UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que UFPel criou curso de medicina exclusivo para integrantes do MST
12.01.2024 - 16h12
Porto Alegre - RS
Em vídeo que circula nas redes sociais, o ex-deputado federal Fernando Francischini alega que a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) lançou um curso de medicina exclusivo para integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), com ingresso sem vestibular e seleção dos candidatos promovida pela própria organização. É falso.
Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
Universidade de Medicina para o MST com dinheiro público e sem vestibular. É só ser selecionado por eles mesmos! Acredita no edital? Tem que passar 19 dias numa invasão. Não precisa nem escrever bem, nem em português. Tem que fazer uma cartinha da vivência sem terra e sem verificação da norma culta de escrita. O que estão fazendo com nosso país? Passaram de todos os limites! Formar médicos sem a mínima verificação de capacidade intelectual ou perfil profissional?
– Texto em vídeo que circula nas redes sociais
Falso
Não existe qualquer curso de medicina na UFPel oferecido exclusivamente a integrantes do MST. A instituição afirma que discute a criação de uma turma especial de medicina com foco em pessoas assentadas — portanto, não necessariamente vinculadas ao MST —, com o objetivo de diminuir a escassez de profissionais da saúde em regiões rurais. No entanto, não há, até o momento, nenhum edital aberto oficializando a iniciativa.
A reitoria da UFPel informou, por meio de nota, que a turma especial de medicina teria como público-alvo moradores de assentamentos criados ou reconhecidos pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), quilombolas, professores e educadores que exerçam atividades educacionais voltadas às famílias beneficiárias, além de pessoas atendidas pelo Programa Nacional de Crédito Fundiário.
A ação seria desenvolvida dentro do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), do Incra, que tem como um de seus objetivos garantir o acesso da população do campo ao ensino superior.
“Identificamos nesta iniciativa um instrumento para reduzir as disparidades no acesso à educação e na representação de profissionais de saúde em regiões rurais, onde normalmente há escassez de médicos. Ao capacitar integrantes de famílias de assentados da reforma agrária para se tornarem médicos, a instituição pública está contribuindo para a construção de um sistema de saúde mais inclusivo, equitativo e sensível às necessidades das populações rurais e agrárias”, afirmou a reitoria da UFPel.
A instituição ressalvou que, até o momento, não há qualquer edital publicado e que os interessados precisariam passar por um processo seletivo, em formato a ser fixado pela universidade, para iniciar o curso. O tema é debatido, pelo menos, desde julho do ano passado e é uma reivindicação do MST.
“Não estamos falando em um novo curso de Medicina ou em um novo formato de ingresso regular de alunos. Como está denominado, é uma turma especial. Que poderá, no futuro, se ver acompanhada de outra. Mas sempre com este caráter sazonal e não permanente”, ressaltou a UFPel.

Turma Especial de Medicina Veterinária

Algumas das alegações citadas por Francischini aparentam ter como fonte o Edital CRA nº 38/2022, destinado à seleção de candidatos para a quinta turma especial de medicina veterinária, na UFPel, no âmbito do Pronera, voltado para beneficiários do Programa Nacional de Reforma Agrária. Foram ofertadas 60 vagas. 
Para se inscrever, era necessário encaminhar para a universidade, junto com outros documentos, um memorial descritivo, espécie de relato sobre a história de vida do candidato, de até três páginas. O texto deveria incluir elementos sobre a trajetória escolar, vivências relacionadas à luta pela terra, experiências em acampamentos, assentamentos ou comunidades rurais, expectativas de ingresso na UFPel e a importância da formação de medicina veterinária para a realidade da comunidade do candidato ou assentamento.
Já a fase de seleção previa uma prova de redação e um período pedagógico-avaliativo desenvolvido ao longo de 19 dias ininterruptos de estudos, avaliações e vivência entre os candidatos em uma escola localizada dentro de um assentamento em Viamão (RS), na região metropolitana de Porto Alegre. 
Durante esses 19 dias seriam realizadas aulas e provas de conhecimento de ciências da natureza, agroecologia e questão agrária. Além disso, também seria analisado o memorial descritivo (tanto o texto quanto uma apresentação oral do candidato).
Na UFPel, desde 2007 são oferecidas turmas especiais do curso de medicina veterinária para pessoas oriundas de comunidades de assentados via Pronera. Já foram formados 140 estudantes, diz a instituição. A previsão é de que, em julho, ocorra a formatura de mais 47 alunos.

Cassado por propagar desinformação

Em outubro de 2021, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou o mandato de Fernando Francischini, então deputado estadual do Paraná pelo PSL. Foi o primeiro caso de cassação por propagar desinformação no país.
Francischini foi cassado após investigação por uso indevido dos meios de comunicação e por abuso de autoridade. Durante o primeiro turno das eleições de 2018, quando era deputado federal, ele fez uma transmissão ao vivo nas redes sociais em que afirmava, sem provas, que as urnas eletrônicas estavam fraudadas para impedir a eleição de Jair Bolsonaro (então no PSL) à Presidência da República.
A Lupa entrou em contato com Francischini, mas não obteve um retorno até a publicação desta matéria. O texto será atualizado caso o ex-parlamentar se manifeste. 

Leia também


Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 14h25
Mudanças Climáticas
É falso que o Sol é o principal fator responsável pelo aquecimento global

Post afirma que o aquecimento global está relacionado principalmente com as variações do Sol, e não seria causado prioritariamente pela atividade humana. É falso. Esse entendimento é contrário ao conhecimento científico sobre a origem humana das mudanças climáticas dos últimos anos, conforme atestam os informes do IPCC, da ONU.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 13h29
Segurança
É falso que Fernandinho Beira-Mar fugiu de presídio de segurança máxima em Mossoró

Post que circula pelas redes sociais afirma que Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, teria fugido junto com outros detentos da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. É falso. Beira-Mar segue sob a custódia do Sistema Penitenciário Federal.

Catiane Pereira
01.03.2024 - 12h55
Saúde
É falso que Lula ‘liberou’ o aborto em qualquer tempo gestacional no Brasil

Circula pelas redes sociais que o governo Lula teria liberado o aborto no Brasil em qualquer idade gestacional. É falso. O governo não  legalizou o aborto. Uma nota técnica do Ministério da Saúde de 28 de fevereiro revogou uma orientação de 2022, do governo Bolsonaro, que fixava um prazo para os procedimentos. Essa nota foi suspensa em 29 de fevereiro.

Carol Macário
01.03.2024 - 12h47
Política
Soldados queimados em vídeo são turcos, não israelenses mortos pelo Hamas

Post mostra um vídeo com soldados sendo queimados vivos. A legenda que acompanha a publicação diz que são israelenses assassinados pelo Hamas. É falso. O vídeo é antigo e circula desde 2016. O Estado Islâmico assumiu a autoria do ato contra soldados turcos

Maiquel Rosauro
01.03.2024 - 12h16
Política
Nota das Forças Armadas é antiga e trata de protestos em quartéis de 2022

 Circula nas redes o vídeo de uma reportagem sobre uma nota das Forças Armadas que menciona “o que vem acontecendo no Brasil”. A publicação dá a entender que o documento se refere a supostos “descaminhos autocráticos” do poder Judiciário. Falta Contexto. A notícia é de 2022 e foi tirada de contexto.

Gabriela Soares
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital