UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal não tem eficácia contra dengue
21.02.2024 - 16h42
João Pessoa - PB
Circula nas redes sociais vídeo de um bombeiro ensinando uma receita de repelente caseiro com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal para repelir o mosquito da dengue. Não há comprovação científica.
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
Iremos ensinar você a fazer um repelente caseiro, ou seja, para você utilizar nesse período de epidemia de dengue. Ele é muito prático, fácil de fazer e muito eficiente. Ele consiste em utilizar meio litro de álcool, um pacotinho de cravo-da-índia e o óleo corporal que vai servir como fixador para poder realizar esse repelente. [...] Primeira coisa pessoal nós iremos pegar meio litro álcool, iremos destampá-lo. Iremos pegar o pacotinho de cravo-da-índia. Iremos fazer uma pequena abertura nele e despejar esse cravo da Índia dentro do meio litro de álcool. [...] Dando continuidade ao processo de fabricação do nosso repelente caseiro, verificamos que o cravo-da-índia ele fica de molho no álcool durante 4 dias e é muito importante que, durante esses quatro dias, pelo menos duas vezes ao dia, você pegue essa mistura e chacoalhe ela. Para que serve isso? Para poder soltar a essência do cravo-da-índia. Após quatro dias o nosso repelente já está quase pronto [...] Verifiquem vocês que a tonalidade do álcool mudou de cor, ou seja, soltou toda a essência e ficou impregnado. Nós iremos finalizar o nosso repelente [...] utilizando uma pequena peneira para poder coar o cravo da índia e poder utilizar a substância sem resíduo algum. Após coar totalmente o nosso repelente nós iremos retorná-lo para a nossa garrafinha. Agora vamos utilizar para isso um funil e despejar dentro da garrafa novamente. Feito isso agora nós iremos utilizar o nosso óleo corporal que servirá como fixador do repelente sobre a nossa pele. Após adicionarmos o óleo corporal a essência do cravo com o álcool agora nós iremos transferir ele para um recipiente adequado para que a gente possa estar passando sobre a nossa pele.
– Trechos de vídeo que circula no WhatsApp
Falso
Não há comprovação científica de que o uso e fabricação de repelente natural com cravo-da-índia, álcool e óleo corporal tenha eficácia para repelir o mosquito da dengue. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), repelentes e inseticidas precisam ter o aval da agência e seguir as orientações descritas na rotulagem do produto. "Os repelentes de insetos para aplicação na pele são enquadrados na categoria 'cosméticos' e devem estar registrados na Anvisa. [...] Inseticidas e repelentes devem ter a substância ativa e os componentes complementares (solubilizantes e conservantes) aprovados", explica.
Segundo a pesquisadora Flávia Virginio, do Instituto Butantã, por não possuírem uma testagem e uma produção padronizada, os repelentes caseiros não possuem comprovação científica. Além disso, podem acabar gerando reações alérgicas na pele. O professor Álvaro Eiras, do Departamento de Parasitologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), afirma que fez diversos testes com receitas 'milagrosas' encontradas pela internet, mas nenhuma delas teve eficácia. "É muito sério porque as pessoas irão fabricar estes repelentes achando que estão protegidas e aí que está o problema", alerta.
A Anvisa explica que os produtos que possuem concentração da substância Deet são indicados como potenciais repelentes para os adultos — desde que sejam registrados e aprovados. A agência afirma ainda que todos os ativos repelentes de insetos que já tiveram aprovação para uso em produtos cosméticos podem ser usados em crianças, mas é importante seguir as orientações descritas na rotulagem do produto, pois cada ativo tem suas particularidades e restrições de uso.

Nota: Este conteúdo faz parte do projeto Mídia e Democracia, produzido pela Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getulio Vargas (FGV ECMI) em parceria com Democracy Reporting International e a Lupa. A iniciativa é financiada pela União Europeia.

LEIA MAIS
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


12.04.2024 - 17h28
Eleições
Musk não entregou aos EUA provas de interferência de Moraes nas eleições

Publicação nas redes sociais alega que Elon Musk entregou às autoridades dos Estados Unidos documentos evidenciando a interferência do ministro Alexandre de Moraes, do STF, nas eleições de 2022. É falso. Não há nenhum registro sobre o fato. Além disso, um especialista em Direito Constitucional afirma que tal ação não teria efeito prático no Brasil.

Maiquel Rosauro
12.04.2024 - 17h02
Política
É falso que Elon Musk conseguiu o impeachment de Alexandre de Moraes

Circula nas redes um vídeo do deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO), que estaria comemorando o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, após o empresário Elon Musk pedir o afastamento do magistrado. É falso. O vídeo mostra Gayer comemorando a aprovação da PEC que limita decisões monocráticas no STF.

Catiane Pereira
12.04.2024 - 16h16
STF
É de 2016 vídeo sobre ação da PF que cita Alexandre de Moraes; caso foi arquivado

Circula nas redes um vídeo que mostra que o nome do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes apareceu em documentos apreendidos pela PF de uma empresa investigada em esquema de fraude. Falta contexto. O vídeo é antigo, de 2016. Pagamentos à firma de Moraes foram para honorários advocatícios. O caso foi arquivado.

Ítalo Rômany
12.04.2024 - 15h13
Política
É falso que Moraes tenha ‘censurado’ o jornalista Augusto Nunes

Circula nas redes sociais um vídeo em que um homem alega que o jornalista Augusto Nunes teria sido censurado pelo Supremo Tribunal Federal em um processo liderado pelo ministro Alexandre de Moraes. É falso. A Suprema Corte negou que exista uma decisão desse gênero em vigor.


Evelyn Fagundes
12.04.2024 - 14h21
Política
É antigo vídeo no qual Cármen Lúcia fala sobre liberdade de expressão

Um vídeo no qual a vice-presidente do TSE, Cármen Lúcia, fala sobre ‘censura’ em uma sessão da corte circula com uma legenda que insinua que ela estaria se posicionando contra o ministro Alexandre de Moraes em sua disputa com o empresário Elon Musk. É falso. O vídeo é de 2022. A sessão do TSE tratou sobre desmonetização de canais no YouTube.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital