UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Bolívia não pagou por refinarias da Petrobras que foram nacionalizadas
17.02.2021 - 18h56
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que, em 2006, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deixou Evo Morales, então presidente da Bolívia, invadir as instalações da Petrobras naquele país e se apropriar delas, sem pagar por isso. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“[Evo Morales] invadiu as instalações da Petrobrás em seu país [Bolívia] (…)”
Trecho de post publicado no Facebook que, até as 13h de 17 de fevereiro de 2021, tinha mais de 47 mil compartilhamentos
Verdadeiro
A informação analisada pela Lupa é verdadeira. Em 1º de maio de 2006, no final do primeiro mandato de Lula, o então presidente da Bolívia, Evo Morales, nacionalizou toda a exploração de petróleo e gás no país e reativou a empresa Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB), que ficou responsável pela produção de hidrocarbonetos. Isso foi feito por meio do Decreto nº 28.701, batizado como “Héroes del Chaco”. Com isso, as empresas estrangeiras que faziam esse serviço, como a Petrobras, tiveram as suas instalações ocupadas por militares.
O controle dessas unidades teve de ser entregue à YPFB, mas a mudança não ocorreu de forma imediata. O decreto estabeleceu um prazo de 180 dias para que a situação fosse regularizada. A companhia brasileira tinha duas refinarias de petróleo no país e decidiu vendê-las. A transferência do controle de ambas para a YPFB só foi concluída em junho de 2007, após meses de negociações entre os dois países para a compra das instalações pela Bolívia.

“(…) e sem pagar nada ficou com a empresa.”
Trecho de post publicado no Facebook que, até as 13h de 17 de fevereiro de 2020, tinha mais de 47 mil compartilhamentos
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A Bolívia pagou uma indenização de US$ 112 milhões à Petrobras pela transferência das duas refinarias para a YPFB, depois de mais de um ano de negociação com o governo brasileiro. A estatal boliviana assumiu formalmente a posse das unidades depois de quitar a segunda e última parcela do pagamento, de US$ 56 milhões, em 26 de junho de 2007. A primeira parcela foi quitada 15 dias antes, em 11 de junho daquele ano.
Em um primeiro momento, em setembro de 2006, o governo boliviano afirmou que não pagaria nada pelas refinarias. A justificativa foi de que a Petrobras havia lucrado US$ 320 milhões acima do que a lei boliviana permitia. Quando adquiriu as duas unidades, em 1999, a companhia brasileira pagou US$ 102 milhões. Logo, o lucro obtido teria superado essa quantia. A Petrobras alegou que havia feito investimentos no país. As duas partes negociaram até chegarem à proposta de US$ 112 milhões, feita em maio de 2007, que acabou sendo aceita.
Uma versão similar dessa desinformação foi checada pela Lupa em fevereiro de 2020. Na época, circulou um tuíte falso atribuído ao ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmando que o PT havia doado uma “refinaria de gás” para a Bolívia.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


28.05.2024 - 17h27
Educação
É falso que PT está escondendo tablets doados por Bolsonaro a Niterói (RJ)

Circula nas redes um vídeo cuja legenda alega que um deputado descobriu em Niterói doações de tablets feitas por Bolsonaro e que o governo Lula estaria 'escondendo' os aparelhos para não entregar à população. É falso. Os tablets foram comprados com recursos próprios do município. A distribuição não ocorreu devido a determinação do TCE

Ítalo Rômany
27.05.2024 - 19h19
Rio Grande do Sul
É falso que vídeo mostre abertura de comportas no RS; imagens são antigas

Circula nas redes um vídeo mostrando o avanço de uma enxurrada. A legenda alega que funcionários abriram as comportas das barragens para causar a tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo é de 2023 e, segundo  a empresa administradora, a barragem não tem comportas que possam ser abertas.

Evelyn Fagundes
27.05.2024 - 17h13
Rio Grande do Sul
Não é do Rio Grande do Sul vídeo que mostra enxurrada invadindo casa. Imagens foram registradas em Goiás

Vídeo nas redes sociais mostra uma enxurrada invadindo o pátio de uma casa. A legenda que acompanha o post alega que as cenas foram gravadas no Rio Grande do Sul, estado que sofre as consequências de enchentes. É falso. Uma busca reversa revelou que as imagens foram registradas em Anápolis, município de Goiás, em novembro de 2021.

Maiquel Rosauro
27.05.2024 - 16h29
Justiça
Lei que impõe sigilo em casos de violência doméstica não beneficia filho de Lula acusado de agressão

Circula pelas redes sociais que uma lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) beneficia seu filho, Luís Cláudio Lula da Silva, acusado de agredir a ex-namorada. É falso. Publicações distorcem o objetivo da lei, que declara sigilo apenas sobre a identidade da vítima, não sobre o nome do agressor ou outros dados do processo.

Catiane Pereira
27.05.2024 - 14h45
Rio Grande do Sul
É falso que o governo Lula adquiriu “arroz de plástico chinês”

Vídeo mostra produção sintética de arroz. Segundo a legenda, esse seria o produto adquirido pelo Brasil para suprir o mercado. É falso. A Conab, responsável pela mediação e aquisição, afirma que se trata de desinformação. O edital de compra – que está suspenso – estabelece que o produto deve obedecer a diversos critérios de qualidade e segurança. 


Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital