UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que protocolo da Pfizer indica que vacina causa nascimento de ‘bebês defeituosos’
17.05.2021 - 13h19
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelo WhatsApp que a vacina desenvolvida pela Pfizer poderia resultar no nascimento de crianças com má formação. Essa informação está sendo baseada em uma interpretação de diretrizes divulgadas pela empresa em um protocolo.  Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“O extenso ocumento de protocolo clínico da vacina Pfizer (leia na íntegra aqui) em sua página 132, apêndice 4, informa que homens e mulheres vacinadas não devem ter relações heterossecuais desprotegidas até 28 dias devido ao “risco de segurança reprodutiva”, em outra palavras, você não pode fazer sexo com risco de ter um filho, pois crianças nascerão defeituosas devido a manipulação genética causada pela vacina da que usa o RNA mensageiro, caso da Pfizer. ”
Texto de imagem que circula pelo WhatsApp
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O protocolo clínico da vacina desenvolvida pela Pfizer não indica que o imunizante pode causar o nascimento de crianças com má formação. Na realidade, o documento apenas recomenda o uso de métodos contraceptivos para os voluntários com o objetivo de evitar uma gravidez não programada. Em nota, a assessoria de imprensa da Pfizer afirma que “em qualquer estudo clínico que não prevê a participação de população grávida, há recomendação para prevenção e sexo seguro”.
O professor da Faculdade de Medicina da USP, em Ribeirão Preto, e especialista em doenças infecciosas e tropicais, Valdes Roberto Bollela afirma que a resposta da Pfizer “faz sentido”. Segundo o especialista, em estudos que testam novos medicamentos e vacinas existe a preocupação de selecionar participantes cujo risco de complicação é menor. Por essa razão, gestantes e crianças, por exemplo, são excluídas.
Contudo, na medida que essa vacina vai se mostrando segura para os adultos já vacinados, é comum começar a discutir a vacinação para esses grupos específicos que anteriormente foram deixados de fora.
A vacina da Pfizer está sendo utilizada em 68 países, segundo o The New York Times. A empresa afirma que, até o momento, “não houve registro de casos de infertilidade, nascimento de crianças com alguma doença ou de problemas relacionados à reprodução entre os voluntários”. A Pfizer já iniciou um ensaio clínico para testar a eficácia da vacina em gestantes e, segundo dados do estudo preliminar, o imunizante é seguro para esse público.

Brasil

Na semana passada, o Ministério da Saúde decidiu limitar a vacinação de gestantes. Com essas novas diretrizes, apenas mulheres grávidas e puérperas com comorbidades podem receber as vacinas Coroanavac ou a da Pfizer. A vacinação utilizando a vacina da AstraZeneca foi interrompida temporariamente. Autoridades ainda estão investigando a morte de um grávida de 35 anos que tomou esse imunizante. Ainda não é possível afirmar se houve ou não relação causal entre a vacina e a morte.
Essa informação também foi analisada pelo Aos Fatos.
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


14.06.2024 - 18h04
Educação
Lula criticou acesso difícil ao dizer que ‘universidade foi feita para ricos, não para pobres’

Vídeo mostra trecho de discurso do presidente Lula afirmando que as universidades foram feitas para ricos, não para pobres. O post tem sido compartilhado como se o político criticasse as cotas para pessoas de baixa renda e quilombolas. Falta contexto. No pronunciamento, o presidente disse que as oportunidades de acesso ao ensino superior não são iguais para todos.

Evelyn Fagundes
14.06.2024 - 17h38
Política
Vereador do PT foi preso por posse irregular de arma, não por desviar doações no RS

Circula nas redes um post dizendo que um vereador de Palmares do Sul (RS), filiado ao PT, foi preso por desviar doações destinadas ao Rio Grande do Sul. É falso. O vereador Filipe Lang (PT), um dos alvos de uma operação da Polícia Civil, foi detido em flagrante, mas por posse irregular de arma de fogo. O parlamentar foi liberado após pagar fiança.

Ítalo Rômany
14.06.2024 - 11h04
Política
É falso que relatório de CPI provou que Lula premeditou atos de 8 de janeiro

Circula nas redes post afirmando que o presidente Lula tinha conhecimento dos atos golpistas de 8 de janeiro — e que, portanto, o petista premeditou o crime. A prova seria o relatório final da CPI dos Atos Antidemocráticos do DF. É falso. Em nenhum momento o texto associa o nome do petista aos ataques ou o coloca entre os indiciados pelo crime.

Ítalo Rômany
13.06.2024 - 19h52
Política
Lula não disse que “a borracha vai cantar” sobre professores em greve

Circula nas redes um vídeo que mostra uma imagem do presidente Lula fazendo um discurso. O post contém a seguinte frase: “Lula manda recado: professores acabem com essa greve, senão a borracha vai cantar”. É falso. A foto se refere a um pronunciamento feito no dia 10 deste mês, mas a fala presente na legenda do conteúdo não foi feita pelo político.


Evelyn Fagundes
13.06.2024 - 17h18
Segurança pública
É falso que lei federal exige guarnições para atender a população LGBT+

Vídeo mostra foto de uma viatura da polícia militar na cor lilás. Segundo o áudio do vídeo, uma lei federal determinou que esse tipo de veículo deveria ser adotado pelas polícias e forças armadas para o atendimento à população LGBT+. É falso. A imagem foi feita no Piauí e se refere aos veículos utilizados na patrulha de combate à violência contra a mulher.

Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital