UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que a variante Ômicron não está mais em circulação e que vacina seja insegura para crianças
07.02.2024 - 21h32
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais um vídeo do médico e deputado federal Luiz Ovando (PP-MS) afirmando que a Ômicron, variante da Covid-19, já não estaria mais em circulação e, por isso, não haveria mais razão para a aplicação da vacina bivalente. Além disso, também é dito que o mesmo imunizante provocaria doenças autoimunes em crianças. É falso.
Por WhatsApp, leitores sugeriram que o conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
A Ômicron já foi banida. Ela já não está mais em circulação
– Trecho da narração do vídeo que circula nas redes sociais
Falso
De acordo com os dados das amostras brasileiras sequenciadas e identificadas pela Rede Genômica Fiocruz e outras instituições de pesquisa, a Ômicron segue em circulação. Em nota encaminhada à Lupa, o instituto afirmou que as campanhas de vacinação foram bem sucedidas em reduzir o número de casos graves e óbitos, mas o vírus SARS-CoV-2 continua a circular no Brasil e no mundo, e que a variante, que representa a linhagem B.1.1.529 [Ômicron] e suas descendentes, engloba todas as linhagens em circulação atualmente.
Gráfico mostra genomas identificados em janeiro de 2024. Fonte: Rede Genômica Fiocruz

Vacina Bivalente 

O imunizante bivalente passou a ser aplicado em fevereiro de 2023, e a nova fórmula foi desenvolvida pela necessidade de se estimular o organismo a produzir anticorpos contra a Ômicron, que é predominante no país há mais de um ano.
Apesar de oferecer proteção mais específica contra as variantes BA.1 e BA.4/BA.5, em entrevista à Lupa, o gerente de produtos biológicos da Anvisa, Fabrício Oliveira, afirmou que a bivalente também protege contra outras variantes da Ômicron. “Quando você coloca o componente Ômicron, você gera outros tipos de anticorpos já muito mais específicos para essa variante. Então, ainda que não seja a mesma, você tem a capacidade de neutralização por semelhança”, disse.

É uma vacina inócua, sem razão de ser, com riscos de você manipular a questão imunológica da criança, que está em formação, e desencadear uma doença autoimune
– Trecho da narração do vídeo que circula nas redes sociais
Falso
Ao contrário do que é afirmado pelo deputado federal Luiz Ovando no vídeo, o imunizante bivalente não faz parte do PNI (Programa Nacional de Imunizações) para a população pediátrica. Segundo afirmou o Ministério da Saúde em nota à Lupa, são disponibilizadas, para o público infantil, a vacina Pfizer Pediátrica (mRNA) e a CoronaVac (vírus inativado). 
De todo modo, ainda segundo a pasta, que monitora constantemente “Eventos Supostamente Atribuíveis à Vacinação ou Imunização (Esavi)”, o benefício das vacinas contra a Covid-19 supera o risco da não vacinação. “Com base nas evidências técnicas e científicas de eficácia e segurança das vacinas Covid-19 atualmente disponíveis e divulgadas amplamente, demonstrou-se que os benefícios da vacinação superam, e muito, o risco de não se vacinar, infectar-se e desenvolver a doença grave e suas complicações, incluindo a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e a morte por covid-19”, disse, em nota.
No vídeo, o deputado reforça ainda que a vacina traz riscos para as crianças e que pode desencadear uma doença auto-imune, tipo miocardite e pericardite. O que também é falso.
O Ministério da Saúde ressaltou que as chances de desenvolver miocardite são maiores em pessoas que adoecem por covid-19, em comparação com pessoas vacinadas. “Por isso, o Ministério da Saúde mantém a recomendação da vacinação das crianças no Brasil”, apontou a pasta.
Segundo o médico pediatra e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri, não existem evidências que mostrem a relação direta entre o desencadeamento de doenças autoimunes com a vacinação infantil. “A vacina é segura e até hoje não se demonstrou que ela manipula a questão imunológica e que vai desencadear a doença autoimune. Não tem nenhuma evidência de que indivíduos vacinados tenham mais doenças autoimune do que indivíduos não vacinados”, afirmou o infectologista em entrevista à Lupa
“É absolutamente descabida a informação de que vacinas de Covid, qualquer que seja a sua plataforma, vai aumentar risco de doenças autoimunes. Pelo contrário, nas vacinas, ao diminuir a Covid, você diminui o risco de vários desfechos da doença”, disse o representante da SBIm.
Segundo o Ministério da Saúde,ensaios clínicos (fases 1, 2 e 3) publicados, diversos estudos de pós-comercialização (fase 4), incluindo os dados de farmacovigilância, comprovaram a segurança da vacinação e o seu impacto na redução de hospitalizações e mortes.
Ambas vacinas disponibilizadas para o público infantil foram testadas antes de serem autorizadas e aprovadas por agências reguladoras em todo o mundo. Além disso, uma pesquisa publicada na revista científica Nature concluiu, em dezembro de 2023, que as vacinas de RNA mensageiro da Pfizer reduziram o risco da Covid longa (sintomas duradouros do Sars-CoV-2) em crianças.
“Sem a vacinação contra a covid-19, as crianças e adolescentes podem se tornar reservatórios contínuos de transmissão e infecção por novas variantes.  Além disso, os surtos escolares têm custos sociais e econômicos para toda a sociedade”, disse o Ministério da Saúde. A pasta ainda afirmou que segue “alinhado com todas as evidências científicas, com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) mais atualizadas para o enfrentamento da Covid-19”.

Outro lado

A Lupa entrou em contato com o deputado federal Luiz Ovando para que ele pudesse se posicionar sobre as afirmações analisadas na verificação. No entanto, até a publicação desta checagem, não foi obtido retorno.

Leia mais

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


19.04.2024 - 17h13
Política
É falso que montagem contra o PT foi projetada em prédio do Elon Musk

Circula na internet um vídeo de uma projeção com o desenho de um burro vestido com a camiseta do PT. Segundo a publicação, a imagem teria sido projetada em um prédio do empresário Elon Musk em Nova York. É falso. Trata-se de uma montagem, criada a partir de um modelo pronto do CapCut.

Gabriela Soares
19.04.2024 - 16h58
Política
É falso que Congresso dos Estados Unidos deu 48 horas para o STF entregar documentos sobre o X

Post nas redes sociais alega que o Congresso dos EUA deu 48 horas para o STF entregar documentos referentes ao X. É falso. O Comitê de Assuntos Judiciários da Câmara de Deputados dos EUA solicitou ao X acesso às decisões do Supremo sobre moderação de conteúdo. A empresa entregou a documentação e informou o STF. 

Maiquel Rosauro
16.04.2024 - 17h50
Política
Lula segue recomendação do Ministério da Justiça e sanciona, com veto, PL da ‘saidinha’ de presos

Circula pelas redes sociais que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vetou o PL 2.253, de 2022, que restringe a chamada 'saidinha' de presos. Falta Contexto. Lula sancionou o projeto com veto, o presidente acatou recomendação do Ministério da Justiça e manteve o direito à saída temporária dos presos do semiaberto para visita a familiares.

Catiane Pereira
16.04.2024 - 17h22
Política
Homem que acusa governo brasileiro de solicitar dados de usuários do X não é diretor da rede

Circula nas redes um vídeo no qual um homem alega que o governo brasileiro teria solicitado aos líderes do X, antigo Twitter, informações pessoais dos usuários. Segundo a legenda do post, o homem seria o diretor da plataforma. É falso. A pessoa que aparece no vídeo é um jornalista estadunidense que levantou as tais suposições em uma reportagem.

Evelyn Fagundes
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital