UOL - O melhor conteúdo
Lupa
IPCC x IPCC: como o consenso científico sobre o clima evoluiu em 30 anos
11.08.2021 - 16h03
Rio de Janeiro - RJ
Quatorze anos após ganhar o Prêmio Nobel da Paz, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) voltou às manchetes por alertar a humanidade sobre a emergência climática. Na última segunda-feira (9/8), o comitê de cientistas da ONU publicou o sumário executivo de seu sexto relatório, o AR6, no qual afirma que a influência humana no clima é “inequívoca”.
Esse adjetivo culmina uma trajetória de 30 anos de avanços no consenso científico sobre as causas e os efeitos do aquecimento da Terra. E coroa a consolidação de tal consenso com um número inédito: pela primeira vez, a influência humana na elevação da temperatura do planeta pôde ser estimada, e ela é alta. Segundo o novo relatório, atividades humanas como a queima de combustíveis fósseis e o desmatamento provavelmente causaram nada menos que 98% do aquecimento global observado.
O Fakebook.eco fez uma comparação entre os sumários dos seis grandes relatórios de avaliação publicados pelo IPCC desde 1990. Procurou-se entender como mudou o entendimento do painel sobre oito temas: se o aquecimento global é real ou não, se a humanidade influencia ou não esse processo, quanto de aquecimento teríamos caso o nível de gás carbônico na atmosfera duplicasse (a chamada “sensibilidade climática”, o parâmetro básico para os modelos de previsão de clima), as projeções de temperatura, de nível do mar, de degelo, de furacões e de eventos potencialmente cataclísmicos, os chamados “tipping points” planetários.
Essa “arqueologia” no IPCC revela duas coisas: primeiro, que os cientistas sempre souberam qual era o problema, mas nunca fizeram nenhuma declaração sem ter um conjunto forte de evidências sobre a mesa. Segundo, que as evidências avaliadas pelo painel ficaram mais robustas com o passar do tempo. Essa é a principal marca de solidez num consenso científico. Se, como alegam os negacionistas, o aquecimento global fosse uma “fraude” ou uma ilusão coletiva, três décadas de literatura científica acumulada mostrariam previsões que não se concretizaram.
O que aconteceu na maior parte dos casos, na verdade, foi que o IPCC subestimou tendências, pela necessidade, inerente ao seu papel, de apresentar sempre a visão mais consensual – e conservadora – da ciência.
Em 1990, por exemplo, o painel dizia que havia um aquecimento global detectável, mas que ele ainda era consistente com a variabilidade natural do clima da Terra. E previa que apenas em dez anos seria possível detectar um aquecimento observável consistente com interferência humana. Não precisou esperar tanto: em 1995, em seu Segundo Relatório de Avaliação, o IPCC já dizia que havia uma influência humana “discernível” no clima. A expressão causou fúria do lobby da indústria, que acusou o IPCC de “desonestidade”, numa crise que quase pôs a perder o Protocolo de Kyoto, o tratado climático que seria adotado dois anos depois.
Em 2007, a influência humana como fator predominante no aquecimento global já era “muito provável”, ou seja, 90% de chance ou mais, segundo a linguagem estatística do IPCC. Em 2013, no Quinto Relatório de Avaliação, ela era considerada “extremamente provável” (95% de chance ou mais), para enfim ser qualificada como “inequívoca” no AR6.
Em outro caso, o painel subestimou em 2007 o declínio do gelo marinho no Ártico, projetando para os anos 2000 uma redução cerca de 30% menor do que a observada. No caso da elevação do nível do mar, o Primeiro Relatório de Avaliação (FAR) afirmava em 1990 que ela poderia ser de 20 cm em 2030. Também chegamos lá antes disso, em 2013.
No quarto relatório (AR4), as previsões de nível do mar para o futuro foram jogadas para baixo mesmo diante de evidências de degelo recorde na Groenlândia nos anos anteriores, porque os processos que levavam a esse degelo ainda não eram plenamente conhecidos. Ainda no AR4, a morte em massa de corais na Austrália era prevista para a década de 2030 – ela ocorreu 14 anos antes, em 2016.
Em parceria com a Lupa, o Fakebook.eco preparou um gráfico mostrando como as principais mudanças se deram ao longo do tempo. Confira (clique aqui para ver o gráfico na resolução completa):
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Explicador
Conteúdo que explica assuntos que são alvo de ondas desinformativas nas redes sociais.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


29.02.2024 - 17h41
Eleições
Entenda as novas regras do TSE para IA e deepfake nas eleições de 2024

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, em 27 de fevereiro, 12 novas resoluções para o pleito de 2024, que incluem a proibição do uso de deepfake na campanha eleitoral e restrições ao uso de inteligência artificial nas propagandas, que precisarão ter um rótulo informando sobre o uso da tecnologia. Confira as principais novidades da eleição.

Maiquel Rosauro
09.02.2024 - 14h15
Saúde
A vacina contra Covid é obrigatória para crianças? Entenda o que diz a lei

A vacinação de crianças de seis meses a menores de 5 anos contra Covid-19 é obrigatória no Brasil desde o início de 2024. Todavia, os pais não são forçados a imunizar seus filhos e crianças não vacinadas não podem ser impedidas de frequentar instituições de ensino. Entenda como funciona a obrigatoriedade da vacinação de crianças no Brasil

Maiquel Rosauro
05.12.2023 - 08h00
Justiça
Lei Maria da Penha: entenda como a lei protege mulheres de violência doméstica

Lei de 2006 cria uma estrutura de atendimento e proteção às vítimas de violência doméstica. Entre os serviços oferecidos, está assistência jurídica e médica, além de medidas protetivas para afastar o agressor. A Lupa conversou com especialistas em Direito da Mulher para entender quais são as garantias e os pontos principais da Lei Maria da Penha.

Evelyn Fagundes
27.11.2023 - 13h30
Eleições
Entenda como funciona o teste de segurança das urnas eletrônicas feito pelo TSE

O Teste Público de Segurança (TPS), realizado pelo TSE, é uma das principais etapas de verificação da segurança das urnas eletrônicas. Na edição deste ano, realizada a partir desta segunda-feira, o TPS traz novidades como o teste dos modelos de urna UE2020 e UE2022. Entenda o que é o TPS e como são feitos os testes durante o evento.

Bruno Nomura
23.11.2023 - 12h46
Crime
Como a lei brasileira pune o uso de IA para gerar nudes ou pornô fakes

O uso de apps para criar imagens geradas por Inteligência Artificial tem ultrapassado os limites, ao permitir a manipulação de registros com nudes falsos e vídeos pornôs. A Lupa fez um levantamento dos principais artigos do Código Penal que podem tipificar o crime de manipulação de imagens e dos projetos de leis em tramitação que tratam do tema

Iara Diniz
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital