UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Relatos de eventos adversos não provam que vacinas contra Covid-19 causaram cegueira no Reino Unido
23.02.2021 - 19h44
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que pelo menos cinco pessoas ficaram cegas no Reino Unido depois de tomarem vacinas contra a Covid-19. A publicação diz ainda que os imunizantes causaram problemas oculares em 600 pessoas. São citadas como supostas responsáveis pelos problemas as vacinas da Pfizer/BioNTech e da Universidade de Oxford/AstraZeneca, adotadas naquele país. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Vacinas Causam 600 Novos Casos De Doenças Oculares E Deixam 5 Pessoas Cegas, De Acordo Com O Governo Do Reino Unido”
Título de texto publicado pelo site ContraFatos que, até as 12h de 23 de fevereiro de 2021, tinha 190 compartilhamentos
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Os relatos sobre doenças oculares e cegueira após a vacinação do Reino Unido são preliminares e não devem ser interpretados como uma consequência da aplicação dos imunizantes. O alerta é feito pelo próprio governo britânico, no relatório que contabiliza esses e outros eventos adversos suspeitos. Os dados vêm de um sistema da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA, na sigla em inglês), os Yellow Cards (Cartões Amarelos, em português). “É, portanto, importante que as reações adversas suspeitas descritas neste relatório não sejam interpretadas como efeitos colaterais comprovados das vacinas de Covid-19”, diz o texto.
Equivalente à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) brasileira, a MHRA acompanha de perto a aplicação das vacinas contra Covid-19 no Reino Unido. O órgão encoraja todas as pessoas a relatarem qualquer problema identificado após a vacinação, mesmo se não forem profissionais de saúde. “Pedimos que qualquer suspeita seja informada, mesmo se o responsável pelo relato não tiver segurança de que foi causada pela vacina”, explica a MHRA, no site que traz todos os dados sobre os Cartões Amarelos recebidos desde o início da vacinação contra o novo coronavírus.
Trata-se, portanto, de uma informação inicial que será investigada. “Parte do nosso papel de monitoramento inclui revisar relatos de efeitos colaterais suspeitos”, diz a MHRA. “Alguns eventos poderiam ter ocorrido de qualquer forma, independentemente da vacinação. Isso acontece quando milhões de pessoas são vacinadas, e especialmente quando a maior parte das vacinas é aplicada nas pessoas mais idosas e nas pessoas que têm doenças subjacentes.”
De acordo com a versão mais recente do relatório da MHRA, que traz dados apurados entre 8 de dezembro de 2021 e 7 de fevereiro, foram aplicadas no Reino Unido 8 milhões de doses da vacina da Pfizer/BioNTech e 5 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca. A agência recebeu e analisou 24.207 Cartôes Amarelos sobre o imunizante da Pfizer/BioNTech, citando 70.314 reações suspeitas, e 20.428 referentes à Oxford/AstraZeneca, com 73.883 reações suspeitas.
A conclusão foi que a maioria dos problemas relatados refere-se a reações no local da aplicação e a sintomas generalizados similares aos de uma gripe, como dor de cabeça, calafrios, fadiga, náusea, febre, tontura, fraqueza, dores musculares e taquicardia. “Após o uso em larga escala dessas vacinas no Reino Unido, a maioria das reações adversas suspeitas até agora confirmam o perfil de segurança visto nos ensaios clínicos”, informa a MHRA no relatório. “Para os casos de outras condições médicas reportadas em associação temporal com a vacinação, a evidência disponível não sugere que a vacina tenha causado o evento.”
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 14h25
Mudanças Climáticas
É falso que o Sol é o principal fator responsável pelo aquecimento global

Post afirma que o aquecimento global está relacionado principalmente com as variações do Sol, e não seria causado prioritariamente pela atividade humana. É falso. Esse entendimento é contrário ao conhecimento científico sobre a origem humana das mudanças climáticas dos últimos anos, conforme atestam os informes do IPCC, da ONU.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 13h29
Segurança
É falso que Fernandinho Beira-Mar fugiu de presídio de segurança máxima em Mossoró

Post que circula pelas redes sociais afirma que Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, teria fugido junto com outros detentos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. É falso. Beira-Mar segue sob a custódia do Sistema Penitenciário Federal.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 12h55
Saúde
É falso que Lula ‘liberou’ o aborto em qualquer tempo gestacional no Brasil

Circula pelas redes sociais que o governo Lula teria liberado o aborto no Brasil em qualquer idade gestacional. É falso. O governo não  legalizou o aborto. Uma nota técnica do Ministério da Saúde de 28 de fevereiro revogou uma orientação de 2022, do governo Bolsonaro, que fixava um prazo para os procedimentos. Essa nota foi suspensa em 29 de fevereiro.

Carol Macário
01.03.2024 - 12h47
Política
Soldados queimados em vídeo são turcos, não israelenses mortos pelo Hamas

Post mostra um vídeo com soldados sendo queimados vivos. A legenda que acompanha a publicação diz que são israelenses assassinados pelo Hamas. É falso. O vídeo é antigo e circula desde 2016. O Estado Islâmico assumiu a autoria do ato contra soldados turcos

Maiquel Rosauro
01.03.2024 - 12h16
Política
Nota das Forças Armadas é antiga e trata de protestos em quartéis de 2022

 Circula nas redes o vídeo de uma reportagem sobre uma nota das Forças Armadas que menciona “o que vem acontecendo no Brasil”. A publicação dá a entender que o documento se refere a supostos “descaminhos autocráticos” do poder Judiciário. Falta Contexto. A notícia é de 2022 e foi tirada de contexto.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital