UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Presa no 8/1, professora ainda acredita em fakes golpistas já desmentidas
08.01.2024 - 20h46
Florianópolis - SC
Sheila Mantovanni, professora e ré por participação nos atos antidemocráticos - Imagem: reprodução
Em setembro de 2023, nove meses depois de ter sido presa por participar dos atos antidemocráticos de 8 de janeiro, a professora Sheila Mantovanni disse à Lupa que faria tudo de novo: a viagem de ônibus até Brasília, o pedido de intervenção militar para depor um governo democraticamente eleito e, se preciso fosse, passaria pela prisão e até a morte. 
“A gente achava que era possível o Exército intervir (...), que, como poder moderador, pudesse mostrar o resultado da urna e, se comprovasse a fraude, fazer uma nova eleição”, disse, à época, em entrevista exclusiva à Lupa. Ré por incitação ao crime e associação criminosa, ela ficou cinco meses confinada na Colmeia, a Penitenciária Feminina do Distrito Federal, e aguarda em casa e com tornozeleira eletrônica o julgamento de um acordo.
A crença cega de que as últimas eleições presidenciais foram fraudadas — narrativa alimentada desde 2019 e incansavelmente desmentida — foi elementar na decisão de pessoas como a professora de saírem de suas casas dispostas a participar de um movimento que defendia golpe de Estado. Tampouco a afirmação de que o Exército seria um poder moderador é correta: essa função só existiu em uma Constituição do Brasil Império. A Constituição atual, promulgada em 1988, e o consenso entre os juristas é que o artigo 142, que cita atribuições das forças armadas, não dá poder moderador aos militares
A história de Sheila – contada no minidocumentário que a Lupa lançou nesta segunda-feira (8) sobre como as informações falsas foram peça-chave nos ataques aos Três Poderes – não é exceção. Exatamente um ano depois, muitas pessoas ainda seguem compartilhando conteúdos desinformativos nas redes sociais, os mesmos que inspiraram bolsonaristas a quebrar prédios públicos. 
A falsa ideia, por exemplo, de que as urnas eletrônicas não são auditáveis e que o código-fonte dos equipamentos de votação pode ser alterado foi citada por Sheila Mantovanni e até hoje circula em publicações nas redes sociais. 
No X (antigo Twitter), posts que colocam em xeque a segurança das urnas seguem engajando bolsonaristas

Teorias pós-ataques seguem circulando

Logo após os ataques de 8 de janeiro, uma nova teoria da conspiração ganhou as redes sociais, especialmente entre grupos bolsonaristas: a de que os atos foram orquestrados por “esquerdistas infiltrados”. Durante o período em que ficou confinada na Colmeia, entre janeiro e maio de 2023, e mesmo depois de solta e usando tornozeleira eletrônica, a professora e ré Sheila Mantovanni agarrou-se a essa tese. “Eu duvido que foi patriota que fez aquela cena”, disse à Lupa, insinuando que o grupo do qual fazia parte queria avisar a polícia da presença de supostos infiltrados. 
Sheila Mantovanni ficou presa entre janeiro e maio de 2023 e aguarda julgamento de um acordo em casa, com tornozeleira eletrônica - Imagem: Carol Macário
Não há, no entanto, qualquer prova de que pessoas infiltradas teriam depredado o patrimônio público de Brasília. Imagens das câmeras de segurança da Presidência da República invalidam a tese de que os golpistas só teriam acessado o edifício quando o espaço já havia sido depredado por infiltrados.
Outras teorias seguem circulando mesmo depois de esclarecidas. No TikTok, vídeos insinuam que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estava em Brasília no momento em que ocorriam os atos golpistas de 8 de janeiro — o que não é verdade. Verificação da Lupa mostra que Lula estava em Araraquara (SP) para avaliar os danos causados pelas chuvas no município naquela época. O petista só desembarcou na capital federal às 20h50 daquele dia.
Vídeo que circula no TikTok sugere que Lula estava no Palácio do Planalto durante os ataques de 8 de janeiro - Imagem: reprodução

Mentiras repetidas mil vezes

A questão de como as fakes tornam-se “verdade” — mesmo que tenham sido desmentidas muitas vezes — a ponto de interferir no modo como uma pessoa interpreta fatos não tem uma explicação simples. Mas pesquisadores vêm tentando explicar esse fenômeno social da desinformação a partir de conceitos como o da câmara de eco, termo usado para descrever um espaço digital no qual usuários da internet veem apenas informações que apoiam suas próprias crenças e opiniões. 
“O efeito da repetição de uma desinformação muitas vezes acaba reforçando nosso sistema de crenças. O formato das redes sociais com as câmaras de eco ajudam a reforçar algumas ideias que podem ser falsas”, explica Ana Julia Bernardi, professora de ciência política da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo e pesquisadora do Instituto Democracia em Xeque.
Na percepção de Bernardi, quando uma mensagem é reforçada por diferentes atores tidos como importantes e confiáveis na opinião dos eleitores, isso ajuda a assimilar o conteúdo compartilhado como sendo verdadeiro. “A extrema-direita repete a mesma história muitas vezes, eles são muito coesos no discurso, e isso ajuda a interiorizar esse sistema de crenças”, diz.

LEIA TAMBÉM
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Reportagem
Conteúdo investigativo que aborda temas diversos relacionados a desinformação com o objetivo de manter os leitores informados.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 12h00
Política
Guerra Rússia-Ucrânia: Zelensky sofreu 23 vezes mais ataques de deepfakes e montagens do que Putin

Deepfakes, montagens e alterações em vídeos e fotos tentam aproximar o presidente da Ucrânia do nazismo, da corrupção e das drogas. Dados obtidos pela Lupa mostram que, desde 2022, Volodymyr Zelenski foi alvo de conteúdos fabricados ou editados mais de 160 vezes. Ao menos dez dessas 'fakes' também viralizaram em português

Cristina Tardáguila
28.02.2024 - 15h00
Crime
Posts fakes e sem provas sobre Marajó voltam a ganhar força nas redes

Posts fakes e sem provas voltam a circular nas redes politizando casos de exploração sexual de crianças na Ilha do Marajó (PA). Dentre os posts enganosos está o de que o presidente Lula acabou com um programa criado pela ex-ministra Damares Alves. Há também um vídeo de um porta-malas cheio de crianças que, na verdade, foi gravado no Uzbequistão.

Ítalo Rômany
24.02.2024 - 08h00
Política
Tráfico de órgãos e testes ilegais de vacina: a desinformação russa contra Zelensky no 2º ano da guerra

A guerra entre Rússia e Ucrânia completa dois anos em 24 de fevereiro. No segundo ano de conflito, as publicações falsas que chegam ao Brasil evoluíram e tornaram a verificação mais complexa. Em canais do Telegram, circulam conteúdo desinformativo que inclui falsificação de documentos e vídeos com acusações de tráfico de órgãos.

Maiquel Rosauro
23.02.2024 - 18h48
Política
Ato de Bolsonaro alimenta volta de fakes sobre fraude na eleição e golpe

 O sistema eleitoral brasileiro voltou a ser atacado nas redes sociais, especialmente depois que o ex-presidente Jair Bolsonaro convocou apoiadores  para ato na Av. Paulista, em São Paulo, no próximo domingo (25). Fakes sobre vacinas e ataques ao STF e à esquerda também aumentaram em fevereiro, especialmente no Telegram e no X. 

Carol Macário
20.02.2024 - 12h00
Política
Áudios manipulados com uso de IA viram alerta para eleições municipais

A disseminação de áudios manipulados com uso de Inteligência Artificial (IA) já é realidade no Brasil. Casos recentes ocorridos em cidades como Manaus (AM) e Maringá (PR) alertam especialistas por causa das eleições de 2024. Fatores como restrição no número de peritos em municípios e ausência de moderação de plataformas tendem a dificultar cenário

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital