UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Post exagera ao dizer que ‘médicos europeus’ pedem uso urgente da ivermectina
18.03.2021 - 15h29
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que médicos europeus pediram o uso urgente da ivermectina para tratar a Covid-19. A imagem que acompanha o post é um trecho de uma reportagem veiculada pela emissora RedeTV!. Na cena, aparece o diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“MÉDICOS EUROPEUS PEDEM USO URGENTE DA IVERMECTINA”
Texto em post publicado no Facebook que, até as 17h do dia 17 de março de 2021, tinha sido compartilhado 302 vezes
Exagerado
A informação analisada pela Lupa é exagerada. Em Portugal — e não em toda a Europa —, um grupo de médicos pressionou órgãos públicos locais, como a Direção-Geral da Saúde (DGS) e a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed), para que avaliassem e recomendassem a ivermectina como tratamento da Covid-19. Entretanto, após análise feita pela Comissão de Avaliação de Medicamentos da Infarmed, a entidade alertou em 11 de março que não existem provas que assegurem a eficácia do antiparasitário como profilaxia ou tratamento do SARS-CoV-2.
A petição do grupo de médicos ganhou repercussão depois que o site local Expresso noticiou, em 5 de março, que profissionais de saúde portugueses estavam receitando o fármaco como tratamento da doença. Diferentemente do que sugere o conteúdo, esse movimento foi restrito a Portugal e não a toda a Europa. Além disso, a opinião sobre o medicamento é divergente entre a própria classe médica do país.
No Brasil, o assunto repercutiu por conta de uma matéria veiculada no canal RedeTV! em 11 de março. Embora a reportagem não tenha ouvido ninguém da OMS e apenas use imagens antigas de entrevistas do diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus como recurso de edição, uma cena congelada de Ghebreyesus com a legenda “Médicos europeus pedem uso urgente da ivermectina”, título da reportagem, viralizou nas redes sociais. Esse trecho acabou sendo interpretado de forma equivocada. No dia 15 de março, a emissora corrigiu a matéria, informando a decisão da autoridade portuguesa.
Como já mostrado pela Lupa, a última atualização da OMS acerca das opções terapêuticas contra a Covid-19 indica que ainda existem “incertezas sobre os benefícios e danos potenciais” do antiparasitário e que “mais pesquisas são necessárias” (pág. 10). O remédio, portanto, não é recomendado. Nos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA), agência federal de saúde norte-americana, não aprova a ivermectina para tratar a doença e ainda alerta que a ingestão de grandes doses é perigosa.
Procurada pela Lupa, a assessoria de imprensa da RedeTV! informou, por e-mail, que a reportagem exibida no dia 11 de março destacou, em dois momentos, a ausência de comprovação científica sobre a eficácia da ivermectina. Também afirmou que a matéria mencionou que a Infarmed, naquela ocasião, estava avaliando os pedidos de uso do remédio como tratamento precoce da doença.
Segundo a emissora, a correspondente Erika Abreu havia feito questionamentos ao órgão, mas não obteve retorno. “No dia em que a reportagem foi ao ar, a agência portuguesa declarou insuficiente a evidência para uso da substância através de sua página na internet. A posição foi atualizada no RedeTVNews da última segunda-feira, 15, juntamente com o parecer de outras agências reguladoras europeias também procuradas”, diz a nota.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


12.04.2024 - 17h28
Eleições
Musk não entregou aos EUA provas de interferência de Moraes nas eleições

Publicação nas redes sociais alega que Elon Musk entregou às autoridades dos Estados Unidos documentos evidenciando a interferência do ministro Alexandre de Moraes, do STF, nas eleições de 2022. É falso. Não há nenhum registro sobre o fato. Além disso, um especialista em Direito Constitucional afirma que tal ação não teria efeito prático no Brasil.

Maiquel Rosauro
12.04.2024 - 17h02
Política
É falso que Elon Musk conseguiu o impeachment de Alexandre de Moraes

Circula nas redes um vídeo do deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO), que estaria comemorando o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, após o empresário Elon Musk pedir o afastamento do magistrado. É falso. O vídeo mostra Gayer comemorando a aprovação da PEC que limita decisões monocráticas no STF.

Catiane Pereira
12.04.2024 - 16h16
STF
É de 2016 vídeo sobre ação da PF que cita Alexandre de Moraes; caso foi arquivado

Circula nas redes um vídeo que mostra que o nome do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes apareceu em documentos apreendidos pela PF de uma empresa investigada em esquema de fraude. Falta contexto. O vídeo é antigo, de 2016. Pagamentos à firma de Moraes foram para honorários advocatícios. O caso foi arquivado.

Ítalo Rômany
12.04.2024 - 15h13
Política
É falso que Moraes tenha ‘censurado’ o jornalista Augusto Nunes

Circula nas redes sociais um vídeo em que um homem alega que o jornalista Augusto Nunes teria sido censurado pelo Supremo Tribunal Federal em um processo liderado pelo ministro Alexandre de Moraes. É falso. A Suprema Corte negou que exista uma decisão desse gênero em vigor.


Evelyn Fagundes
12.04.2024 - 14h21
Política
É antigo vídeo no qual Cármen Lúcia fala sobre liberdade de expressão

Um vídeo no qual a vice-presidente do TSE, Cármen Lúcia, fala sobre ‘censura’ em uma sessão da corte circula com uma legenda que insinua que ela estaria se posicionando contra o ministro Alexandre de Moraes em sua disputa com o empresário Elon Musk. É falso. O vídeo é de 2022. A sessão do TSE tratou sobre desmonetização de canais no YouTube.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital