UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Zé Vaqueiro falou ‘fora Bolsonaro’ em show e foi vaiado
28.09.2021 - 15h46
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais que o cantor Zé Vaqueiro teria falado “fora Bolsonaro” durante um show, foi supostamente vaiado e o público jogou lixo no palco. A publicação também diz que, por isso, o artista perdeu mais de 100 mil seguidores no Instagram. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:
“Zé vaqueiro falou fora Bolsonaro, o povo mandou ele Tnc. Jogaram latas de cervejas e lixo no palco, no dia seguinte, ele perdeu mais de 100 mil seguidores no Instagram e continua perdendo. ”
_Legenda de vídeo publicado no Facebook que, até 15h do dia 28 de setembro de 2021, havia sido compartilhado por x mil pessoas
_
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. A cena em que fãs gritam “fora” aconteceu durante um show do cantor Zé Vaqueiro em Abaetetuba (PA) no dia 18 de setembro, mas as vaias não foram direcionadas ao artista. Na ocasião houve um princípio de briga entre pessoas da plateia, e o cantor parou o show diversas vezes para apaziguar o conflito. Em uma delas, os participantes pediram a saída de um dos fãs que estava causando o tumulto, e não a de Vaqueiro.
A assessoria de imprensa do cantor informou que em nenhum momento Zé Vaqueiro fez referência a Bolsonaro durante o show. “As vaias foram direcionadas aos rapazes que estavam brigando no meio do público. Zé Vaqueiro interrompeu  o show, e alertou os seguranças sobre a briga e o perigo de ferir outras pessoas”, afirmou, em nota.
A situação foi filmada por diversas pessoas e publicada nas redes sociais, sempre com a legenda informando que o cantor interrompeu o show por conta de uma briga. Em todas, é possível perceber que se trata do show em Abaetetuba, já que há a coincidência de data, formação do palco e roupa do músico.
Na primeira ocasião, Vaqueiro diz: “A gente está começando agora, galera, uma vaia para essa galera aí, por favor”, como visto aqui. Depois, o cantor interrompeu a música mais uma vez e reclamou com o fã que ainda tumultuava, como visto neste vídeo. “Ele de novo, está machucando o pessoal aqui, tem vergonha não?”, afirmou. Vaqueiro ainda pergunta para a plateia: “Eu paro ou continuou?”. O público pede a continuação do show.
Já o vídeo usado na peça de desinformação foi originalmente compartilhado na rede social Kwai, como visto pela marca d’água, e é possível encontrar uma versão dele circulando no aplicativo. Nele, os fãs gritam “fora” enquanto Zé Vaqueiro aguarda no palco. A mesma situação foi gravada por outro fã, de outro ponto de vista, com a legenda “e o Zé Vaqueiro que parou o show para ver as mulheres da minha cidade brigar”. Nesta gravação, é possível ouvir os mesmos gritos da plateia e a mesma cena retratada na peça de desinformação. Em nenhum momento o público se revolta contra o cantor.
Também é falso que Zé Vaqueiro tenha perdido 100 mil seguidores no Instagram por conta do ocorrido. Por meio da plataforma Social Blade é possível identificar que entre os dias 18 e 21 de setembro, o cantor ganhou ao menos 20 mil seguidores.
Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


28.05.2024 - 17h27
Educação
É falso que PT está escondendo tablets doados por Bolsonaro a Niterói (RJ)

Circula nas redes um vídeo cuja legenda alega que um deputado descobriu em Niterói doações de tablets feitas por Bolsonaro e que o governo Lula estaria 'escondendo' os aparelhos para não entregar à população. É falso. Os tablets foram comprados com recursos próprios do município. A distribuição não ocorreu devido a determinação do TCE

Ítalo Rômany
27.05.2024 - 19h19
Rio Grande do Sul
É falso que vídeo mostre abertura de comportas no RS; imagens são antigas

Circula nas redes um vídeo mostrando o avanço de uma enxurrada. A legenda alega que funcionários abriram as comportas das barragens para causar a tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul. É falso. O vídeo é de 2023 e, segundo  a empresa administradora, a barragem não tem comportas que possam ser abertas.

Evelyn Fagundes
27.05.2024 - 17h13
Rio Grande do Sul
Não é do Rio Grande do Sul vídeo que mostra enxurrada invadindo casa. Imagens foram registradas em Goiás

Vídeo nas redes sociais mostra uma enxurrada invadindo o pátio de uma casa. A legenda que acompanha o post alega que as cenas foram gravadas no Rio Grande do Sul, estado que sofre as consequências de enchentes. É falso. Uma busca reversa revelou que as imagens foram registradas em Anápolis, município de Goiás, em novembro de 2021.

Maiquel Rosauro
27.05.2024 - 16h29
Justiça
Lei que impõe sigilo em casos de violência doméstica não beneficia filho de Lula acusado de agressão

Circula pelas redes sociais que uma lei sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) beneficia seu filho, Luís Cláudio Lula da Silva, acusado de agredir a ex-namorada. É falso. Publicações distorcem o objetivo da lei, que declara sigilo apenas sobre a identidade da vítima, não sobre o nome do agressor ou outros dados do processo.

Catiane Pereira
27.05.2024 - 14h45
Rio Grande do Sul
É falso que o governo Lula adquiriu “arroz de plástico chinês”

Vídeo mostra produção sintética de arroz. Segundo a legenda, esse seria o produto adquirido pelo Brasil para suprir o mercado. É falso. A Conab, responsável pela mediação e aquisição, afirma que se trata de desinformação. O edital de compra – que está suspenso – estabelece que o produto deve obedecer a diversos critérios de qualidade e segurança. 


Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital