UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Agência Europeia de Medicamentos desqualificou vacinas de RNA em comunicado
04.12.2023 - 17h58
João Pessoa - PB
O médico Roberto Zeballos compartilhou um vídeo em suas redes em que afirma que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla me inglês) 'surpreendeu' parlamentares europeus com um comunicado que traz conclusões que desqualificam as vacinas de RNA mensageiro (mRNA) para Covid-19. Segundo o médico, a EMA reconheceu que não há indicação em imunizar pessoas com menos de 60 anos. "Inclusive que jamais indicaria para jovens por uma questão muito simples. A proteína Spike é tóxica", diz Zeballos. As informações são falsas.
O post compartilhado por Zeballos segue com um link de uma conferência de imprensa, de 21 de novembro deste ano, que teve a participação dos deputados do Parlamento Europeu Marcel de Graaff e Joachim Kuhs, além de médicos. No vídeo, as autoridades trazem as informações que receberam da EMA sobre a vacina da Covid-19 – entretanto com interpretações que destoam do documento original. A Agência AFP também fez checagem similar sobre o conteúdo falso. 
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
Essa agência de liberação de medicamentos na Europa disse que não tem indicação em você imunizar pessoas com menos de 60 anos
– Trecho de vídeo que circula no WhatsApp
Falso
Não há menção qualquer no texto sobre a Agência Europeia de Medicamentos não indicar a vacina da Covid-19 para pessoas com menos de 60 anos. "A informação do produto das vacinas contra a Covid-19 afirma claramente que as vacinas se destinam à imunização ativa para prevenir a Covid-19", diz.
As vacinas, diz, foram produzidas para proteger os vacinados e não para impedir a transmissão de uma pessoa para outra. Em seu comunicado, a EMA afirma também que, à medida que o próprio vírus evolui, a proteção diminui com o tempo "e esta é uma das razões pelas quais foram autorizadas vacinas adaptadas". "É importante notar que com o SARS-CoV-2, as pessoas podem ser expostas ao vírus várias vezes e a exposição repetida pode aumentar a probabilidade de infecção mesmo em pessoas vacinadas", ressalta.
A EMA reforça ainda que as evidências continuam a mostrar que as vacinas proporcionam proteção, "o que é particularmente importante para as pessoas vulneráveis". 

Inclusive que jamais indicaria para jovens por uma questão muito simples. A proteína Spike é tóxica [...] A EMA afirma isso
– Trecho de vídeo que circula no WhatsApp
Falso
Em nenhum momento do texto a EMA afirma que a proteína spike é tóxica. Pelo contrário, ela ressalta que, nas vacinas de RNA mensageiro (mRNA), o antígeno (a partícula que desencadeia uma resposta imunitária) não é a substância ativa de mRNA em si, mas a proteína spike formada após a vacinação.
No caso da fórmula das vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna, que usam a tecnologia de RNA mensageiro, é injetado no organismo o código genético do vírus com “instruções” para que as células do corpo produzam a proteína Spike (também conhecida como proteína S) — ela é identificada pelo sistema imunológico como algo estranho e o organismo “aprende”, então, a se defender quando entra em contato com o vírus.
O infectologista Alexandre Naime Barbosa, em checagem anterior produzida pela Lupa, explica que a produção dessa proteína é pontual e que, na verdade, é a resposta imunológica do organismo que durará por mais tempo. “Você fica com anticorpos e células de memória para agir se você entrar em contato [com o vírus]. Então, não, as proteínas Spike não ficam sendo produzidas indefinidamente”.

Ela tá jogando a responsabilidade nas políticas adotadas pelos países dizendo que foi uma questão política, não foi uma questão científica. A EMA tá falando isso. E ela só autorizou a comercialização do imunizante de RNA mensageiro para uma proteção individual
– Trecho de vídeo que circula no WhatsApp
Falso
O que a Agência Europeia de Medicamentos diz no texto é que a EMA se concentra na autorização e monitoramento de medicamentos e vacinas (esta é a função da Agência). Diz ainda que as autoridades nacionais são as que aprovam os ensaios clínicos na União Europeia e seriam, portanto, as autoridades que receberiam quaisquer avaliações de risco ambiental necessárias antes do início de um ensaio clínico.
"Quando os nossos comitês científicos emitem recomendações, outros organismos, como a Comissão Europeia, o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) e as autoridades nacionais de saúde e vacinação podem considerá-las à medida que desenvolvem políticas de imunização para proteger o público", ressalta.
A EMA diz ainda que o fim da emergência de saúde pública pode ser importante nas estratégias de vacinação dos países da União Europeia e no aconselhamento dado à população em geral. "A este respeito, a informação do produto das vacinas contra a Covid-19 afirma que a utilização das vacinas 'deve estar de acordo com as recomendações oficiais'".

Ela diz ainda que não temos registros adequados dos efeitos secundários das complicações da vacina
– Trecho de vídeo que circula no WhatsApp
Falso
A Agência Europeia de Medicamentos afirma em sua resposta que monitora, juntamente com as autoridades nacionais, os dados sobre os efeitos secundários notificados. "É também importante esclarecer que a notificação de uma suspeita de efeito secundário não constitui, por si só, prova de que uma vacina tenha causado o evento adverso em questão", afirma.
Esses eventos adversos, diz a EMA, podem ocorrer por outras razões em pessoas vacinadas, tal como acontece em pessoas não vacinadas. "Tal como indicado na informação do medicamento de ambas as vacinas, a maioria dos efeitos secundários são ligeiros, embora possam ocorrer efeitos mais graves". 
No comunicado, a EMA também afirma que, para determinar se uma vacina causou um evento adverso, as autoridades têm de avaliar todos os dados relevantes, "incluindo dados que possam indicar que a doença ocorre a uma taxa mais elevada em pessoas vacinadas ou recentemente vacinadas do que em outras".
Checagem similar foi produzida pelo Estadão Verifica.
A Lupa contatou por e-mail o médico Roberto Zeballos, mas não houve retorno até a publicação desta checagem. 

Nota: Este conteúdo foi produzido pela Lupa com apoio do Instituto Todos pela Saúde (ITpS)

LEIA MAIS
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 14h25
Mudanças Climáticas
É falso que o Sol é o principal fator responsável pelo aquecimento global

Post afirma que o aquecimento global está relacionado principalmente com as variações do Sol, e não seria causado prioritariamente pela atividade humana. É falso. Esse entendimento é contrário ao conhecimento científico sobre a origem humana das mudanças climáticas dos últimos anos, conforme atestam os informes do IPCC, da ONU.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 13h29
Segurança
É falso que Fernandinho Beira-Mar fugiu de presídio de segurança máxima em Mossoró

Post que circula pelas redes sociais afirma que Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, teria fugido junto com outros detentos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. É falso. Beira-Mar segue sob a custódia do Sistema Penitenciário Federal.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 12h55
Saúde
É falso que Lula ‘liberou’ o aborto em qualquer tempo gestacional no Brasil

Circula pelas redes sociais que o governo Lula teria liberado o aborto no Brasil em qualquer idade gestacional. É falso. O governo não  legalizou o aborto. Uma nota técnica do Ministério da Saúde de 28 de fevereiro revogou uma orientação de 2022, do governo Bolsonaro, que fixava um prazo para os procedimentos. Essa nota foi suspensa em 29 de fevereiro.

Carol Macário
01.03.2024 - 12h47
Política
Soldados queimados em vídeo são turcos, não israelenses mortos pelo Hamas

Post mostra um vídeo com soldados sendo queimados vivos. A legenda que acompanha a publicação diz que são israelenses assassinados pelo Hamas. É falso. O vídeo é antigo e circula desde 2016. O Estado Islâmico assumiu a autoria do ato contra soldados turcos

Maiquel Rosauro
01.03.2024 - 12h16
Política
Nota das Forças Armadas é antiga e trata de protestos em quartéis de 2022

 Circula nas redes o vídeo de uma reportagem sobre uma nota das Forças Armadas que menciona “o que vem acontecendo no Brasil”. A publicação dá a entender que o documento se refere a supostos “descaminhos autocráticos” do poder Judiciário. Falta Contexto. A notícia é de 2022 e foi tirada de contexto.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital