UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Estudo do CDC não relaciona transmissão do HIV à vacinação contra Covid-19
28.10.2021 - 17h00
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelo WhatsApp uma mensagem segundo a qual o vírus HIV teria sido encontrado em um percentual 17 vezes maior entre aqueles que se vacinaram contra a Covid-19. O texto defende que a imunização está relacionada à transmissão do vírus causador da aids, aumentando a chance de ocorrer uma infecção. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“Isso é GRAVE !
HIV, o vírus da AIDS, foi encontrado em muitas pessoas que tomaram a “picada” para covid !
Naquela amostra, o percentual de pessoas que testaram positivo para HIV é 17 vezes maior que a média nacional nos EUA.
Isso reforça a suspeita de que o Sars-Cov-2 tenha sido fabricado por engenharia genética, com a inserção de parte do DNA do HIV.
[Link para o site Civilian Intelligence Network]
Texto que circula em grupos de WhatsApp
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O site canadense Civilian Intelligence Network, que divulga teorias da conspiração, apresenta uma interpretação enganosa de um artigo publicado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). O trabalho não estabelece, em nenhum momento, uma relação causal entre o HIV e a vacinação contra a Covid-19. O estudo diz que parte dos participantes observados pelos pesquisadores já vivia previamente com o vírus HIV.
O artigo “Outbreak of SARS-CoV-2 Infections, Including Covid-19 Vaccine Breakthrough Infections, Associated with Large Public Gatherings” foi produzido por cientistas do estado de Massachusetts e publicado em 6 de agosto na revista Morbidity and Mortality Weekly Report, editada pelo CDC. O estudo avaliava os efeitos da realização de grandes eventos, entre 3 e 17 de julho, sobre a transmissão da Covid-19 em uma cidade.
Na ocasião, os pesquisadores detectaram uma alta taxa de transmissão da variante delta, mesmo entre totalmente imunizados, que foi responsável por 89% dos 469 casos da doença relacionados aos eventos. Diante do risco potencial de transmissão do vírus, o trabalho recomendava reforçar os cuidados exigidos dos presentes a grandes reuniões públicas.
Em um determinado trecho do artigo, os cientistas informaram que, cruzando dados do sistema estadual de vigilância de HIV, verificou-se que 30 (ou 6%) dos 469 casos detectados de Covid-19 foram entre pessoas vivendo com o HIV – ou seja, elas já tinham esse vírus antes de pegar o novo coronavírus. O trabalho ressalta que nenhuma delas necessitou de hospitalização após o contato com o Sars-CoV-2.
A partir desse dado descontextualizado, o site canadense diz suspeitar que a vacina contra a Covid-19 seria a responsável por disseminar o HIV, lembrando que, segundo dados oficiais, 0,36% dos norte-americanos vivem com o vírus. “Por que há uma taxa de 6% de HIV positivo nesta pesquisa? Uma taxa que é 17 vezes superior à média nacional?”, questiona o texto, sugerindo assim uma suposta relação entre a imunização contra a Covid-19 e a transmissão do HIV. Entretanto, não existe qualquer base, nem no estudo citado, nem entre a comunidade científica, para estabelecer essa relação.
O HIV é transmitido por meio da troca de fluidos corporais como sangue, leite materno, sêmen e secreções vaginais, de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Ao receber a vacina contra a Covid-19 por meio de uma seringa não utilizada, não há qualquer risco de contrair o HIV e, consequentemente, desenvolver a aids.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é “teoricamente possível” que pessoas vivendo com o HIV produzam uma resposta imune mais fraca a partir da vacinação contra a Covid-19 — e isso poderia explicar a presença maior dessa população no estudo de Massachusetts. No entanto, a OMS afirma que ainda não há evidências suficientes para confirmar essa teoria. Diante dessa possibilidade, o Ministério da Saúde recomendou uma dose de reforço para a população vivendo com HIV/aids no país.

Bolsonaro

Em sua transmissão semanal na quinta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) compartilhou uma informação falsa, também desmentida pela Lupa, de que relatórios do governo do Reino Unido teriam sugerido que vacinados contra a Covid-19 estão desenvolvendo a aids. Entidades e especialistas condenaram a fala do mandatário.
Por meio de nota, o Comitê de HIV/aids da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) declarou que “não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a Covid-19 e o desenvolvimento de síndrome da imunodeficiência adquirida [aids]”, repudiando qualquer desinformação que mencione essa “associação inexistente”.
Já o Comitê Extraordinário de Monitoramento Covid da Associação Médica Brasileira (AMB) chamou de “inaceitável” e “irresponsável” a relação feita pelo presidente, “que certamente pode ocasionar mortes evitáveis entre os brasileiros por acometimento da Covid-19”.
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 14h25
Mudanças Climáticas
É falso que o Sol é o principal fator responsável pelo aquecimento global

Post afirma que o aquecimento global está relacionado principalmente com as variações do Sol, e não seria causado prioritariamente pela atividade humana. É falso. Esse entendimento é contrário ao conhecimento científico sobre a origem humana das mudanças climáticas dos últimos anos, conforme atestam os informes do IPCC, da ONU.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 13h29
Segurança
É falso que Fernandinho Beira-Mar fugiu de presídio de segurança máxima em Mossoró

Post que circula pelas redes sociais afirma que Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, teria fugido junto com outros detentos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. É falso. Beira-Mar segue sob a custódia do Sistema Penitenciário Federal.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 12h55
Saúde
É falso que Lula ‘liberou’ o aborto em qualquer tempo gestacional no Brasil

Circula pelas redes sociais que o governo Lula teria liberado o aborto no Brasil em qualquer idade gestacional. É falso. O governo não  legalizou o aborto. Uma nota técnica do Ministério da Saúde de 28 de fevereiro revogou uma orientação de 2022, do governo Bolsonaro, que fixava um prazo para os procedimentos. Essa nota foi suspensa em 29 de fevereiro.

Carol Macário
01.03.2024 - 12h47
Política
Soldados queimados em vídeo são turcos, não israelenses mortos pelo Hamas

Post mostra um vídeo com soldados sendo queimados vivos. A legenda que acompanha a publicação diz que são israelenses assassinados pelo Hamas. É falso. O vídeo é antigo e circula desde 2016. O Estado Islâmico assumiu a autoria do ato contra soldados turcos

Maiquel Rosauro
01.03.2024 - 12h16
Política
Nota das Forças Armadas é antiga e trata de protestos em quartéis de 2022

 Circula nas redes o vídeo de uma reportagem sobre uma nota das Forças Armadas que menciona “o que vem acontecendo no Brasil”. A publicação dá a entender que o documento se refere a supostos “descaminhos autocráticos” do poder Judiciário. Falta Contexto. A notícia é de 2022 e foi tirada de contexto.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital