UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Bolsonaro está construindo cidade de 4 mil habitantes no RN
18.05.2021 - 18h07
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais um texto acompanhado de um vídeo que registra a construção de Nova Barra de Santana, no Rio Grande do Norte. De acordo com a publicação, o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) seria o responsável pela construção da “cidade”, que receberia 4 mil moradores. A área da atual Barra de Santana será alagada pela barragem de Oiticica, que ainda está sendo feita. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Governo Bolsonaro constrói cidade para 4 mil habitantes no RN com tudo que tem direito”
Título de texto do site Terra Brasil Notícias que, até as 16h de 18 de maio de 2021, tinha 483 compartilhamentos no Facebook
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Embora tenha recursos federais, a obra de Nova Barra de Santana está sendo realizada pelo governo do Rio Grande do Norte, que também destinou recursos próprios para a execução. Não se trata de uma nova cidade, mas de uma comunidade rural, que pertence ao município de Jucurutu, localizado a 233 quilômetros da capital do estado, Natal. A área da antiga Barra de Santana será inundada pela barragem de Oiticica, quando estiver pronta. Além disso, o local não vai receber 4 mil moradores, mas 908 pessoas.
A assessoria de imprensa do governo afirmou, em nota, que o estado é responsável por uma contrapartida de 10% no valor global do investimento. “A construção da comunidade Nova Barra de Santana, no município de Jucurutu, prevê 186 unidades habitacionais para reassentamento das famílias, em regime de permuta, e que precisarão deixar os imóveis localizados em área futuramente alagada pela barragem de Oiticica, empreendimento hídrico em fase de execução. O governo do estado também constrói 41 casas para doação a inquilinos”, diz o texto. Serão beneficiadas 227 famílias no total.
O governo do estado afirma que 90,07% da comunidade está concluída e tem previsão de entrega no final de julho. A execução do serviço foi contratada em 2013, mas houve problemas no projeto. As falhas motivaram o Ministério Público Federal a entrar com uma ação civil pública, em 2018, contra o governo do estado e o consórcio responsável pela construção da comunidade. “Além dos vícios de construção, havia ainda a lentidão e recorrentes novos prazos, o que motivou a atual gestão a efetivar o destrato e contratar uma outra empresa para assegurar a retomada das obras e cumprir o cronograma pactuado”, afirmou a assessoria do governo do estado.
Diferentemente de Nova Barra de Santana, a barragem de Oiticica está sendo feita pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), órgão vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Regional. Quando alagada, formará um reservatório com o objetivo de tornar perene o rio Piranhas-Açu e reduzir o problema da seca na região do Seridó. A obra integra a transposição do rio São Francisco e foi incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em 2011, no primeiro ano de mandato da então presidente Dilma Rousseff (PT), mas acabou paralisada por irregularidades.
Parte do histórico da transferência de Barra de Santana para um novo local está registrado no Mapa de Conflitos envolvendo Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Segundo o texto, a comunidade é formada por agricultores familiares. Eles não se opunham à obra da barragem, mas queriam ter o direito de escolher o novo local onde morariam – o que acabou ocorrendo, segundo o governo do estado.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 14h25
Mudanças Climáticas
É falso que o Sol é o principal fator responsável pelo aquecimento global

Post afirma que o aquecimento global está relacionado principalmente com as variações do Sol, e não seria causado prioritariamente pela atividade humana. É falso. Esse entendimento é contrário ao conhecimento científico sobre a origem humana das mudanças climáticas dos últimos anos, conforme atestam os informes do IPCC, da ONU.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 13h29
Segurança
É falso que Fernandinho Beira-Mar fugiu de presídio de segurança máxima em Mossoró

Post que circula pelas redes sociais afirma que Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, teria fugido junto com outros detentos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. É falso. Beira-Mar segue sob a custódia do Sistema Penitenciário Federal.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 12h55
Saúde
É falso que Lula ‘liberou’ o aborto em qualquer tempo gestacional no Brasil

Circula pelas redes sociais que o governo Lula teria liberado o aborto no Brasil em qualquer idade gestacional. É falso. O governo não  legalizou o aborto. Uma nota técnica do Ministério da Saúde de 28 de fevereiro revogou uma orientação de 2022, do governo Bolsonaro, que fixava um prazo para os procedimentos. Essa nota foi suspensa em 29 de fevereiro.

Carol Macário
01.03.2024 - 12h47
Política
Soldados queimados em vídeo são turcos, não israelenses mortos pelo Hamas

Post mostra um vídeo com soldados sendo queimados vivos. A legenda que acompanha a publicação diz que são israelenses assassinados pelo Hamas. É falso. O vídeo é antigo e circula desde 2016. O Estado Islâmico assumiu a autoria do ato contra soldados turcos

Maiquel Rosauro
01.03.2024 - 12h16
Política
Nota das Forças Armadas é antiga e trata de protestos em quartéis de 2022

 Circula nas redes o vídeo de uma reportagem sobre uma nota das Forças Armadas que menciona “o que vem acontecendo no Brasil”. A publicação dá a entender que o documento se refere a supostos “descaminhos autocráticos” do poder Judiciário. Falta Contexto. A notícia é de 2022 e foi tirada de contexto.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital