UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Vídeo que fala sobre suposta fraude de urnas eletrônicas traz informações erradas sobre processo eleitoral
21.05.2021 - 20h26
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelo WhatsApp um vídeo que mostra um homem narrando um suposto esquema de fraude de urnas eletrônicas que teria sido organizado pela União das Repúblicas Socialistas da América Latina (Ursal). A organização teria escrito em um post no Facebook que iria comprometer urnas que favorecessem o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Com isso, o equipamento apresentaria problemas durante a votação e teria que ser descartado, anulando os votos da seção. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“Essa daqui é a página da Ursal, União das Repúblicas Socialistas da América Latina. Vocês podem pesquisar aqui. Eu tô no Facebook. Olha o que acabou de sair, 53 minutos atrás. Pode entrar aí no seu Facebook. Entra aqui nessa página para você ver, dar uma olhadinha nesse post deles aqui (…)”
Vídeo que circula pelo WhatsApp
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A página mencionada no vídeo não é um portal oficial da “União das Repúblicas Socialistas da América Latina”, ou Ursal, uma vez que essa organização não existe. O termo foi cunhado pela socióloga Maria Lúcia Victor Barbosa em texto de opinião publicado no jornal Folha de Londrina, em 2001, e se referia a uma entidade explicitamente hipotética.
No texto, intitulado “Os Companheiros”, ela criticava discurso de Luiz Inácio Lula da Silva, então pré-candidato à presidência da República, sobre a Área de Livre Comércio das Américas (Alca) — projeto de bloco econômico que não se concretizou. Em um trecho do texto, ao falar sobre a suposta ameaça à “integração latino-americana” citada por Lula, ela escreveu o seguinte: “Mas qual seria, me pergunto, essa tal integração no modelo Castro-Chávez-Lula? Quem sabe, a criação da União das Republiquetas Socialistas da América Latina (URSAL)?”
Anos depois, o termo começou a ser usado na internet como parte de teorias da conspiração. Em 2018, o termo viralizou quando o então candidato à presidência Cabo Daciolo (Patriota) citou a “entidade” em um debate, como se fosse algo real. Depois disso, várias páginas foram criadas em redes sociais para “homenagear” a Ursal, de forma satírica.

“(…) O que fazemos é deixar parte do código com erros propositais para as urnas de localidade que o Bolsonaro tem mais votos terem problema, então terem que ser substituídas, anulando todos os votos daquela seção (…)”
Vídeo que circula pelo WhatsApp
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo compartilhado no WhatsApp começou a circular durante as eleições de 2018 e foi desmentido na época pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG). Segundo as autoridades, o software da urna é desenvolvido pelo TSE e assinado digitalmente, não podendo ser alterado após sua instalação, o que impossibilita a inserção de um “código” com erros propositais.
O homem no vídeo afirma ainda que uma urna que apresente um defeito é descartada, anulando os votos já inseridos. Essa informação também é falsa. As urnas eletrônicas têm duas memórias – uma interna e outra externa – e todos os votos são registrados nas duas partes. Caso tenha algum problema, a memória externa é retirada e inserida em uma nova urna que não estava sendo utilizada. Por essa razão, os dados que já tinham sido gravados não se perdem.

“(…) Depois fizemos uma exaustiva campanha para colocar, principalmente onde o Bolsonaro é mais forte, diversos mesários comprometidos com a URSAL (…)”
Vídeo que circula pelo WhatsApp
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Diferente do que o vídeo indica, o processo de seleção de mesários não é comandado por nenhuma organização. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais, o Código Eleitoral determina que os voluntários para essa função sejam nomeados 60 dias antes das eleições, sendo escolhidos entre os eleitores da própria seção. Existe ainda o projeto Mesário Voluntário, no qual pessoas podem pedir para realizar essa atividade durante as eleições. Partidos políticos e coligações podem questionar a nomeação de mesários, caso achem que eles estejam “comprometidos”. Durante a votação, fiscais partidários podem também acionar a Justiça Eleitoral se encontrarem algum mesário comprometendo a votação de alguma forma.
Nesta semana, a Lupa identificou outros dois boatos que falavam sobre fraude em urnas eletrônicas circulando pelas redes sociais (veja aqui e aqui). Um deles falava que o Brasil é o único país que utiliza urnas eletrônicas sem voto impresso, o que não é verdadeiro.
O vídeo circula desde 2018 e, na época, foi verificado pelo Projeto Comprova e pelo Boatos.org.
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


22.05.2024 - 12h12
Enchentes no RS
Exército não montou tendas para atender equipe do Jornal Nacional no RS

Circula nas redes o trecho de podcast em que voluntários no RS afirmam que o Exército montou duas tendas para atender exclusivamente a equipe do Jornal Nacional. É falso. As tendas foram montadas para apoiar as vítimas das enchentes, e a imprensa apenas acompanhou o processo. Em vídeo, as voluntárias esclareceram o engano. 


Gabriela Soares
22.05.2024 - 11h42
Enchentes no RS
É falso que avião da Força Aérea dos EUA pousou no RS com toneladas de doações

Circula pelas redes sociais um vídeo afirmando que uma aeronave da Força Aérea dos EUA (USAF) pousou no Rio Grande do Sul com toneladas de donativos. É falso. O consulado americano e a embaixada dos Estados Unidos desmentiram o boato.


Gabriela Soares
21.05.2024 - 18h50
Rio Grande do Sul
Não é do RS vídeo viral de enchente que invade estrada; imagens são do Japão

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra carros desviando de uma enxurrada que alaga uma estrada e casas sendo levadas por uma inundação. A legenda afirma: “enchente capturada por câmera de segurança - RS”. É falso. A gravação não foi feita no Rio Grande do Sul, mas no Japão, em 2011, durante um tsunami registrado após um terremoto.

Evelyn Fagundes
21.05.2024 - 17h44
Rio Grande do Sul
É falso que ministro Paulo Pimenta não bebeu água de purificador enviado ao RS

Circula pelas redes sociais que o ministro Paulo Pimenta, da Secretaria de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, não bebeu a água filtrada por um dos purificadores enviados pelo governo federal ao Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo  omite o trecho no qual o ministro aparece de fato bebendo água.

Catiane Pereira
21.05.2024 - 14h39
Política
Falta contexto ao post sobre deputados gaúchos que votaram contra anistia da dívida do Estado

Post alega que sete deputados RS votaram contra uma emenda que anistiava as parcelas da dívida do Estado pelos próximos 36 meses. Falta contexto. Os parlamentares votaram contra duas emendas nesse sentido, mas votaram a favor do projeto que permitirá ao Estado direcionar cerca de R$ 11 bilhões para ações de reconstrução.

Maiquel Rosauro
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital