UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que condenado por desvio de R$ 3 milhões na Caixa é assessor econômico de Toffoli
14.05.2021 - 16h35
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais que Ítalo Colares de Araújo,  ex-gerente da Caixa Econômica Federal condenado a 14 anos de prisão por lavagem de dinheiro, seria “assessor de economia” do ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli. Por  WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“ESQUERDISTA GERENTE de uma das AGÊNCIAS da CEF de BRASÍLIA, autor do ROUBO de TRÊS MILHÕES de REAIS do FGTS, esteve FORAGIDO da JUSTIÇA por cerca de QUATRO ANOS. Pois BEM, NÃO está PRESO, mas TRABALHANDO como ASSESSOR de ECONOMIA do MINISTRO ANTONIO DIAS TOFFOLI, no SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF) ACORDA ELEITOR (A)”
_Texto que circula no WhatsApp
_
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Em outubro de 2013 uma reportagem do jornal O Globo revelou que o ex-gerente da Caixa Econômica Federal, Ítalo Colares de Araújo, condenado a 14 anos de prisão por lavagem de dinheiro, trabalhava como servidor concursado no Supremo Tribunal Federal (STF), apesar de ser procurado pela Justiça para notificação da sentença. Contudo, em nenhum momento ele ocupou cargo de assessor de Dias Toffoli, de acordo com a assessoria de comunicação da Corte. Atualmente, Ítalo é Analista Judiciário no Núcleo de Gerenciamento de Precendente, vinculada à Secretaria de Gestão de Precedente do STF. Trata-se de uma área que classifica recursos e publiciza os precedentes referentes à jurisprudência do Supremo
Araújo havia passado quatro anos apresentando endereços falsos à Justiça, de modo que não podia ser encontrado para ser notificado. Ele foi condenado em 2009 pelo desvio de R$ 3 milhões do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), na época em que foi gerente de uma agência da Caixa Econômica localizada no Lago Sul, em Brasília (DF). Segundo o Ministério Público Federal (MPF), entre 1998 e 1999, ele desviou valores do FGTS que deveriam ser entregues a clientes do banco, enviando os valores para contas da mãe, do irmão, da esposa, da filha e dos sogros. Inicialmente a fraude apontada era de R$ 6,5 milhões.
A sentença foi emitida pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara de Brasília, mas o processo se manteve parado enquanto Ítalo não era encontrado. Após reportagem do Globo identificando que batia ponto no STF, o magistrado expediu nova ordem de notificação e o servidor foi, então, formalmente notificado. A defesa do réu entrou com um recurso que, de acordo com a assessoria de comunicação do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, ainda não foi julgado.
Em 2000, Ítalo já havia sido condenado no mesmo caso por peculato, mas também recorreu do processo e contou com a demora na resolução. A decisão prescreveu em 2008.
Ainda em 2000, Araújo foi aprovado em concurso público no STF para o cargo de técnico judiciário. Em 2003, prestou novo concurso para o cargo de analista judiciário no mesmo órgão. De acordo com O Globo, apesar de ser procurado pela justiça, Ítalo chegou a atuar nos gabinetes do ministro Marco Aurélio de Mello e dos ex-ministros Maurício Corrêa e Eros Grau. Contudo, ele não teve passagem como assessor de Dias Toffoli. Em novembro de 2020, última data com informações disponíveis no portal do STF, Ítalo recebe R$ 19.689,52 de salário bruto e R$ 5.855,04 líquido.
Esta afirmação também foi checada pelo Estadão Verifica.
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


22.05.2024 - 12h12
Enchentes no RS
Exército não montou tendas para atender equipe do Jornal Nacional no RS

Circula nas redes o trecho de podcast em que voluntários no RS afirmam que o Exército montou duas tendas para atender exclusivamente a equipe do Jornal Nacional. É falso. As tendas foram montadas para apoiar as vítimas das enchentes, e a imprensa apenas acompanhou o processo. Em vídeo, as voluntárias esclareceram o engano. 


Gabriela Soares
22.05.2024 - 11h42
Enchentes no RS
É falso que avião da Força Aérea dos EUA pousou no RS com toneladas de doações

Circula pelas redes sociais um vídeo afirmando que uma aeronave da Força Aérea dos EUA (USAF) pousou no Rio Grande do Sul com toneladas de donativos. É falso. O consulado americano e a embaixada dos Estados Unidos desmentiram o boato.


Gabriela Soares
21.05.2024 - 18h50
Rio Grande do Sul
Não é do RS vídeo viral de enchente que invade estrada; imagens são do Japão

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra carros desviando de uma enxurrada que alaga uma estrada e casas sendo levadas por uma inundação. A legenda afirma: “enchente capturada por câmera de segurança - RS”. É falso. A gravação não foi feita no Rio Grande do Sul, mas no Japão, em 2011, durante um tsunami registrado após um terremoto.

Evelyn Fagundes
21.05.2024 - 17h44
Rio Grande do Sul
É falso que ministro Paulo Pimenta não bebeu água de purificador enviado ao RS

Circula pelas redes sociais que o ministro Paulo Pimenta, da Secretaria de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, não bebeu a água filtrada por um dos purificadores enviados pelo governo federal ao Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo  omite o trecho no qual o ministro aparece de fato bebendo água.

Catiane Pereira
21.05.2024 - 14h39
Política
Falta contexto ao post sobre deputados gaúchos que votaram contra anistia da dívida do Estado

Post alega que sete deputados RS votaram contra uma emenda que anistiava as parcelas da dívida do Estado pelos próximos 36 meses. Falta contexto. Os parlamentares votaram contra duas emendas nesse sentido, mas votaram a favor do projeto que permitirá ao Estado direcionar cerca de R$ 11 bilhões para ações de reconstrução.

Maiquel Rosauro
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital