UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Ministério da Ciência participou do desenvolvimento de bateria de nióbio
27.10.2021 - 15h40
Rio de Janeiro - RJ
Circula em correntes de WhatsApp um vídeo no qual a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) afirma que a primeira bateria de nióbio do mundo é feita com tecnologia brasileira. Na gravação, a parlamentar apresenta três homens, que, segundo ela, são os criadores da bateria. Na sequência parabeniza o trio pela iniciativa e, ao final, afirma que a criação do equipamento é um trabalho feito em conjunto com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“Oi pessoal, tudo bem? Estou aqui com o Ricardo, o Leonardo e Rogério, criadores da primeira bateria de nióbio. 6 minutos de recarga, pode ter autonomia de 300 km, 15 anos de duração. É a primeira do mundo feita com tecnologia brasileira. Queria parabenizar vocês. Parabéns, trabalho do Ministério da Ciência e Tecnologia com eles.”
– Conteúdo de vídeo que circula em correntes de WhatsApp
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. Embora esteja em desenvolvimento uma bateria feita a base de nióbio, a tecnologia não é totalmente brasileira. Diferentemente do que afirma a deputada Carla Zambelli no vídeo, a iniciativa não teve e não tem qualquer participação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações ou do governo federal. O desenvolvimento desses equipamentos é fruto de uma parceria iniciada em 2018, portanto antes da gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), entre a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), uma empresa privada, e a japonesa Toshiba. Os três executivos que aparecem na filmagem são da CBMM. Na ocasião, eles participavam da 1ª Feira Brasileira do Nióbio, realizada em Campinas no começo de outubro.
Em setembro de 2021, a CBMM fez nova parceria, dessa vez com a Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO), para que a montadora seja a primeira do mundo a testar as baterias produzidas junto à Toshiba.
A assessoria de imprensa da CBMM informou que não há qualquer envolvimento do ministério ou do governo brasileiro em ambos os projetos — Toshiba e VWCO. Por e-mail, a montadora também confirmou que a parceria não tem nenhum aporte do governo. A Lupa entrou em contato com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações no dia 15 de outubro para saber se houve algum apoio e como foi o trabalho da pasta com essas iniciativas, conforme foi citado pela parlamentar na gravação. A assessoria de imprensa da pasta chegou a informar que estava apurando internamente, mas até a publicação desta checagem, não enviou resposta.
O acordo entre a brasileira CBMM e a japonesa Toshiba foi assinado em junho de 2018. Na época, foram investidos US$ 7,2 milhões para a construção de uma linha de produção piloto. Nos últimos três anos, profissionais das duas empresas estiveram envolvidos no desenvolvimento de baterias que usam lítio, nióbio e titânio. Segundo informou a CBMM, esse tipo de bateria é mais seguro, durável e pode ser recarregado rapidamente.
Já a parceria entre a VWCO e a CBMM tem o objetivo de desenvolver e aplicar a tecnologia que vem sendo desenvolvida há alguns anos. O acordo entre essas duas empresas brasileiras não teve participação ou mediação do governo. A assessoria de imprensa da montadora ressaltou que nada ainda foi lançado. O acordo de cooperação foi assinado em setembro e os próximos passos serão receber as baterias e instalá-las num protótipo. Os primeiros testes estão previstos para 2022.
O nióbio é um metal com várias aplicações industriais e costuma ser exaltado pelo presidente Bolsonaro. O Brasil é o país que concentra a maior parte do nióbio do planeta.
Procurada pela Lupa, a deputada Carla Zambelli não respondeu até a publicação desta checagem.
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


21.02.2024 - 20h28
Segurança pública
Fuga de 17 presos no Piauí foi em penitenciária estadual, não federal

Vídeo aborda as fugas de presos no Piauí e em Rondônia. Segundo o post, esses acontecimentos teriam relação com o ministro Ricardo Lewandowski, uma vez que, ainda neste mês, dois detentos fugiram da Penitenciária de Mossoró. É falso. Ao contrário da unidade de Mossoró, que é federal, as prisões do Piauí e de Rondônia são de administração estadual.

Evelyn Fagundes
21.02.2024 - 16h42
Saúde
Repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal não tem eficácia contra dengue

Circula nas redes vídeo de um bombeiro ensinando uma receita de repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal para repelir o mosquito da dengue. Não há comprovação científica. Repelentes precisam ter o aval da Anvisa e seguir as orientações descritas na rotulagem do produto. Especialistas negam eficácia de repelentes caseiros

Ítalo Rômany
21.02.2024 - 14h50
Política
Vídeo em que deputado português chama Lula de ‘bandido’ é de 2023

Circula pelas redes um vídeo no qual o deputado português André Ventura chama o presidente Lula de "bandido". A legenda afirma que o discurso ocorreu “ontem”. É falso. A fala não é recente. O político de fato atacou o presidente brasileiro, mas a declaração foi dada em janeiro de 2023.

Catiane Pereira
21.02.2024 - 14h10
Eleições
É falso que urnas foram programadas para conceder vitória a Lula nas eleições de 2022

Vídeo afirma que urnas eletrônicas utilizadas no pleito eleitoral de 2022 continham um “algoritmo” que concederia uma margem de vitória ao então candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso. As urnas eletrônicas registram automaticamente todos os votos, e seu sistema não altera, adiciona e ou subtrai os votos dos eleitores.

Catiane Pereira
20.02.2024 - 16h47
Política
Paulo Pimenta não admitiu fraude ao dizer que Lula venceu eleição com 39% dos votos

Circula na internet um vídeo no qual o ministro-chefe da Secom, Paulo Pimenta, afirma que o presidente Lula ganhou as eleições de 2022 com 39% dos votos. Falta contexto. Pimenta considerou o universo total de eleitores, cálculo diferente do adotado pelo TSE, que exclui brancos, nulos e ausentes.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital