UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que celular de Adélio Bispo não foi periciado por autoridades
15.04.2021 - 15h55
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que o celular de Adélio Bispo de Oliveira, responsável pelo atentado contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em 2018, não teria sido periciado. O texto compartilhado no Facebook compara esse caso com a perícia que está sendo realizada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro na investigação da morte de Henry Borel Medeiros, de 4 anos, enteado do vereador do Rio de Janeiro Dr. Jairinho (sem partido). Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Se a perícia conseguiu extrair as conversas apagadas da babá do Henry, porque até hoje não foi periciado o celular do Adélio?”
Texto de imagem que, até às 16h do dia 15 de abril de 2021, tinha sido compartilhada por mais de 700 pessoas no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O sigilo de dados de Adélio Bispo foi quebrado pela Justiça no dia 8 de setembro de 2018, dois dias após a facada que feriu gravemente Jair Bolsonaro. A partir disso, a Polícia Federal realizou a perícia de quatro celulares e um notebook do agressor, rastreando ligações, mensagens e contatos de Adélio para entender a motivação do crime.
A PF abriu dois inquéritos para apurar as movimentações financeiras e as ligações telefônicas de Adélio. As duas investigações mostraram que ele agiu sozinho por discordar de posicionamentos e falas de Bolsonaro. Após a facada, surgiu a hipótese de um mandante do crime, porém essa suspeita foi descartada pelos agentes. No segundo inquérito, os agentes analisaram 2 terabytes de arquivos de imagens, 350 horas de vídeo, 600 documentos, 700 gigabytes de volume de dados de mídia e 1200 fotos para chegar aos resultados mencionados anteriormente.
O que, de fato, aconteceu foi a suspensão da quebra de sigilo do celular do advogado de Adélio, Zanone de Oliveira. Em fevereiro de 2019, o desembargador Néviton Guedes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), afirmou que a medida não era legítima, já que não existia suspeita de prática de crime realizada por Zanone. Segundo Guedes, o único fundamento para a invasão de privacidade do advogado seria entender como ocorreu sua contratação.
Um boato semelhante foi verificado pela Lupa em setembro do ano passado. Na ocasião, circulou pelas redes sociais que os sigilos telefônico e bancário de Adélio Bispo seriam “protegidos” pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A Lupa mostrou que essa informação era falsa.
O texto compartilhado no Facebook compara o atentado contra Bolsonaro com a morte de Henry Borel, de 4 anos. A Polícia Civil do Rio de Janeiro suspeita que o vereador Dr. Jairinho, seu padrasto, espancou Henry até a morte. A polícia investiga uma troca de mensagens por celular entre a mãe de Henry, Monique Medeiros da Costa Silva de Almeida, e a babá, na qual ela relata uma suposta sessão de tortura. Os prints relatando o abuso foram apagados, mas a polícia conseguiu ter acesso por meio de um software israelense. Atualmente, Monique e Jairinho estão presos.
Essa informação também foi verificada pelo Estadão Verifica.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


18.05.2024 - 16h51
Rio Grande do Sul
É falso que barragem da Usina 14 de Julho causou enchente no RS; vídeo é antigo

Vídeo que circula nas redes sociais afirma que a abertura de comportas das barragens do Rio das Antas e do Rio Carreiro teria resultado nas enchentes do Rio Grande do Sul. É falso. Trata-se de um vídeo antigo que não tem relação com as recentes enchentes. Além disso, as barragens citadas não têm capacidade de impactar nas cheias.


Evelyn Fagundes
18.05.2024 - 12h46
Rio Grande do Sul
Vídeo de resgate de criança por civis em enxurrada foi gravado na Turquia, não no RS

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra o resgate de duas pessoas em uma enchente. A legenda afirma se tratar do salvamento de duas crianças que ocorreu recentemente no Rio Grande do Sul. É falso. A gravação mostra o resgate de uma mulher e de uma criança em março de 2023 na Turquia.

Catiane Pereira
18.05.2024 - 09h46
Rio Grande do Sul
É falso que 2 mil corpos foram congelados em frigorífico de Canoas (RS)

Vídeo nas redes sociais alega que estão congelando corpos em câmaras frigoríficas no bairro Mathias Velho, em Canoas (RS). É falso. O Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul e a Prefeitura de Canoas desmentiram o boato. Além disso, o boletim da Defesa Civil, divulgado às 9h de sábado (18), aponta 22 óbitos em Canoas.

Catiane Pereira
17.05.2024 - 17h30
Rio Grande do Sul
É falso que foram destruídas doações para o RS mostradas em vídeo viral

Circula nas redes sociais um vídeo alegando que doações enviadas para o Rio Grande do Sul foram destruídas. É falso. Trata-se de um registro de 2023, em que donativos estavam sendo movidos por uma retroescavadeira para organizar o local. O conteúdo desinformativo ainda conta com outras narrativas falsas.


Evelyn Fagundes
16.05.2024 - 17h15
Rio Grande do Sul
É falso que lista com 53 nomes seja de crianças desacompanhadas em abrigo na Ulbra, em Canoas

Circula pelas redes sociais uma lista com supostos nomes de crianças sem seus responsáveis que estariam abrigadas no Campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS). É falso. Na verdade a lista traz os nomes de pessoas desabrigadas e que foram acolhidas em outro local, não de crianças desacompanhadas.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital