidade da vítima, não sobre o nome do agressor ou outros dados do processo.

Catiane Pereira
27.05.2024 - 14h45
Rio Grande do Sul
É falso que o governo Lula adquiriu “arroz de plástico chinês”

Vídeo mostra produção sintética de arroz. Segundo a legenda, esse seria o produto adquirido pelo Brasil para suprir o mercado. É falso. A Conab, responsável pela mediação e aquisição, afirma que se trata de desinformação. O edital de compra – que está suspenso – estabelece que o produto deve obedecer a diversos critérios de qualidade e segurança. 


Evelyn Fagundes
22.05.2024 - 12h12
Enchentes no RS
Exército não montou tendas para atender equipe do Jornal Nacional no RS

Circula nas redes o trecho de podcast em que voluntários no RS afirmam que o Exército montou duas tendas para atender exclusivamente a equipe do Jornal Nacional. É falso. As tendas foram montadas para apoiar as vítimas das enchentes, e a imprensa apenas acompanhou o processo. Em vídeo, as voluntárias esclareceram o engano. 


Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital