UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Fakes contra padre Júlio Lancellotti são baseadas em notícias antigas e sem provas
12.01.2024 - 10h34
Florianópolis - SC
Padre Júlio Lancellotti na Paróquia de São Miguel Arcanjo, em São Paulo - Imagem: Rovena Rosa/Agência Brasil
Assim que o padre Júlio Lancellotti foi colocado como possível foco de investigação na Câmara dos Vereadores de São Paulo, o religioso também passou a ser alvo de uma onda de desinformação e discurso de ódio nas redes sociais. Monitoramento feito pela Lupa identificou uma corrente de informações falsas e descontextualizadas que o acusa — sem provas — de abuso sexual e pedofilia. 
Lancellotti ficou conhecido pela atuação junto a pessoas em situação de rua e, atualmente, coordena a Pastoral do Povo da Rua, da Arquidiocese de São Paulo. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que pode mirar o trabalho do padre foi proposta pelo vereador Rubinho Nunes (União Brasil) em dezembro do ano passado. Até o dia 10 de janeiro, pelo menos dez vereadores retiraram o apoio à CPI — a Câmara paulistana decidirá se a comissão será instalada ou não após o recesso parlamentar, em fevereiro. 
A proposta de CPI repercutiu nas últimas semanas e mobilizou políticos à esquerda — em defesa do sacerdote — e à direita — críticos a ele. Perfis nas redes sociais de lideranças políticas da direita ajudaram a aumentar a circulação de fakes sobre Lancellotti.
Duas publicações no perfil de Gustavo Gayer (PL-GO) com informações sem provas tiveram, juntas, mais de 22,2 mil curtidas - Imagem: Reprodução
É o caso do deputado federal bolsonarista Gustavo Gayer (PL-GO), por exemplo, e do ex-ministro da Educação no governo de Jair Bolsonaro (PL) Abraham Weintraub, que concorreu ao cargo de deputado estadual em São Paulo em 2022 pelo PMB, mas não se elegeu. Ambos fizeram publicações que colocam em xeque a idoneidade do religioso e o associam à pedofilia sem apresentar provas. 

Não há comprovação de abuso sexual e pedofilia; acusações são antigas e sem contexto

A reportagem identificou uma série de conteúdos que imputam a Júlio Lancellotti o crime de pedofilia e abuso sexual — o que nunca foi comprovado. Essas publicações apresentam diferentes abordagens descontextualizadas de acusações que remontam a 2007, ano em que o padre foi vítima de extorsão.
Posts com notícias antigas e descontextualizadas induzem usuários ao engano - Imagem: Reprodução
Naquele ano, um grupo de quatro pessoas, incluindo um ex-interno da Fundação Casa (antiga Febem), Anderson Marcos Batista, ameaçou agredi-lo e denunciá-lo por pedofilia à imprensa caso não fizesse pagamentos.
Após queixa registrada pelo padre, o caso foi investigado pela Polícia Civil de São Paulo. Quando Batista foi preso, ele negou qualquer tentativa de extorsão contra o padre e afirmou, sem apresentar provas, que recebia dinheiro de Lancellotti para manter silêncio sobre um suposto relacionamento amoroso entre os dois ao longo de oito anos.
Somente em maio de 2011, quase quatro anos após a denúncia, a Justiça de São Paulo condenou dois dos envolvidos no caso — o ex-interno Anderson Marcos Batista e a esposa Conceição Eletério. Eles foram condenados a sete anos e três meses de prisão. De acordo com a promotoria, os criminosos ameaçaram “dar um tiro na cabeça” do padre caso ele não desse dinheiro — essa abordagem foi filmada por câmeras de segurança. 

Denúncia de abuso de 2007 não foi comprovada

Em um vídeo de quase dois minutos — compartilhado, inclusive, pelo deputado Gustavo Gayer e com mais de 184 mil visualizações —, um homem repete uma série de acusações contra Lancellotti. Além de repetir a acusação relacionada ao ex-interno da Fundação Casa, o homem do vídeo afirma que o padre Júlio teria abusado sexualmente de um adolescente da Casa Vida, instituição fundada por ele em 1991 para abrigar crianças e adolescentes com aids.
Essa denúncia, no entanto, nunca foi comprovada e também remonta a 2007, mesmo período em que o padre denunciou ser vítima de extorsão. Naquele ano, uma ex-funcionária da Casa Vida disse ter sido testemunha de abuso sexual cometido pelo padre contra um adolescente, supostamente também ex-interno da Fundação Casa, no ano de 1999. A Polícia Civil de São Paulo abriu um inquérito na época, mas as acusações também não foram comprovadas.
Procurada pela reportagem, a Polícia Civil de São Paulo informou que, no momento, não há nenhum inquérito policial que investigue o padre como autor de um crime. “Foi localizado somente um caso de extorsão, resistência e associação criminosa no qual ele figura como vítima, no ano de 2007, que tramitou pela 5ª Delegacia Seccional (Leste)”. 
No Tribunal de Justiça de São Paulo, não há nenhum processo envolvendo o nome de Lancellotti relacionado a abuso sexual.
A Lupa tentou contato com Júlio Lancellotti e, até o fechamento da reportagem, a entrevista não tinha sido confirmada em razão da agenda do padre. 
LEIA TAMBÉM
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Reportagem
Conteúdo investigativo que aborda temas diversos relacionados a desinformação com o objetivo de manter os leitores informados.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


01.03.2024 - 12h00
Política
Guerra Rússia-Ucrânia: Zelensky sofreu 23 vezes mais ataques de deepfakes e montagens do que Putin

Deepfakes, montagens e alterações em vídeos e fotos tentam aproximar o presidente da Ucrânia do nazismo, da corrupção e das drogas. Dados obtidos pela Lupa mostram que, desde 2022, Volodymyr Zelenski foi alvo de conteúdos fabricados ou editados mais de 160 vezes. Ao menos dez dessas 'fakes' também viralizaram em português

Cristina Tardáguila
28.02.2024 - 15h00
Crime
Posts fakes e sem provas sobre Marajó voltam a ganhar força nas redes

Posts fakes e sem provas voltam a circular nas redes politizando casos de exploração sexual de crianças na Ilha do Marajó (PA). Dentre os posts enganosos está o de que o presidente Lula acabou com um programa criado pela ex-ministra Damares Alves. Há também um vídeo de um porta-malas cheio de crianças que, na verdade, foi gravado no Uzbequistão.

Ítalo Rômany
24.02.2024 - 08h00
Política
Tráfico de órgãos e testes ilegais de vacina: a desinformação russa contra Zelensky no 2º ano da guerra

A guerra entre Rússia e Ucrânia completa dois anos em 24 de fevereiro. No segundo ano de conflito, as publicações falsas que chegam ao Brasil evoluíram e tornaram a verificação mais complexa. Em canais do Telegram, circulam conteúdo desinformativo que inclui falsificação de documentos e vídeos com acusações de tráfico de órgãos.

Maiquel Rosauro
23.02.2024 - 18h48
Política
Ato de Bolsonaro alimenta volta de fakes sobre fraude na eleição e golpe

 O sistema eleitoral brasileiro voltou a ser atacado nas redes sociais, especialmente depois que o ex-presidente Jair Bolsonaro convocou apoiadores  para ato na Av. Paulista, em São Paulo, no próximo domingo (25). Fakes sobre vacinas e ataques ao STF e à esquerda também aumentaram em fevereiro, especialmente no Telegram e no X. 

Carol Macário
20.02.2024 - 12h00
Política
Áudios manipulados com uso de IA viram alerta para eleições municipais

A disseminação de áudios manipulados com uso de Inteligência Artificial (IA) já é realidade no Brasil. Casos recentes ocorridos em cidades como Manaus (AM) e Maringá (PR) alertam especialistas por causa das eleições de 2024. Fatores como restrição no número de peritos em municípios e ausência de moderação de plataformas tendem a dificultar cenário

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital