UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que filho de Lula comprou 20% das ações da Sinovac
26.01.2021 - 18h44
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que a Polícia Federal descobriu que a farmacêutica chinesa Sinovac Biontech Ltd teve 20% de suas ações compradas por um grupo de investidores brasileiros meses antes de assinar o acordo com o governo de São Paulo. O maior societário seria o filho do ex-presidente Lula, Fábio Luís Lula da Silva. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“Uma força tarefa da Polícia Federal, descobriu que a empresa farmacêutica Sinovac Biotech Ltd, meses antes de assinar um acordo com o governo do estado de SP, e o instituto Butantan, teve 20% das ações compradas por um grupo de investidores aqui do Brasil, grupo de investidores que o maior societário é Fábio Luís Lula da Silva ( filho do ex presidente corrupto Lula), esses 20% custaram 100 milhões de reais na época da compra, agora com a mídia em cima dessa vacina de eficácia dúvidosa esses 100 milhões se transformaram em 1,5 bilhões de reais”
Texto que circula no WhatsApp
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O filho do ex-presidente Lula, Fábio Luís Lula da Silva, não comprou 20% das ações da farmacêutica chinesa Sinovac — responsável pelo desenvolvimento da Coronavac, vacina contra o novo coronavírus que está sendo utilizada no Brasil. A acionista majoritária da Sinovac é a 1Globe Capital LLC, com 26% das ações da farmacêutica.
Logo em seguida aparece SAIF Advisors Ltd. (com 15,2% das ações) e o presidente da Sinovac Wei Dong Yin (com 8,94% das ações). Você pode conferir a lista dos acionistas da farmacêutica aqui. O filho do ex-presidente não é mencionado como um deles. Não há nenhuma empresa brasileira entre as 10 maiores acionistas da empresa.
O filho do ex-presidente Lula nem sequer teria como comprar ações da companhia nos meses que antecederam o acordo entre a farmacêutica chinesa e o Instituto Butantan. As ações da companhia, negociadas na Nasdaq, estavam congeladas desde fevereiro de 2019 por causa de uma disputa entre os sócios, ou seja, elas não podiam ser compradas e vendidas. Um acordo para encerrar a disputa foi celebrado em dezembro de 2020, mas as ações ainda não foram descongeladas.
A Sinovac e o Instituto Butantan assinaram, em junho de 2020, um acordo para produzir e testar a vacina Coronavac, contra a Covid-19, no Brasil. Após a conclusão dos testes, em 17 de janeiro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial do imunizante.
Essa informação também foi verificada pelo Boatos.org.
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


12.04.2024 - 17h28
Eleições
Musk não entregou aos EUA provas de interferência de Moraes nas eleições

Publicação nas redes sociais alega que Elon Musk entregou às autoridades dos Estados Unidos documentos evidenciando a interferência do ministro Alexandre de Moraes, do STF, nas eleições de 2022. É falso. Não há nenhum registro sobre o fato. Além disso, um especialista em Direito Constitucional afirma que tal ação não teria efeito prático no Brasil.

Maiquel Rosauro
12.04.2024 - 17h02
Política
É falso que Elon Musk conseguiu o impeachment de Alexandre de Moraes

Circula nas redes um vídeo do deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO), que estaria comemorando o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, após o empresário Elon Musk pedir o afastamento do magistrado. É falso. O vídeo mostra Gayer comemorando a aprovação da PEC que limita decisões monocráticas no STF.

Catiane Pereira
12.04.2024 - 16h16
STF
É de 2016 vídeo sobre ação da PF que cita Alexandre de Moraes; caso foi arquivado

Circula nas redes um vídeo que mostra que o nome do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes apareceu em documentos apreendidos pela PF de uma empresa investigada em esquema de fraude. Falta contexto. O vídeo é antigo, de 2016. Pagamentos à firma de Moraes foram para honorários advocatícios. O caso foi arquivado.

Ítalo Rômany
12.04.2024 - 15h13
Política
É falso que Moraes tenha ‘censurado’ o jornalista Augusto Nunes

Circula nas redes sociais um vídeo em que um homem alega que o jornalista Augusto Nunes teria sido censurado pelo Supremo Tribunal Federal em um processo liderado pelo ministro Alexandre de Moraes. É falso. A Suprema Corte negou que exista uma decisão desse gênero em vigor.


Evelyn Fagundes
12.04.2024 - 14h21
Política
É antigo vídeo no qual Cármen Lúcia fala sobre liberdade de expressão

Um vídeo no qual a vice-presidente do TSE, Cármen Lúcia, fala sobre ‘censura’ em uma sessão da corte circula com uma legenda que insinua que ela estaria se posicionando contra o ministro Alexandre de Moraes em sua disputa com o empresário Elon Musk. É falso. O vídeo é de 2022. A sessão do TSE tratou sobre desmonetização de canais no YouTube.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital