UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Daniela Mercury disse em show que Jesus era gay
11.04.2022 - 18h06
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelo WhatsApp um vídeo que mostra a cantora Daniela Mercury em um show. No registro, a artista diz que “a nossa Constituição não é a bíblia” e afirma que “Jesus era gay, muito gay, muito bicha, muito veado”. Ela finaliza sua fala dizendo que o Brasil “está muito chato”. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“Em total desespero Daniela Mercury grita que Jesus era gay”
Legenda de vídeo que circula em grupos de WhatsApp
Falso
A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo é antigo e foi editado para parecer que Daniela Mercury fazia referência à figura religiosa de Jesus Cristo. Na verdade, ela estava falando sobre o falecido cantor Renato Russo. Uma versão sem cortes da fala da artista, disponível no YouTube, mostra que, a partir dos 4 minutos do início da gravação, Daniela começa a cantar a música “Tempo Perdido”, da banda Legião Urbana. Em seguida, a cantora começa a falar sobre seu amigo, Renato Russo, vocalista do grupo, dizendo que ele “era gay, muito gay, muito bicha, muito veado sim”.
O show foi realizado no Festival de Inverno de Garanhuns (PE), em julho de 2018. Em sua participação no evento, a cantora protestou contra o cancelamento da peça “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu”, que seria apresentada no mesmo festival e contava com uma artista transexual interpretando Jesus Cristo como trans. Na época, o governo de Pernambuco cancelou a apresentação da peça, que aconteceria entre os dias 20 e 29 de julho daquele ano. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo publicada na época. O motivo da atitude seria a pressão de parceiros do festival, que ameaçaram boicotar o evento.
Em entrevista ao portal F5, site de entretenimento da Folha, também em 2018, Daniela Mercury negou que tenha falado que Jesus é gay na sua participação do festival. “Não era uma manifestação religiosa e sim uma fala indignada contra a censura artística de uma peça teatral”, disse.
Uma checagem semelhante foi feita por Boatos.org e Estadão Verifica.
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


12.04.2024 - 17h28
Eleições
Musk não entregou aos EUA provas de interferência de Moraes nas eleições

Publicação nas redes sociais alega que Elon Musk entregou às autoridades dos Estados Unidos documentos evidenciando a interferência do ministro Alexandre de Moraes, do STF, nas eleições de 2022. É falso. Não há nenhum registro sobre o fato. Além disso, um especialista em Direito Constitucional afirma que tal ação não teria efeito prático no Brasil.

Maiquel Rosauro
12.04.2024 - 17h02
Política
É falso que Elon Musk conseguiu o impeachment de Alexandre de Moraes

Circula nas redes um vídeo do deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO), que estaria comemorando o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, após o empresário Elon Musk pedir o afastamento do magistrado. É falso. O vídeo mostra Gayer comemorando a aprovação da PEC que limita decisões monocráticas no STF.

Catiane Pereira
12.04.2024 - 16h16
STF
É de 2016 vídeo sobre ação da PF que cita Alexandre de Moraes; caso foi arquivado

Circula nas redes um vídeo que mostra que o nome do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes apareceu em documentos apreendidos pela PF de uma empresa investigada em esquema de fraude. Falta contexto. O vídeo é antigo, de 2016. Pagamentos à firma de Moraes foram para honorários advocatícios. O caso foi arquivado.

Ítalo Rômany
12.04.2024 - 15h13
Política
É falso que Moraes tenha ‘censurado’ o jornalista Augusto Nunes

Circula nas redes sociais um vídeo em que um homem alega que o jornalista Augusto Nunes teria sido censurado pelo Supremo Tribunal Federal em um processo liderado pelo ministro Alexandre de Moraes. É falso. A Suprema Corte negou que exista uma decisão desse gênero em vigor.


Evelyn Fagundes
12.04.2024 - 14h21
Política
É antigo vídeo no qual Cármen Lúcia fala sobre liberdade de expressão

Um vídeo no qual a vice-presidente do TSE, Cármen Lúcia, fala sobre ‘censura’ em uma sessão da corte circula com uma legenda que insinua que ela estaria se posicionando contra o ministro Alexandre de Moraes em sua disputa com o empresário Elon Musk. É falso. O vídeo é de 2022. A sessão do TSE tratou sobre desmonetização de canais no YouTube.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital